Carreiras

| Empreendedorismo

Na próxima quinta-feira (24), às 15h, a rede de lojas Magazine Luiza promoverá uma mentoria para empresários que fazem vendas on-line e desejam se preparar para o e-commerce na Black Friday 2020. O evento on-line será transmitido através do YouTube.

A iniciativa será desenvolvida em parceria com a ANYMARKET, uma plataforma de vendas em marketplaces, e se chamará sessão Roda de Conversa - ANYMARKET + Magalu. Entre os convidados para o evento virtual estão Leandro Ratz, líder de Customer Success do ANYMARKET, e Camilo Santos, Coordenador de Marketplaces da Magalu.

##RECOMENDA##

Entre os temas que serão abordados estão estimativas de prazos finais, datas e regras para Black Friday de 2020, “qual o público do marketplace e as vantagens para se vender no Magazine Luíza?”, “projetos que estão rodando no marketplace para os lojistas” e “estimativas de prazos finais, datas e regras para Black Friday de 2020”. Para mais detalhes, acesse o site da ANYMARKET.

LeiaJá também

--> Ferreira Costa oferece cursos gratuitos com certificado

O Serviço de apoio às Micros e Pequenas Empresas (Sebrae) apresentou novos protocolos de segurança. Desta vez, as medidas foram para os setores de indústria moveleira e escritórios de arquitetura. Vale pontuar que as orientações reúnem normas técnicas de órgãos como Organização Mundial da Saúde (OMS), Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (Abimóvel), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Sesi, Ministério da Economia e Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) e Organização Pan Americana de Saúde (Opas).

Sobre a indústria moveleira, o Sebrae mencionou que os donos de indústria de móveis precisam ficar atentos, em primeiro lugar, às condições do ambiente de trabalho, cuidados com os colaboradores e precauções na relação com fornecedores.

##RECOMENDA##

 Já para o setor de escritórios, foi mencionado que donos de empresas de arquitetura precisam estar atentos à nova dinâmica das relações de consumo. O uso de tecnologias digitais que facilitavam os negócios, agora passa a fazer parte da rotina. “Criar um ambiente físico seguro para a recepção dos clientes é fundamental, assim como oferecer recursos on-line para que as negociações sejam com menos contato pessoal. Esses cuidados se estendem aos colaboradores, que precisam dispor de um local de trabalho higienizado e, quando for possível, podem trabalhar remotamente.

Confira, abaixo, as principais dicas de segurança recomendadas pelo Sebrae para ambos os setores:

--> Setor de escritório de arquitetura/orientações para o local de trabalho:

* Deixe os escritórios abertos e bem ventilados. Evite o uso de ar-condicionado e ventiladores, pois locais fechados contribuem para o aumento da infecção viral.

* Garanta a distância mínima de dois metros entre os funcionários, com a possibilidade de redução para até um metro, no caso de utilização de  equipamento de proteção individual) que impeça a contaminação pela Covid-19.

* Organize uma área de chegada para profissionais disponibilizando álcool em gel para higienização das mãos e medidas para higienização das solas do sapato como um borrifador com álcool 70% ou tapete com desinfetante.

* Forneça materiais e equipamentos suficientes para que não seja necessário o compartilhamento, por exemplo, de copos, telefones, fones, teclados e mouse.

* Coloque frascos ou dispensers de álcool em gel em locais de destaque no local de trabalho.

* Utilize a tecnologia a seu favor. Faça reuniões com seus clientes por videoconferências ou programas gratuitos de bate-papo, como Whatsapp, Skype, Viber, Telegram, Hangouts, Zoom e Line.

* Se não puder fazer trabalho remoto, limpe com pano e sanitizante, a cada 2h, sua estação de trabalho superfícies (mesas, cadeiras, maçanetas, mousepads, interruptores etc.) e equipamentos (computadores, impressoras, telefones, mouses e outros).

* Planeje um espaço separado para recepção de mercadorias, estoques e outros insumos. Denomine esse espaço de área suja. Este deve ser limpo numa frequência maior e pelo menos duas vezes ao dia e, imediatamente, após a chegada de mercadorias, insumos ou mesmo a recepção de fornecedores.

Orientações para os colaboradores:

* Promover teletrabalho ou trabalho remoto sempre que possível. Evitar deslocamentos de viagens e reuniões presenciais, utilizando recurso de áudio e/ou videoconferência.

* Orientar todos trabalhadores sobre prevenção de contágio pelo novo coronavírus e a forma correta de higienização das mãos e demais medidas de prevenção.

* Mapear os meios utilizados pelos colaboradores para chegar à empresa e os cuidados a serem tomados por aqueles que utilizam transporte público, tanto na ida quanto no retorno para casa.

* Instituir mecanismo e procedimentos para que os trabalhadores possam reportar aos empregadores se estiverem doentes ou experimentando sintomas.

* Criar e divulgar protocolos para identificação e encaminhamento de trabalhadores com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus antes de ingressar no ambiente de trabalho. O protocolo deve incluir o acompanhamento da sintomatologia dos trabalhadores no acesso e durante as atividades nas dependências das empresas.

* Orientar colaboradores sobre o uso de uniformes somente no local de trabalho. Uniformes, EPIs e máscaras não podem ser compartilhados.

* Priorizar medidas para distribuir a força de trabalho ao longo do dia, evitando concentrá-la em um turno só.

* Empregados idosos ou que façam parte do grupo de risco devem se afastar do ambiente de trabalho. Disponibilize condições necessárias para que eles possam trabalhar em casa.

* Não levar crianças para o ambiente de trabalho. Já está comprovado que elas são vetores silenciosos em potencial da doença. Negocie com seu chefe o teletrabalho ou home office.

Orientações para os clientes:

* Se não puder atender o cliente de forma remota, priorize o agendamento do atendimento pessoal - principalmente pensando nos públicos que estão mais vulneráveis diante a covid-19.

* Durante o agendamento, neste período de pandemia, realizar pesquisa em caráter informativo, questionando se o cliente apresenta sintomas relacionados à covid-19, se viajou recentemente ou se pertence a algum grupo de risco.

Caso a resposta seja sim, oriente para que a pessoa permaneça em casa e, se for possível, faça o atendimento à distância.

* Organize uma área de chegada para clientes disponibilizando álcool em gel para higienização das mãos e medidas para higienização das solas do sapato como um borrifador com álcool 70% ou tapete com desinfetante;

* Mantenha a distância mínima de segurança de 1,5 metro entre os clientes e colaboradores;

* Realize o controle de entrada e saída dos clientes a fim de evitar aglomerações;

* Solicite que o cliente use máscara própria ou fornecer assim que entrar no estabelecimento;

* Quando precisar, inevitavelmente, visitar a obra, observe os dispositivos vigentes das autoridades municipais e estaduais competentes e tenha todos os cuidados sanitários no trajeto.

Orientações para visitação em obras:

* As visitas às obras deverão ser planejadas com antecedência e autorizadas pelo respectivo responsável técnico.

* Todos deverão adotar os mesmos procedimentos sanitários previstos nas orientações dispostas pelas autoridades municipais e estaduais competentes, além do uso já exigido dos EPI da obra.

* Evite aperto de mão ou abraço e procure manter distância de, no mínimo, 1,5 metro de outras pessoas participantes da visita e dos trabalhadores da obra.

* Fixe cartazes no local com orientações de higiene e prevenção.

* Oriente os trabalhadores para lavarem as mãos com água e sabão sempre que possível e evitarem contato com o rosto.

--> Setor Moveleiro/ orientações para o ambiente de trabalho:

* Fique atento aos decretos federais, estaduais e municipais.

* Organize o galpão de operações para que seja possível manter a distância de 2m entre cada pessoa.

* Dê preferência para ventilação natural, é hora de abrir as janelas para o vento circular.

* O uso do elevador, quando existir, deve ser limitado, garantindo um espaçamento mínimo de 2m entre as pessoas.

Recomenda-se a utilização, preferencialmente, de escada.

* Deixe à disposição dos colaboradores, em local de fácil acesso, borrifadores com álcool 70%.

* Realize a limpeza e desinfecção de objetos e superfícies que sejam tocados com frequência, utilizando água e sabão ou borrifando álcool.

* O uso de máscaras deve ser estendido a TODAS as áreas da indústria.

* Disponibilize garrafas de água para uso individual, desativando bebedouros.

* Dê preferência ao fornecimento de refeição individualizada (marmita), evitando a formação de filas e aglomerações, limitando, de qualquer forma, a utilização simultânea de, no máximo, 50% da capacidade total do local.

Para os colaboradores:

* Adote procedimentos de higienização na entrada das fábricas, disponibilizando lavatório com água e sabonete líquido, álcool em gel, toalhas de papel não reciclado, com informativo afixado em local de fácil visualização, contendo orientações de prevenção de contágio e disseminação da doença.

* Faça medição de temperatura na entrada das fábricas, impedindo o acesso de todos aqueles que apresentarem temperatura superior a 37,8º C.

* Oriente o trabalhador a evitar aperto de mão ou abraço.

* Disponibilize material educativo, como cartazes, panfletos e cartilhas contendo dicas e orientações de prevenção à Covid-19. Utilizar as mídias sociais (se for o caso) e meios eletrônicos da empresa como forma de sensibilização dos funcionários.

* Oriente os colaboradores a vestirem o uniforme, ou roupa de trabalho, somente no local de trabalho. Uniformes, EPIs e máscaras não devem ser compartilhados e devem ser constantemente trocados e higienizados.

Cuidados com motoristas, fornecedores e terceirizados:

* Visitas de arquitetos, projetistas, designers, varejistas e profissionais da indústria de máquinas e equipamentos deverão ser autorizadas e planejadas com antecedência e todos deverão adotar os mesmos procedimentos sanitários previstos neste documento.

* Motoristas devem limpar a cabine do caminhão várias vezes ao longo do dia. Concentre-se especialmente nas maçanetas internas e externas, no volante e no painel. É importante desinfetar as mãos com álcool ao entrar e sair da cabine do motorista. Alternativamente, lave as mãos com água e sabão.

* Use máscara quando estiver fora do caminhão e, se obrigatório o contato mais próximo com outras pessoas, coloque luvas para manusear equipamentos e/ou documentos (principalmente os de uso comum) dentro das instalações.

* Fique na cabine do motorista sempre que possível e permitido, enquanto estiver nos locais de embarque e entrega.

* Deve ser restrita a entrada e circulação de pessoas que não trabalham no parque fabril, especialmente fornecedores de materiais, que, se necessária a entrada, deve ser restrita a ambiente de descarga. A visita deve durar o menor tempo possível. Para essas pessoas, deve ser oferecida higienização das mãos com água e sabão ou álcool 70%, antes de adentrarem a área.

Fundador e conselheiro fiscal, Marcelo Chucre; o presidente do Êxito, Janguiê Diniz e o vice-presidente e coordenador do comitê de Educação, Celso Niskier. Foto: Divulgação

##RECOMENDA##

Nesta quinta-feira (17), o Instituto Êxito de Empreendedorismo e a UNESCO no Brasil assinaram uma parceria inédita para o desenvolvimento do espírito empreendedor entre os jovens no país. O acordo de cooperação técnica e financeira prevê a criação do projeto Lições de Empreendedorismo para o Alcance de uma Educação Emancipadora e Transformadora. Nele, serão desenvolvidas iniciativas de criação, produção e oferta de um curso de capacitação em empreendedorismo para jovens.

As ações do projeto serão voltadas para estudantes do ensino básico da rede pública. A expectativa é atender 10 mil jovens com o projeto-piloto, que, depois, será estendido para toda a rede pública brasileira. “O Instituto Êxito de Empreendedorismo nasceu com a missão de promover uma verdadeira transformação na vida de jovens brasileiros, por meio da educação empreendedora. Ficamos felizes em poder contar com parceiro tão renomado internacionalmente como a UNESCO, para impulsionar nossos projetos em prol do empreendedorismo no Brasil”, afirma o presidente do Instituto Êxito, Janguiê Diniz.

A capacitação promovida pelas duas instituições terá um material didático especialmente desenvolvido pelos parceiros e contará com o uso da plataforma online do Instituto Êxito, que já possui mais de 350 cursos. “Os jovens beneficiários do projeto receberão valiosas lições sobre o empreendedorismo, adquirindo competências pessoais, técnicas e gerenciais para que possam construir uma mentalidade de crescimento e transformar suas vidas para melhor, empreendendo seus projetos com apoio de mentores do Êxito, entre eles muitos empreendedores de sucesso em suas áreas de atuação”, explica o vice-presidente do Instituto, Celso Niskier.

“Para a UNESCO, é um privilégio ser parceira em uma iniciativa como essa. A pandemia afetou severamente o sistema educacional, especialmente as populações mais vulneráveis. O fechamento das escolas tem consequências que vão além da aprendizagem. Ao ficar em casa, longe do ambiente escolar, os jovens têm mais dificuldades para desenvolver suas competências e habilidades. Soma-se a isso a crise econômica, agravada pela pandemia, que atinge de modo mais severo a população de baixa renda. Ao levar esse projeto para os estudantes da rede pública, estamos ajudando também na construção de um futuro com menos desigualdades e mais oportunidades para todos”, destaca a diretora e representante da UNESCO no Brasil, Marlova Jovchelovitch Noleto.

“Encontramos na UNESCO uma sintonia muito grande com a missão do Instituto, que é transformar vidas por meio da educação empreendedora, e com a experiência mundial dessa importante organização internacional, aplicaremos uma metodologia inovadora e focada na emancipação e no protagonismo dos jovens brasileiros, dando o necessário respaldo de qualidade ao projeto”, avalia Janguiê.

*Da assessoria

LeiaJá também

--> FS Security e Instituto Êxito fecham parceria

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) divulgou orientações de retoma segura de atividades presenciais destinadas a donos de negócios de games, pertencente ao segmento de Economia Criativa. O acesso ao protocolo pode ser realizado por meio do Portal Sebrae.

De acordo com um levantamento negócios da Economia Criativa, as perdas no faturamento chegaram a 73%, percentual acima da média de 50%. Os dados são da 6ª edição da Pesquisa de Impacto da Pandemia nos Pequenos Negócios, feita pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), feito na última semana de julho deste ano. 

##RECOMENDA##

Nesse sentido, e com a reabertura de estabelecimentos, foi elaborado um protocolo de retomada específico para o setor com recomendações de distanciamento social, limpeza de equipamentos, uso de máscara, dentre outros. O documento conta com contribuições de entidades do segmento, além de recomendações da autoridades oficiais de saúde nacionais e internacionais, em função de prevenir o contágio pela Covid-19.

A iniciativa do Sebrae reúne 35 documentos para 47 segmentos. Neles, há medidas para que os empresários consigam adaptar o local de trabalho de desenvolvedores, publishings, distribuidores e varejo do setor games, e assim receber colaboradores, fornecedores e clientes.

O Sebrae ainda recomenda que os proprietários fiquem atentos aos decretos e demais regulamentos vigentes na região em que atuam. Além disso, a entidade explica em caso de divergência entre as medidas estaduais e municipais, vale seguir as orientações mais rígidas conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ministério da Saúde, entre outros órgãos oficiais.

A Secretaria do Trabalho, Emprego e Qualificação (Seteq) lançou a plataforma “Compre PE”, com o objetivo de aproximar comerciantes e clientes, abrindo um canal de delivery. O acesso, assim como o cadastrado no programa, é gratuito e pode ser feito pelo computador ou smartphone, no site Compre PE.

Nesta primeira fase, o programa pretende atrair pequenos, grandes e microempreendedores individuais que ofereçam produtos e serviços, como comerciantes e prestadores de serviço informais.

##RECOMENDA##

“Essa é uma iniciativa importante para aquecer a economia dos municípios e valorizar as potencialidades econômicas de cada região, estimulando a cultura, artesanato, culinária e a prestação de serviços”, afirmou o governador Paulo Câmara, de acordo com a assessoria de comunicação da Seteq.

Através do Compre PE, os pequenos comerciantes vão ofertar seus produtos em todo território brasileiro e até mesmo no exterior. “No Brasil, existem outras iniciativas como essa, mas que cobram um valor ainda alto para os pequenos, quase 22% em média sobre a venda do produto. Já a plataforma do Governo de Pernambuco não vai gerar nenhuma despesa ou custo para o pequeno empreendedor”, pontuou o secretário do Seteq Alberes Lopes.

O Seteq orienta que o profissional preencha o catálogo com informações dos produtos ou talentos na plataforma, para facilitar a visualização dos clientes. Dentro da plataforma existe o PE Cidadão, que já conta 400 mil pessoas cadastradas e recebe em torno de 15 mil acessos por dia.

O Compre PE é uma alternativa ao enfrentamento a pandemia do novo coronavírus. A plataforma foi cedida pelo Centro de Gestão da Tecnologia da Informação do Governo do Amapá (PRODAPE) à Agência Estadual de Tecnologia da Informação do Governo de Pernambuco (ATI).

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) divulgou sugestões de protocolo na retomada das atividades no setor de transporte escolar. As recomendações trazem os principais cuidados que devem ser tomados para manter a segurança dos clientes e colaboradores.

O Sebrae ressaltou que os empreendedores do segmento do transporte escolar tiveram que se reinventar, e em muitos locais, estão com a atividade econômica totalmente parada. Em muitos estados, o isolamento social começa a ser flexibilizado e os profissionais da área precisam cuidar de uma série de adaptações para garantir a segurança dos clientes, dos colaboradores e de toda a população a partir do momento que as escolas voltarem a funcionar. 

##RECOMENDA##

Já em relação às medidas de segurança que devem ser tomadas, o Sebrae informou que todos os pais, passageiros e colaboradores do transporte devem usar máscaras e fiscalizar o uso adequado da peça. O empreendedor deste segmento além dos cuidados básicos, como: higienizar constantemente o veículo; fornecer álcool em gel para os passageiros ao entrar e ao sair do veículo; utilizar e cobrar a utilização de máscaras; até mesmo controlar/aferir a temperatura dos clientes ao entrar no veículo (evitando transporte de pessoas febris ou que estejam contaminadas com a Covid-19); terá certamente que se adequar e constantemente revisar seu veículo (sua ferramenta de trabalho) a uma nova realidade de convivência com o vírus. As rotinas de limpeza precisam ser redobradas e muito mais atenção deve ser despendida na desinfecção de superfícies e pontos comuns ao toque.

Sobre a higienização do transporte escolar, o Sebrae mencionou que o ideal é que uma limpeza geral com desinfecção seja feita antes e depois de cada turno, pela manhã, tarde e noite. Além de certificar se os procedimentos de limpeza e desinfecção sejam seguidos de maneira consistente e correta, o empresário deve incluir o fornecimento de ventilação adequada quando produtos químicos estiverem em uso.

Também foi indicado que as portas e janelas permaneçam abertas ao limpar o veículo. Ao limpar e desinfetar, os indivíduos devem usar luvas descartáveis compatíveis com os produtos utilizados, bem como qualquer outro EPI necessário, de acordo com as instruções do fabricante do produto. Recomenda-se também o uso de uma bata descartável, se disponível.

“Para superfícies duras e não porosas no interior do veículo, como assentos rígidos, apoios de braços, maçanetas, fivelas de cinto de segurança, controles de luz e ar, portas e janelas e puxadores, limpe com água e sabão se as superfícies estão visivelmente sujas, antes da aplicação de desinfetante (que pode ser solução com água sanitária ou álcool 70%). Já para superfícies eletrônicas tocadas com frequência, como tablets ou telas sensíveis ao toque usadas no veículo, remova a sujeira visível e desinfete seguindo as instruções do fabricante para todos os produtos de limpeza e desinfecção. Se nenhuma orientação do fabricante estiver disponível, considere o uso de toalhetes ou sprays à base de álcool 70%. As luvas e qualquer outro EPI descartável usado para limpar e desinfetar o veículo devem ser removidas e descartadas após a limpeza”, divulgou o Sebrae, em nota.

Além disso, é necessário que seja criado um novo protocolo para o trabalho dos colaboradores. “Primeiro, deixe claro a todos que aqueles que apresentarem sintomas de contaminação pela Covid-19, devem ficar em casa e procurar ajuda médica. Estabeleça o uso de uniformes que devem ser colocados somente quando chegarem ao trabalho. Incentive uma postura mais contida, sem apertos de mãos, abraços ou gestos mais próximos. A pessoa que recebe as crianças/estudantes deve ser orientada a manter uma distância segura dos passageiros, no caso de haver formação de filas”, publicou o Sebrae.

“Tomados todos esses cuidados práticos em relação ao transporte e colaboradores, é a hora de restabelecer a relação de confiança que você tem com o seu cliente. Sim, ele já confia a você a missão de levar uma pessoa de sua família para a escola/faculdade, agora é necessário mostrar para ele que você e sua empresa são capazes de manter as orientações de segurança e que irão contribuir com a saúde da família dele. O fator de decisão emocional será capaz de direcionar o cliente a escolher retornar ao mesmo prestador de serviços de antes da epidemia, ou migrar para empreendedores que além de realizar os procedimentos, evidenciem estes protocolos aos clientes e/ou responsáveis, estabelecendo uma nova relação de consumo, potencializando o respeito pelas normas e atitudes proativas em prol da saúde das partes. Oportunidades surgem diante das dificuldades, cabe ao empreendedor, se atentar a estes detalhes, inovar, e fazer a diferença”, acrescentou o órgão. 

Confira, abaixo,  as dicas práticas mencionadas pelo Sebrae para o transporte, colaboradores e clientes: 

Para o transporte:

--> Siga sempre as informações oficiais. É possível que seja revista a lotação/quantidade de pessoas/estudantes por veículo (van/ônibus escolar), sendo provável que sejam readequadas as distâncias mínimas entre clientes/passageiros.

--> Forneça álcool em gel para os passageiros ao entrar e ao sair do veículo e cobre o uso de máscaras por todos.

--> Verifique a possibilidade de aferir/controlar a temperatura dos passageiros antes do embarque.

--> A limpeza geral com desinfecção do veículo deve ser feita antes e depois de cada turno, pela manhã, tarde e noite.

--> Dê preferência por usar as janelas abertas, com ventilação natural.

Para os colaboradores:

--> Disponha de álcool em gel 70% dentro do veículo para uso de todos.

--> Peça que seus colaboradores coloquem uniforme somente quando chegarem ao local de trabalho.

--> Ofereça luvas e demais equipamentos EPI para que eles realizem a limpeza e desinfecção do veículo.

--> Verifique a possibilidade de instalar uma barreira de vidro ou acrílico entre o motorista e os passageiros.

--> Oriente seus colaboradores para que mantenham um distanciamento seguro de aprox. 1,5m entre as pessoas.

--> Providencie borrifadores com álcool em gel 70 % para serem usados nas solas dos calçados de quem entra no veículo.

Para os clientes:

--> Restabeleça a confiança com o cliente para que ele entenda que sua empresa é capaz de transportar com segurança.

--> O fator de decisão emocional será capaz de direcionar o cliente a escolher retornar ao mesmo prestador de serviços de antes da epidemia, ou migrar para empreendedores que além de realizar os procedimentos possuem consistência nas medidas de segurança.

--> Na hora do pagamento, dê preferência às transferências bancárias. Caso use a maquininha de cartão, ela deve ser envolvida em papel filme e higienizada antes e depois da operação.

--> Use suas redes sociais para mostrar aos clientes como se preparou para enfrentar a pandemia.

O espaço Oi Futuro lançou um guia digital gratuito voltado para ajudar educadores e gestores das redes pública e privada de ensino a estimularem os estudantes a realizar empreendedorismo social. A iniciativa é resultado de uma parceria com o instituto British Council e o plataforma de educação Porvir.

“O projeto Empreendedorismo Social na Educação nasceu de um desejo coletivo em construir referências para as escolas trabalharem com seus estudantes, qualificando o empreendedorismo e o conectando aos grandes desafios sociais que as novas gerações vão enfrentar”, explica Carla Uller, gerente executiva de Educação e Inovação Social do Oi Futuro, de acordo com informações da assessoria de comunicação.

##RECOMENDA##

O guia reúne dicas, estratégias e casos reais de ações empreendedoras com impacto social e ambiental, do Brasil e do Reino Unido. Além disso, o material conecta-se com o currículo escolar, às práticas pedagógicas e ao cotidiano dos jovens. O conteúdo é resultado do seminário “Empreendedorismo Social na Educação: Como Aproximar os Dois Universos”, realizado em fevereiro deste ano.

De acordo com os coordenadores do projeto, o guia desempenha um papel importante para educação e inovação social. “Levar o empreendedorismo social para o ensino médio é reconhecer o jovem como protagonista na transformação do mundo a sua volta e também da educação”, disse a diretora do Porvir, Tatiana Klix.

Para ter acesso ao guia Empreendedorismo Social na Educação, basta o educador acessar o site Empreendedorismo Social. O conteúdo está disponível para todo o Brasil.

A FS Security e o Instituto Êxito de Empreendedorismo acabam de fechar uma parceria que irá ajudar a movimentar o mercado do empreendedorismo no país. Através do aplicativo Ensina by FS as empresas elaboram novas ferramentas que unem a expertise de ambas no desenvolvimento pessoal e profissional ao incentivar e apoiar o empreendedorismo, a livre iniciativa e a ética nos negócios. Os usuários do Ensina terão um login específico para acessar cursos exclusivos do Instituto.

Segundo dados recentes da pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), o Brasil deve atingir em 2020 o maior patamar de empreendedores iniciais dos últimos 20 anos, com cerca de 25% da população adulta abrindo um novo negócio ou tendo algum com até 3 anos e meio de atividades.

##RECOMENDA##

“Essa parceria trará tanto para a FS, através do Ensina, quanto para o Instituto Êxito de Empreendedorismo uma troca de conhecimento que será visível em futuros produtos e funcionalidades que unirão o melhor das duas empresas e ajudará a despertar a veia empreendedora das pessoas. Esse movimento de abrir um novo negócio aumentou com a pandemia e muitas pessoas procuram se capacitar cada vez mais. Esse é mais um passo que damos para contribuir nessa nova realidade da educação, online e cada vez mais tecnológica sem deixar de lado a qualidade”, afirma Carlos Landim, CEO da FS.

“Estamos muito empolgados com a assinatura desse convênio, pois acreditamos que a única maneira de transformar o nosso país é por meio da educação empreendedora, e tudo isso só será possível se unirmos forças em prol do seu desenvolvimento. A FS, através do Ensina, corrobora com os nossos ideais e é fundamental como multiplicadora de conhecimento. Já é uma parceria de muito sucesso”, afirma o presidente do Instituto Êxito de Empreendedorismo, Janguiê Diniz.

Sobre a parceria, os alunos poderão ter acesso a cursos de diversas categorias, como empreendedorismo, profissionalizantes, geração de renda, desenvolvimento pessoal, gestão e negócios, marketing e vendas, inspiracional e tecnologia e inovação. O acesso aos cursos será por meio do link https://institutoexito.com.br/u/ensina sendo necessário usar o código ensina. Todos os cursos ofertados na plataforma são gratuitos.

*Da assessoria

LeiaJá também

--> O empreendedor pós-pandemia

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) divulgou, nesta quinta-feira (3), o protocolo de segurança de retomada das atividades presenciais para o segmento audiovisual.  “Produtores e coprodutores precisam adaptar suas empresas para atender aos decretos tanto estaduais quanto municipais, em relação ao retorno das atividades de produção, assim como precisam usar a criatividade para atender aos novos hábitos de consumo de produtos e serviços”, informou o Sebrae.

Confira abaixo orientações para pré-produção e produção no local de trabalho recomendadas pelo Sebrae: 

##RECOMENDA##

Orientações para pré-produção:

* Organize uma área de chegada para os profissionais onde possam fazer a higienização adequada das mãos e das solas dos sapatos com um borrifador de álcool 70% ou tapete com desinfetante;

* Superfícies (mesas e bancadas) e objetos (telefones, teclados) precisam ser limpos e higienizados regularmente;

* Ao realizarem teste para contratação de equipe artística, evite aglomerações;

* Agende horários com um intervalo entre os candidatos e ofereça, se possível, kits de proteção e higiene;

* Planeje seu roteiro de cenas em espaços grandes e ventilados;

* Recomenda-se que o número de locações e as implicações de higienização seja levado em consideração no planejamento e na pré-produção. Lembre-se que neste momento estamos considerando a retomada gradativa;

* Planeje um espaço separado para recepção de mercadorias, estoques e outros insumos. Denomine esse espaço de área suja. Este deve ser limpo numa frequência maior, pelo menos duas vezes ao dia;

* Imediatamente após a chegada de mercadorias, insumos ou mesmo recepção de fornecedores proceda à limpeza e desinfecção de mercadorias;

Orientações para produção:

* Na entrada do set de filmagem, escritório, ou estabelecimento comercial de sua produtora, mantenha um kit higiene: álcool em gel, máscaras e propé, para o uso de todos os profissionais, salvo durante a performance em set/gravação;

* Recomenda-se a verificação de temperatura de cada pessoa que entrar no estabelecimento para garantir também mais segurança;

* Aos profissionais que precisam estar mais em contato com outros profissionais/artistas, como equipes de maquiagem, cabeleireiro, figurino etc., recomenda-se o uso de máscara reutilizável, face shield e luvas;

* O rosto do artista deve ser adequadamente higienizado e possuir um número maior de pincéis, levando em consideração o número de profissionais a serem atendidos, permitindo um kit de pincéis para cada cliente. Recomenda-se o fracionamento dos produtos para cada atendimento, evitando levar o pincel possivelmente contaminado ao produto;

* A programação das atividades deve prever intervalo suficiente entre sessões para higienização completa de todos os ambientes e equipamentos;

* Objetos de cena devem ser de uso individual, sem compartilhamento e higienizados antes e após o uso; 

* Deve-se substituir o microfone de lapela por outro meio de captação de som sem contato direto;

* Recomenda-se a higienização frequente dos figurinos dos casting principal e secundário – com especial atenção quando o profissional repete o figurino diversas vezes;

* Todos os figurinos, cenários, instrumentos e objetos de cena devem ser higienizados antes e depois do uso;

* Para locomoção, recomenda-se utilizar o transporte próprio, Uber ou veículos da produção, sempre devidamente higienizados; 

* Nas gravações em espaços fechados, respeite a quantidade máxima de pessoas que o distanciamento social permite;

* As refeições devem ser servidas em embalagens individuais e descartáveis. Devem ser organizados turnos para alimentação, evitando aglomeração;

* Público e pessoas não envolvidas diretamente nas apresentações, atuações e performances devem ser mantidos a uma distância segura, para prevenção de contaminações e contágio;

 “Produtores e coprodutores precisam adaptar suas empresas para atender aos decretos tanto estaduais quanto municipais, em relação ao retorno das atividades de produção, assim como precisam usar a criatividade para atender aos novos hábitos de consumo de produtos e serviços”, ressaltou o Sebrae.

O Sebrae defende que para o retorno das atividades, é fundamental o controle rígido de segurança e higiene tanto para a equipe de colaboradores e fornecedores, quanto para os clientes. A instituição também reconhece que a liberação do funcionamento dos estabelecimentos depende, fundamentalmente, das condições específicas de cada localidade e, por isso, recomenda que os donos de pequenos negócios fiquem atentos aos decretos e demais regulamentos vigentes na sua região e caso, exista divergência de informações entre as medidas estaduais e municipais, optem por seguir a orientação mais rígida, de preferência de acordo com as recomendações das autoridades oficiais de saúde, como Organização Mundial de Saúde (OMS), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ministério da Saúde, entre outras. 

De acordo com o presidente do Sebrae, Carlos Melles, “o Brasil é um país de proporções continentais e as condições do sistema de saúde no atendimento aos casos da doença podem ser bastante distintas, mesmo entre municípios de um mesmo estado. Por isso, os Protocolos de Retomada do Sebrae precisam estar alinhados às medidas determinadas por governadores e prefeitos”, disse.

Vale pontuar que o Sebrae elaborou um conjunto de protocolos de retomada para 14 macrossetores, entre eles o setor da Economia Criativa, que inclui a atividade do audiovisual. Além de orientações gerais sobre higiene e saúde estabelecidas no enfrentamento da doença, o documento indica medidas e boas práticas para que todos se sintam confiantes no retorno à rotina de produção.

Além das orientações para o local de trabalho, também foi elaborado recomendações gerais de higiene e saúde, orientações para colaboradores, orientações para atendimento de clientes e visitas e relacionamento com fornecedores. Confira: 

Orientações Gerais de Higiene e Saúde

* Além das recomendações básicas para a lavagem das mãos de forma adequada com uso de água e sabão e uso de álcool 70% para a higienização pessoal, o empresário deve manter constantemente limpos e higienizados todas as ferramentas, máquinas e equipamentos de uso manual, antes e durante a execução dos trabalhos;

* Realize a limpeza e desinfecção de objetos e superfícies que sejam tocados com frequência, utilizando água e sabão ou borrifando álcool 70%;

* Áreas de uso coletivo, como banheiros e refeitórios, devem ser limpos com frequência após o uso;

* Tanto máscaras quanto outros equipamentos de proteção individual (EPI) não devem ser compartilhados;

* As regras de distanciamento de mais de 1,5 m devem ser mantidas mesmo com uso de máscaras;

* No caso de proteção com materiais descartáveis, a recomendação é o descarte em lixeira com pedal e tampa, com o recolhimento por empresas de coleta de produtos contamináveis;

* Informe a seus funcionários, contratados e clientes que qualquer pessoa que tenha tosse leve ou febre baixa (37,3ºC ou mais) precisa permanecer em casa;

* Deixe claro para os funcionários que eles poderão contar esse tempo como licença médica;

Orientações gerais para Colaboradores

* Antes do retorno ao ambiente de trabalho, crie e divulgue protocolos para identificação e encaminhamento de trabalhadores com suspeita de contaminação pelo novo coronavírus;

* Garanta um espaço reservado para guardar bolsas e itens pessoais dos colaboradores. Solicite que eles tragam o mínimo de objetos pessoais para o ambiente de trabalho e forneça sacolas plásticas para acondicionar os pertences de cada funcionário;

* Oriente que o uniforme ou roupa de trabalho deve ser vestido somente no local de trabalho, sem compartilhamento;

* Para fiscalizar se os novos procedimentos estão sendo efetuados de forma estabelecida, escolha um colaborador para a tarefa e faça um rodízio periodicamente;

* Adote medidas para diminuir a intensidade e a duração do contato pessoal entre trabalhadores e entre esses e o público externo;

* Promova o teletrabalho ou trabalho remoto sempre que possível e utilize recursos de áudio e videoconferência para evitar deslocamentos e reuniões presenciais;

* As atividades de pré-produção e pós-produção podem se encaixar em trabalhos remotos e teletrabalho, como elaboração de roteiro e edição e tratamento de áudio e vídeo;

Orientações para atendimento de clientes e visitas

* Informe aos clientes que o seu estabelecimento é comprometido com as boas práticas e com a segurança, para que eles se sintam seguros;

* Treine a equipe para falar sobre as medidas de segurança, utilize cartazes por onde o cliente circular. Faça também comunicação no site e/ou redes sociais;

* Organize uma área de chegada para clientes e visitas disponibilizando álcool em gel para higienização das mãos e medidas para higienização das solas do sapato como um borrifador com álcool 70% ou tapete com desinfetante;

* Geralmente, recomenda-se que as visitas de pessoal externo ou não envolvido no desenvolvimento do trabalho sejam restritas. A companhia de produção pode suspender todas as visitas externas às suas instalações ou conjuntos de filmagem, exceto em casos excepcionais que exigirão a autorização do gerenciamento da produção, quando apropriado;

* Priorize o agendamento do atendimento pessoal e/ou à distância - principalmente pensando nos públicos que estão mais vulneráveis diante da Covid-19;

* Procure realizar a abertura em horários diferentes, para que o tráfego de clientes e profissionais não coincida com o pico de movimento do transporte público;

* Atenda à exigência de manter a distância mínima de segurança de 1,5 metros entre os clientes e colaboradores;

Orientações para relacionamento com fornecedores

* Todas as recomendações de higiene e saúde devem ser exigidas também de fornecedores e distribuidores, inclusive quanto ao uso de máscaras e medidas de distanciamento;

* Receba fornecedores em um local específico e nos momentos de manuseio de documentos, emissão de recibos ou assinatura de documentos de entrega, utilize luvas ou higienize as mãos na sequência de tais procedimentos;

* Mantenha higienização contínua do meio de transporte que você utiliza para transportar equipamentos de filmagem;

LeiaJá também

--> Sebrae: pesquisa revela mudanças para pequenos negócios

--> Sebrae elabora protocolo para donos de espaços culturais

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) divulgou, nesta quarta-feira (2), que entre 31 de março e 15 de agosto de 2020, foram feitos 784,3 mil registros no Simples Nacional. Esse número é 0,8% superior ao registrado no mesmo período do ano passado.

Conforme a instituição, entre esses novos negócios, a grande maioria deles foi de Microempreendedores Individuais (MEI), com 684 mil registros, quase 43 mil a mais que no mesmo período de 2019. E cerca de 100 mil novos negócios foram registrados como Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, nesse mesmo período.

##RECOMENDA##

Na avaliação do presidente do Sebrae, Carlos Melles, grande parte das pessoas que estão abrindo seus negócios nesses últimos meses, tem sido motivada pela necessidade decorrente da falta de empregos, um dos principais impactos gerados pela pandemia do novo coronavírus. “Normalmente as pessoas que empreendem em razão do desemprego não se preparam adequadamente e têm um sério risco de atravessar problemas na administração do negócio no futuro, mas o Sebrae está à disposição para prestar todo apoio na qualificação desses empreendedores”, afirma, por meio de nota, Melles.

Ele ainda ressalta: “Para essas pessoas, a instituição oferece um universo de cursos que podem ser feitos à distância (até mesmo pelo WhatsApp) e sem nenhum custo”. O MEI, segundo Carlos Melles, é o caminho da formalização, uma boa solução para quem está conseguindo manter a atividade neste período, pois ele oferece vários benefícios. O programa nasceu para incentivar a formalização de pequenos negócios e de trabalhadores autônomos. Podem aderir ao programa os negócios que faturam até R$ 81 mil por ano, ou R$ 6,7 mil por mês, e têm, no máximo, um funcionário.

Nesta quarta-feira (2), às 14h, será realizado um webinar gratuito para apresentar as mudanças da nova legislação da categoria de microempreendedores individuais (MEI). O momento está sendo promovido pelo Sebrae do estado de Santa Catarina e traz a temática: “MEI na Prática: Conheça os Impactos da Nova Legislação”. As inscrições podem ser realizadas gratuitamente pela internet.

A transmissão contará com a participação da consultora especialista do Sebrae/SC Sueli Lira, a contadora e presidente do CRC/SC, Rúbia Albers Magalhães, e o contador e vice-presidente do Sescon da Grande Florianópolis, André Marquart. O encontro será mediado pela gestora do MEI do Sebrae/SC, Aline Pereira.

##RECOMENDA##

O Sebrae reforçou que o microempreendedor individual está dispensado de atos públicos de liberação de atividades econômicas relativas à categoria. Com isso, mudam os processos de emissão de alvará e licença de funcionamento. A medida começou a valer nesta terça-feira (1º). Os especialistas irão debater o assunto e explicar como isso pode impactar os negócios. 

“Existem muitos microempreendedores individuais no país, portanto, é muito importante que eles entendam como as novas mudanças irão funcionar na prática. Esse debate será essencial para esclarecer as dúvidas da categoria em relação a rotina do MEI e para compreender a execução da atividade de forma legal”, afirma a gestora do Sebrae/SC, Aline Pereira.

Começaram, nesta terça-feira (1º), as inscrições para o programa Jovem Aprendiz Empreendedor, que contratará 300 jovens – com idades de 14 a 22 anos e seis meses – para aturem na função de auxiliar administrativo em várias entidades da administração direta e indireta da Prefeitura de Salvador. Os jovens selecionados receberão capacitação teórica de forma virtual e, em outro momento, presencial.

A ação é promovida pela parceria entre a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Trabalho, Esporte e Lazer (Semtel), e o Parque Social, órgão de formação reconhecido pelo Ministério de Trabalho e Emprego. Em torno de 1.200 pessoas já conseguiram o primeiro emprego por meio do projeto, desde 2014.

##RECOMENDA##

A seleção será feita em quatro fases, todas de caráter eliminatório e realizadas de modo on-line: inscrição, análise de documentos, avaliação cognitiva (produção de texto em plataforma digital) e entrevista individual por vídeo conferência. Quem tiver interesse em participar do programa deve realizar as candidaturas por meio do site da seleção.

O candidato deve anexar os documentos requeridos durante o preenchimento do formulário de inscrição. Após aprovação, os selecionados serão chamados para a avaliação cognitiva, que é a fase que decide se ele passará ou não para a entrevista individual, feita por psicólogos. A auxiliar administrativa Vitória Souza, de 21 anos, disse que o primeiro emprego como jovem aprendiz foi muito importante na sua vida profissional. “Foi minha primeira assinatura na carteira de trabalho. Além disso, foram oferecidos diversos cursos onde tive a oportunidade de aprender e levo esses conhecimentos até hoje”, assegurou ela, segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Salvador.

Para participar do programa é necessário que o candidato resida em Salvador, seja estudante de escola da rede pública de ensino, esteja cursando a partir do nono ano do ensino fundamental, ou esteja no ensino médio ou já tenha concluído. Além disso, é necessário, também, que o candidato tenha carteira de trabalho sem registro de contratação e renda familiar comprovada de até meio salário mínimo por pessoa.

Quem ainda estiver estudando não pode ter dependência em nenhuma matéria, além de precisar ter disponibilidade para frequentar as atividades do programa no contraturno ao que estiver matriculado. O programa tem duração de 17 meses e dez dias. Neste período, os jovens aprendizes terão 1.280 de capacitação, com acompanhamento psicossocial, remuneração de meio salário mínimo, férias e outros direitos trabalhistas. Se o candidato tiver dúvidas, pode entrar em contato por meio do telefone (71) 3202-7100, das 8h30 às 12h e das 13h às 16h30.

A rede de escritórios compartilhados Hub Plural anunciou a inauguração de uma unidade localizada na Avenida Cais do Apolo, 455, no bairro do Recife. O principal intuito é atender aos profissionais que precisam estar no parque tecnológico da capital. O espaço será inaugurado oficialmente na próxima terça-feira (8).

“O Bairro do Recife é uma demanda antiga dos nossos membros. Estar dentro de um dos maiores parques tecnológicos do mundo é estar conectado com as inovações produzidas pelas startups e empresas. A nova unidade vai proporcionar aos empreendedores, empresários e seus funcionários uma experiência diferenciada com o viver e trabalhar”, afirmou Alfredo Júnior, CEO do Hub Plural, segundo informações da assessoria de comunicação.

##RECOMENDA##

Ainda de acordo com a assessoria, o novo prédio possui três pisos, sendo o térreo com a recepção; o primeiro andar destinado ao Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (CESAR), que está em funcionamento; e no terceiro andar estão as salas privativas e compartilhadas. Além dessa estrutura, o local conta com banheiros, vestiários, um bar e um refeitório.

Todas as empresas residentes terão acesso a internet; flexibilidade nos planos e possibilidade de acessar as outras unidades localizadas nos bairros dos Aflitos, Boa Viagem (I e II) e Várzea; espaço para eventos; vestiário; bicicletário e suporte de funcionários.

O Hub Plural ressalta que todas as unidades adotaram as medidas de segurança, em prevenção a contaminação por Covid-19. Os protocolos sanitários seguem as instruções da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde, como a higienização das mãos e objetos, além do uso obrigatório da máscara facial.

Redes sociais, aplicativos e a internet, de uma forma geral, são mais utilizados por mulheres empreendedoras do que pelos homens que têm negócios. A Pesquisa de Impacto da Pandemia nos Pequenos Negócios, desenvolvida pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), mostra que 69% das empresárias já vendiam ou passaram a vender on-line impulsionadas pela pandemia de Covid-19, contra 63% entre os homens. 

Quando se trata da utilização de ferramentas digitais mais complexas, a situação se inverte: 68% dos homens já as utilizaram, enquanto o percentual de mulheres fica em torno dos 32%. No que diz respeito ao sentimento em relação aos negócios, 73% das empresárias acreditam que menos da metade da clientela irá voltar a frequentar os estabelecimentos após a reabertura, enquanto 68% dos homens pensam o mesmo.

##RECOMENDA##

O levantamento ouviu 6.506 donos e donas de micro e pequenas empresas de todos os estados e do Distrito Federal na última semana de julho. Nele, também foi constatado que a maioria dos negócios está instalada em loja ou sala de rua, mas quando se trata de empreendedores que trabalham em casa, 35% são mulheres e 27% homens. 

“Sabemos que essa é uma realidade cultural do nosso país e que outras pesquisas do Sebrae já mostraram que as mulheres dedicam, em média, 17 % menos horas semanais aos negócios do que os homens, por estarem envolvidas com o que chamamos de economia de cuidados, seja com a casa ou com familiares. Então, a crise da pandemia jogou um holofote nessa questão porque vimos que as crianças estão em casa, houve dispensa de ajudantes e essas atividades recaíram muito mais sobre as mulheres”, afirmou Renata Malheiros, analista do Sebrae. 

Confira, a seguir, outras informações sobre a pesquisa: 

- A maioria dos empreendedores está em processo de reabertura, com ligeira vantagem para as mulheres (55%) em relação aos homens (51%).

- A grande maioria dos empresários (81%), de ambos os gêneros, acusou diminuição do faturamento mensal na pandemia - com as mulheres sendo um pouco mais penalizadas. Em relação a uma semana normal de trabalho, as perdas para elas foram de 59% e, para eles, de 57%.

- Mais da metade dos empresários de ambos os gêneros entrevistados eram MEI, com predominância das mulheres (62% delas contra 53% dos homens).

- Há um percentual de mulheres jovens empreendendo maior do que o de homens. Mas é na faixa etária entre 36 e 55 anos que estão concentrados os empresários de ambos os sexos (60% deles).

- As mulheres são mais escolarizadas do que os homens: 49% delas têm nível superior completo ou pós-graduação contra 40% dos homens com esses mesmos níveis de escolaridade.

- Mais da metade dos empresários não conseguiu empréstimo. Apenas 22% das empreendedoras e 20% dos empreendedores tiveram êxito na obtenção de crédito.

- Empreendedores masculinos e femininos acreditam que a situação econômica do país voltará ao normal em 12 meses.

*Com informações do Sebrae 

LeiaJá também

--> Sebrae: pesquisa revela mudanças para pequenos negócios

A Faculdade UNINASSAU Petrolina promove na próxima segunda-feira (31), às 19h, a terceira edição do evento 'Gestores de Sonhos' em formato on-line. A novidade desse ano é a realização do Drive Thru solidário que funcionará de 14h às 18h no dia do evento, arrecadando alimentos não perecíveis. Para participar, basta se inscrever no extensao.uninassau.edu.br e realizar a doação.

Este ano o tema central será “RH que desenvolve pessoas e carreiras” e que terá como mediador o administrador e gestor de pessoas, Osvaldo de Souza, do bate-papo com as consultoras em Gestão de Pessoas e  coaching executivas e de carreiras, Giane Calmon e Helena Sales. O encontro visa discutir os novos desafios e avanços para os profissionais de gestão de pessoas não só da região, mas de todo país.

##RECOMENDA##

“Nosso objetivo é contar com a participação de profissionais de todo país, agregando e construindo conhecimento e compartilhando experiências e perspectivas de uma área tão importante dentro de qualquer organização, afinal, pessoas são ativos intangíveis. A área de gestão de pessoas vem mudando ao longo dos anos e precisa ser acompanhada para que nem os profissionais nem as empresas fiquem para trás”, pontua o diretor da Instituição Sérgio Murilo Corrêa.

Com a ideia “Alimente o sonho de alguém” o Drive Thru acontecerá na UNINASSAU, que fica localizada na Av. Clementino Coelho, 714, Atrás da Banca, e os alimentos serão doados a instituição filantrópica da cidade.

Serviço

Gestores de Sonhos - RH que desenvolve pessoas e carreiras 31 de agosto, às 19h

Inscrição: extensao.uninassau.edu.br

Drive Thru – 14h às 18h – UNINASSAU Petrolina

Da assessoria 

A partir desta quarta-feira (26), será realizada a segunda temporada da série online gratuita “Pega a Visão: um novo olhar sobre o trabalho para as juventudes.” A iniciativa é direcionada para o público entre 15 e 29 anos de idade, mas com foco especial para alunos das escolas técnicas do Estado e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial  (Senai). As inscrições devem ser feitas pela internet. A iniciativa é uma produção original da Aliança NEO Brasil. 

Para participar é necessário possuir escolaridade a partir do Ensino Médio Incompleto. A segunda temporada conta com quatro episódios, que serão disponibilizados nas  quartas-feiras, às 15h, no canal do YouTube do Instituto Aliança e na TV Pernambuco, e segue com lives semanais até o dia 16 de setembro. Para ter direito ao certificado é preciso assistir a pelo menos três episódios da temporada e responder a um questionário no final de cada episódio, cujo link será informado no momento da transmissão.

##RECOMENDA##

Na primeira temporada foi abordado técnicas e habilidades para garantir emprego no mercado formal. Já esta nova fase traz vídeos com orientações e dicas para os jovens que querem abrir, aperfeiçoar ou ampliar seu próprio negócio. Além disso, a nova temporada abre com o tema “Partiu! Alternativas para criar o próprio negócio: um papo sobre empreendedorismo” no qual o analista do Sebrae, Victor Abreu, e a master coach e consultora, Silvana Campos, irão discutir várias formas de se empreender um negócio e quais os novos nichos de mercado em tempos de pandemia. “O intuito é prestar serviço para o jovem de modo que ele possa perceber, no cenário de pandemia, quais são as possibilidades reais de gerar renda”, afirma a consultora Carolina Conde, que irá mediar este episódio. 

O segundo encontro será realizado no dia 02 de setembro e será conduzido por Micaías Paiva, da Paiva Consultoria e Tecnologia, que irá discutir sobre como montar um plano de negócio para ajudar o novo empreendedor a atingir seus objetivos, diminuir riscos e incertezas do negócio e captar recursos financeiros e humanos.

 A temporada terá ainda as temáticas “Como conseguir financiamento”, no dia 9 de setembro, e “Mulher e empreendedorismo em um mercado machista”, encerrando a série. Cada episódio tem aproximadamente uma hora de duração, reunindo falas de especialistas atuantes no mercado, jovens protagonistas, conferindo uma linguagem que se adequa e é chamativa ao público-alvo. As aulas, que trazem conteúdos complementares, contam ainda com acessibilidade em Libras.

A primeira temporada também pode ser conferida no canal do YouTube do Instituto Aliança. Os conteúdos já foram visualizados por mais de 17 mil pessoas.

 “Os jovens, que já representavam a população mais afetada pelo desemprego, estão sendo desproporcionalmente afetados pela Covid-19, com vários choques, incluindo interrupção da educação e treinamento, perdas de emprego e renda e maiores dificuldades em encontrar um emprego. Nesse contexto, se torna mais intensa a busca por alternativas de empreender algum tipo de negócio”, declara Neylar Vilar, Coordenadora Geral do NEO Brasil.

Aos 47 anos, Lúcia Maria investe no setor de alimentação. Foto: Cortesia

##RECOMENDA##

Novos empreendedores e empreendedoras estão por todos os lados. Alguns desses empreendimentos podem ser encontrados, inclusive, por meio de smartphones, que geralmente estão na palma de nossas mãos. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a digitalização das empresas, sobretudo dos canais de venda, deixou de ser uma tendência e se tornou uma realidade para 66% dos pequenos negócios.

Lucia Maria de Souza, 47 anos, trabalha há mais de 18 anos como auxiliar de cozinha. Com a crise provocada pelo novo coronavírus, o restaurante em que trabalhava no Centro do Recife fechou. Após a demissão, dona Lúcia passou a receber o seguro desemprego, que durou alguns meses. Nesse momento, veio a decisão montar um negócio com aquilo que sabia fazer. Cozinhar! Ela mora na Vila União, localizada no bairro da Iputinga, Zona Oeste de Recife.

É de sua cozinha que surgiu a pequena ‘Yakisouza Iputinga’ - o nome da empresa foi pensado como uma forma de demonstrar a força da família para superar a crise -. O negócio foi lançado no Instagram no dia 12 de junho e começou com investimento de R$ 40. “Além dos meus filhos e marido, outras pessoas sempre comentavam que a minha comida era ‘muito boa e era um desejo - empreender - de muito tempo”, conta Lúcia.

Dentre as dificuldades relacionadas a investimentos e falta de experiência, o medo de empreender foi citado por Lúcia como maior deles. “Daí eu pensei muito, fiquei pensando na responsabilidade, mas hoje eu vi que não é essas coisas. Hoje faço o que gosto!”, enfatiza. Entre os incentivadores, estavam o marido Orlando Alves Barbosa, 47 anos, a Thaís de Souza Alves Barbosa, e o filho Thiago Souza Alves Barbosa, 26, que são seus auxiliares e entregadores no delivery de yakissoba. “Na minha casa tinham três desempregados e o auxílio desemprego estava terminando. A gente estava ficando muito apertado”, explica Thiago. De acordo com ele, ninguém da família recebeu o auxílio emergencial do Governo Federal. Até junho, apenas 43% dos domicílios receberam o benefício no valor de R$ 600, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Covid-19 (Pnad Covid-19), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em conversa com o LeiaJá, a família fez questão de ressaltar que tudo é feito de acordo com os protocolos de higienização conforme recomendação da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES-PE) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Durante todo o processo, a empreendedora utiliza máscara, avental, touca para cabelos, além de realizar a limpeza correta das mãos, utensílios e ingredientes necessários para a preparação dos alimentos.

Empreendedora garante que está seguindo os protocolos de combate à Covid-19. Foto: Cortesia

Após os preparativos na cozinha, os alimentos seguem para a etapa de entrega que ocorre com o mesmo cuidado quanto à higienização. “Sempre vou entregar atendendo a todas as normas de segurança sanitária orientadas pelo Governo do Estado, desde da máscara até o álcool em gel”, enfatiza Thiago. Ainda segundo o entregador, os pedidos são realizados pelo aplicativo Ifood, por mensagem no perfil do Instagram (@yakisouzaiputinga) e também por WhatsApp.

Neste período pandêmico, mais de 4.500 mil pessoas empreenderam no segmento de alimentação e, também, de alojamento. Os dados são até junho deste ano, segundo o Pnad Covid-19, do IBGE. Dona Lúcia explica que a Yakisouza vai além da necessidade de renda. “Penso futuramente abrir uma loja física, justamente nessa mesma linha do yakissoba. Quero colocar outros pratos. Faço o que gosto!”, destaca Lúcia ao LeiaJá.

O analista do Sebrae, Vitor Abreu, explica que é comum as pessoas apostarem em negócios no setor alimentício, moda ou beleza. O analista ainda enfatiza há dois motivos para que pequenas empresas, como a Yakisouza, passem a existir. “O primeiro motivo é sensação de que o pior já passou e que agora é um momento mais seguro. Já o segundo motivo consiste em pessoas foram demitidos e, em função da crise, apostam no empreendedorismo no período de pandemia”, aponta o especialista.

A “Pesquisa de Impacto da Pandemia de Coronavírus nos Pequenos Negócios”, do Sebrae, realizada em julho deste ano, mostrou que pequenos negócios do segmento de serviços de alimentação ou moda apresentaram melhoras no faturamento, respectivamente, em 51% e 50%.

Costurando uma nova marca

“Meu papel no empreendimento como mulher preta é mostrar para outras mulheres pretas que elas também podem conseguir começando do zero”. As palavras são de Sabrina Felix, 26 anos, que junto a sua companheira Dandara, 21 anos, criaram a marca e loja virtual ‘Mão Afetiva’ (@maoafetiva). Moradoras da comunidade do Coque, localizada no bairro de São José, no Recife, ambas estavam em busca de emprego desde o ano passado. No entanto, com a chegada da Covid-19, a procura se tornou ainda mais difícil.

Sem emprego, as empreendedoras viram no dom da costura a saída para abrir um negócio. “Vimos na máquina de costura que tínhamos em casa uma ponte para ser essa fonte de renda que estávamos precisando. As ecobags foram sendo feitas, depois as artes nas ecobags foram dando vida aos tecidos e assim foi acontecendo”, diz Sabrina ao LeiaJá. Além de ecobags, as empreendedoras explicam que outros acessórios foram pensados e confeccionados, como colares de miçangas. “Decidimos criar um Instagram para mostrar o que sabemos fazer”, revela Sabrina.

O perfil foi criado no dia 4 de março deste ano. Os investimentos na marca foram feitos a partir do recebimento do auxílio emergencial, que beneficiou 56,9% dos pernambucanos, de acordo com a Pnad Covid-19.

[@#galeria#@]

“Este é o ano de levantar nosso próprio negócio, é o que este contexto pandêmico nos deixa, reinventar novos modos de resistência”, completa a empreendedora, sobre criação e investimentos na marca. Para elas o maior desafio tem sido a questão da renda, que não é fixa. Isso, de fato, é um desafio comum entre os negócios na fase inicial. Nesse sentido, o analista de negócios Vitor Abreu alerta para empreendimentos que surgem da necessidade. “As pessoas, geralmente, empreendem por necessidade e é comum que aconteça em momento de crise. A orientação é que elas elaborem etapas de planejamento do negócio para verificar se traz o retorno ou não”, explica o especialista.

Perguntada sobre o planejamento da marca, Sabrina nos contou quais objetivos são traçados para um cenário pós-pandemia. “Planejamos, mais para frente, abrir um espaço físico próximo ao Marco Zero, ponto histórico e turístico do Recife. Pensamos nesse espaço como sendo casa para clientes, amigos e familiares prestigiarem nosso trabalho e ao mesmo tempo estarmos perto para que a vida se torne mais leve e cheia de arte em vida”, conta. 

Por enquanto, a loja tem funcionado pelo Instagram e por aplicativo de mensagem. “Nós mesmas tomamos conta de tudo. Desde produção [das peças], conteúdos [para o perfil] e até as fotografias, que são tiradas em ambientes que combinam com as peças que queremos mostrar, respeitando a limitação deste contexto pandêmico”, enfatizoa a empreendedora.

Dandara, assim como sua namorada, exalta os objetivos do negócio. “Meu papel no empreendimento é levar produtos de qualidade com preços acessíveis para as pessoas e com isso alcançar objetivos pessoais, como a estabilidade financeira, crescendo ainda mais no ramo da arte e produção independente”, relata a artesã.

Há também um cuidado com relação às produções dos peças. “Antes de confeccionar as peças, lavamos as mãos e passamos o álcool em gel, esperando secar para não danificar. Higienizamos todo o espaço de produção, todos os dias, para que tudo flua como desejado. Ao sair para as entregas, usamos sempre máscaras e álcool em gel para usar durante o percurso e oferecer aos clientes”, explica Sabrina.

Orientações para pequenos negócios

Segundo Vitor Abre, analista de negócios do Sebrae, mesmo diante do cenário de pandemia global, ocasionado pelo novo coronavírus, nos últimos dois meses do primeiro semestre de ano foi percebida uma mudança no comportamento dos empreendedores. Para vender mais, os pequenos empresários apostam na comunicação como condutor do negócio.

"Os consumidores estão mais preparados para comprar e também para não comprar. E as empresas têm que estar ainda mais preparadas para saber como se comunicar e quais produtos vão vender", aponta o analista. Dentre as orientações, o especialista ainda diz que “empresas que buscam uma comunicação mais autêntica e verdadeira no processo de produção e venda” têm mais sucesso, em relação ao período de retomada.

O analista ainda indica que os empreendedores acessem consultoria especializada gratuitamente através do Sebrae. A entidade atua em três frentes, sendo elas atendimento individual para orientação de fundação de negócio, modelagem de negócios já existentes, e capacitações para modelos de empreendimentos pensados digitalmente. Mais informações podem ser obtidas por meio do site da instituição ou pelo telefone 0800-570-0800.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) elaborou um protocolo voltado a empresários para orientar a reabertura segura de espaços culturais de entretenimento, como cinemas, museus e exposições de arte. A ação tem o objetivo de ajudar a proteger a saúde de trabalhadores, gestores e clientes. 

O material, de acordo com o Sebrae, foi feito com base nas orientações de diversas autoridades sanitárias, como a Organização Mundial da Saúde (OMS), Organização Pan Americana de Saúde (Opas), Ministério da Economia e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De acordo com o documento, há alguns passos que precisam ser seguidos, antes da abertura ao público, informando todos os cuidados adotados na empresa. 

##RECOMENDA##

No caso de espaços culturais, é importante estabelecer a capacidade máxima de pessoas com base em orientações municipais ou estaduais, além de determinar o distanciamento mínimo de 1,5 metros entre os clientes com avisos como adesivos no chão para demarcar onde cada pessoa deve ficar. Um sistema de compra online de ingressos, se possível, também deve ser adotado para evitar ao máximo o manuseio de dinheiro e máquinas de cartão de crédito. 

O protocolo traz uma lista de orientações específicas destinadas aos clientes, aos funcionários e ao espaço físico, levando em consideração as características específicas de espaços culturais. Confira o protocolo na íntegra

LeiaJá também

--> Instituto Tim abre seleção para jovens abrirem startups

--> Sebrae: pesquisa revela mudanças para pequenos negócios

O Instituto Tim anunciou, nesta terça-feira (18), uma seleção para sexta edição do programa Academic Working Capital (AWC), voltado para jovens que desejam transformar os Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) em startups de base tecnológica. Estudantes de quaiquer áreas de graduação, dos segmentos de tecnologia ou inovação, podem realizar as inscrições até esta quarta-feira (19), através do site do Instituto.

Os selecionados terão acesso a apoio financeiro, técnico e de negócios. “O Academic Working Capital estimula os universitários brasileiros a terem um papel transformador nessa nova realidade. O programa mostra que a tecnologia é habilitadora de mudanças importantes e os auxilia a vislumbrar novas oportunidades de carreira nesse percurso”, destaca Mario Girasole, Presidente do Instituto TIM, segundo informações da assessoria.

##RECOMENDA##

Nesta edição, dentre os critérios de avaliação, serão priorizados projetos de enfrentamento aos desafios em uma sociedade pós-pandemia, em áreas como saúde, educação, geração de renda, comunicação, mobilidade, entre outras. Desde 2015, o programa já apoiou o desenvolvimento de 150 projetos inovadores, com cerca de 400 estudantes.

O Instituto ainda estabeleceu como critério de avaliação grupos diversos, segmentados por gênero e raça durante a seleção dos projetos. Em caso de empate, os grupos com maior diversidade entre os componentes poderão ser beneficiados, incentivando assim a participação de mulheres e pessoas negras. 

Ainda segundo o regulamento, os grupos devem ter até quatro integrantes, todos na universidade e com pelo menos um dos membros na fase final, ou seja, realizando o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). As vagas são para jovens de todo o Brasil. Ao final, os projetos serão apresentados na Feira de Investimentos.

Uma pesquisa qualitativa realizada pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) revela tendências para negócios a partir da pandemia. O levantamento foi feito com base em microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas de 18 estados brasileiros e mostra que as mudanças vieram para ficar no mundo dos pequenos negócios. 

A pesquisa foi realizada entre abril e junho deste ano, com empresários de 11 segmentos, sendo a maior parte microempresas (54%), principalmente nos ramos de varejo, alimentação, moda, beleza e turismo. O levantamento revela que a mudança de postura e consumo dos clientes refletirão diretamente nas transformações dos negócios. Além de mais exigentes e mais conscientes, os consumidores também estão cada vez mais explorando as compras e o relacionamento on-line.

##RECOMENDA##

De acordo com a pesquisa, dentre as mudanças definitivas destaca-se a maior digitalização dos negócios. No entanto, em segmentos como a moda, por exemplo, a transformação caracteriza-se por um modelo híbrido, com fortalecimento de experiências presenciais e o intenso uso de canais online em vendas e relacionamento com o mercado. No segmento da alimentação, os donos de pequenos negócios destacaram que os clientes vão continuar mais atentos às medidas de higienização e qualidade dos produtos. Para isso, serão necessárias mudanças com uso ou novos usos dos estabelecimentos para reconquistar o cliente e transmitir segurança. Já no ramo do turismo, a tendência é de roteiros regionais e locais, com predominância de ações ao ar livre e grupos em número reduzido.

Os dados mencionam que o relacionamento com o cliente deve ser feito com segurança e de forma ágil. Eles estarão mais exigentes e, por isso, serão atraídos por uma oferta cada vez mais personalizada. Além disso, o uso das redes sociais para vendas e divulgação deve continuar em alta. Para isso, os serviços de delivery ganham mais atenção com a qualificação dos entregadores.

Em relação a gestão, o levantamento realizado pelo Sebrae mostra que os negócios atuarão de forma mais sustentável, com produções enxutas, com foco na produtividade, evitando o desperdício. Já em relação aos funcionários, as equipes ficarão mais reduzidas e multitarefas. A saúde dos colaboradores receberá atenção e o trabalho remoto, quando possível, será uma realidade também para os pequenos negócios. A ampliação de parcerias com mais fornecedores também será uma mudança definitiva para os negócios.

O Sebrae ainda pontuou que a empresa de turismo Sou+Carioca, no estado do Rio de Janeiro, já se planeja para voltar a funcionar a partir dos últimos meses do ano. De acordo com uma das sócias, Gabriela Palma, a equipe de colaboradores tem se reunido virtualmente para discutir como será a retomada. Ela avalia que as reuniões de forma remota deram bons resultados e devem continuar ocorrendo mesmo depois da pandemia. Além disso, a empresária destaca que iniciativas que surgiram nesse período serão adotadas, agregando novos serviços. 

Também foi mencionado os passeios virtuais,que se tornaram uma experiência de sucesso no Facebook. O “QuarenTour Colaborativo” é aberto para quem quiser participar e tem levado milhares de pessoas a conhecer virtualmente a história de lugares do país, principalmente do estado do Rio de Janeiro. Desde abril, já foram realizados cinco encontros virtuais, onde uma guia de turismo visita os pontos com uso de ferramentas do Google, que permitem visualizar exatamente como é o lugar, as ruas, o interior de construções. Durante o passeio, as pessoas são convidadas a colaborar com valores entre R$ 10 e 20 para ajudar nos custos da empresa, que não está funcionando normalmente por causa da pandemia.

“A ideia surgiu como uma forma de manter o relacionamento com nosso cliente e de nos manter no mercado. A participação tem sido boa e as pessoas têm contribuído”, contou. A empresa também tem realizado lives com a participação de especialistas de diversas áreas e lançou um e-book com sugestões de 50 lugares diferentes para conhecer no Rio de Janeiro com vendas disponíveis por meio de plataforma online. “Estamos preparados para retornar com tranquilidade, assim que possível. Sabemos que o turismo local tem boas expectativas na retomada e como já trabalhamos com isso há cinco anos, temos tudo pronto para atender nosso principal cliente, que é o morador carioca”, destacou, de acordo com informações do Sebrae.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando