Cultura

| Cinema

Os principais sindicatos de Hollywood anunciaram nesta segunda-feira (21) um acordo com os estúdios sobre as normas de segurança contra a Covid-19 necessárias na indústria do entretenimento para a volta ao trabalho.

As negociações, que se estenderam por meses, sobre testes, equipes e licenças para doentes eram vistas como a última barreira para a volta aos sets de filmagem, onde os sindicatos têm que aprovar individualmente cada projeto de cinema e televisão.

##RECOMENDA##

O acordo é considerado uma oportunidade para a reativação desta indústria em dificuldades, parada por meses devido à pandemia, embora ainda restam obstáculos, como a falta de seguro contra o coronavírus, as restrições locais e as altas taxas de infecção nas regiões de filmagem.

"Confio que estes protocolos, rígidos e pensados como os de qualquer outra indústria nos Estados Unidos, manterão seguros as equipes de produção e os atores, assim como as comunidades nas quais vivem e trabalham", declarou Thomas O'Donnell, diretor do sindicato dos caminhoneiros de Hollywood, em declaração à AFP.

O acordo foi negociado de maneira conjunta por cinco dos maiores sindicatos -incluindo os dos atores e diretores, com mais de 350.000 associados- com a organização AMPTP, que representa os grandes estúdios como Disney, Universal, Paramount e Warner Brothers, assim como as principais emissoras de televisão.

"Este acordo estabelece protocolos sensatos e baseados na ciência que permitem aos membros voltar a fazer o que amam", declarou Gabrielle Carteris, presidente do sindicato de atores de Hollywood.

As filmagens em Los Angeles cessaram em meados de março devido à pandemia do coronavírus, e foram retomadas em níveis baixos em final de junho.

Outras regiões dos Estados Unidos e no exterior se beneficiaram das dificuldades de se filmar em Hollywood.

A Scotland Yard lançou nesta segunda-feira um apelo por testemunhas para tentar encontrar os criminosos que roubaram cinco armas da saga James Bond há seis meses cerca de 20 km ao norte de Londres.

No dia 23 de março, à noite, enquanto o Reino Unido estava em confinamento estrito em razão da covid-19, as armas foram roubadas de seu dono em Enfield. Embora os ladrões tenham sido percebidos pelos vizinhos, eles conseguiram escapar antes que a polícia chegasse.

##RECOMENDA##

O saque: duas pistolas Beretta, uma "Cheetah" e outra "Tomcat", uma Walther PPK, um revólver Smith and Wesson 44 Magnum e outra pistola Lama calibre 22, que apareceram nos filmes "Um novo dia para morrer", "Na mira dos assassinos" e "Viva e deixe morrer", do agente 007.

Uma dessas armas, a pistola Lama de empunhadura amarela, foi encontrada em abril, enferrujada, em um campo próximo a uma estação de trem em Essex. As outras, algumas peças únicas, não foram encontradas.

O poderoso revólver Magnum é o único no mundo totalmente cromado, a Walther PPK é a última usada por Roger Moore na cena de "Na mira dos assassinos", em que a atriz Grace Jones (May Day) é jogada da Torre Eiffel de paraquedas.

Um dos responsáveis pela investigação, Paul Ridley, disse em nota que as armas roubadas "são muito reconhecíveis" e "com absoluta certeza" seriam identificadas "pelo público ou por quem as propusesse para compra".

Ressalta também o "valor sentimental" que estas armas tinham para o seu dono.

A polícia divulgou imagens de câmeras de vigilância mostrando um veículo suspeito pouco antes do assalto, um Vauxhall cinza.

Os criminosos foram descritos como três homens com sotaque do leste europeu, vestidos com roupas escuras e mascarados.

O ator Michael Lonsdale, vilão do filme de James Bond "Moonraker", morreu nesta segunda-feira em Paris aos 89 anos, após uma carreira de seis décadas e cerca de 200 papéis.

O intérprete morreu em sua casa, anunciou seu agente Olivier Loiseau à AFP.

##RECOMENDA##

Filho de pai britânico e mãe francesa, Lonsdale, reconhecível por sua espessa barba circular, não recebeu, no entanto, seu primeiro grande prêmio até as vésperas de seus 80 anos, em 2011, por seu papel coadjuvante como sacerdote livre e heroico em "Des hommes et des dieux", premiado em Cannes com o Grande Prêmio.

Este católico batizado aos 22 anos transmitiu sua própria fé em muitas ocasiões diante das câmeras, como em "O processo" (1962), de Orson Welles, "O nome da rosa" (1986), de Jean-Jacques Arnaud, e "Ma vie est un enfer" (1991), de Josiane Balasko, em que interpretou o arcanjo Gabriel.

Ele também vestiu seu físico corpulento em outros hábitos: foi policial, assassino, juiz, duque, inimigo de James Bond ("Moonraker", 1979) e expôs as nádegas em cenas sadomasoquistas em "O fantasma da liberdade" (1974), por Luis Buñuel.

Nascido em Paris em 24 de maio de 1931, da relação ilegítima entre um oficial inglês e uma francesa, Lonsdale cresceu em Londres e no Marrocos, onde, em 1942, soldados americanos lhe mostraram os filmes de John Ford, Cukir George Cukor e Howard Hawks.

Ao regressar a Paris em 1947, este aluno preguiçoso, sem sequer um certificado de estudos, conviveu com seu tio Marcel Arland, diretor da revista literária NRF, o que lhe permitiu adquirir uma cultura que até então não lhe interessava.

- Experiências radicais -

Debutou no teatro depois de ser orientado por uma renomada professora, Tania Balachova, que o ajudou a se livrar de sua grande timidez.

Rapidamente, mostrou interesse por experiências radicais, com obras como "Amédée ou como se desembaraçar dele", de Eugène Ionesco, ao mesmo tempo que se tornava ator fetiche e cúmplice de Marguerite Duras, com quem partilhava muitos risos.

Depois de saltar para a tela grande, ele multiplicou os experimentos. Além de Welles, filmou com François Truffaut, Louis Malle e atuou ao lado de Louis de Funès.

Solteiro e sem filhos, Lonsdale também foi um artista, pintor e emprestou sua voz inconfundível a inúmeros documentários e audiolivros, seja de Montaigne, Nietzsche, Proust ou São Francisco de Assis.

Ele se converteu à fé cristã pela influência de uma madrinha cega e, em 1987, ingressou na Renovação Carismática Católica antes de fundar o "Magnificat", um grupo de oração para artistas.

A ministra Damares Alves entrou com um pedido, nesta segunda (21), junto à Coordenação da Comissão Permanente da Infância e Juventude (COPEIJ), para suspender a veiculação do filme Cuties, na Netflix. Segundo a responsável pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, a produção fere as noções brasileiras de pornografia infantil. 

Em Cuties, uma menina de apenas 11 anos faz de tudo para entrar em um grupo de dança. O teor das imagens do filme e de seu cartaz de divulgação, no entanto, geraram polêmica na internet. O público apontou que a produção sexualizava as crianças e a problemática foi parar na mesa da ministra Damares. 

##RECOMENDA##

Em suas redes sociais, a ministra se posicionou contra o conteúdo. “Estou brava, Brasil! Estou muito brava! É abominável uma produção como a deste filme. Meninas em posições eróticas e com roupas de dançarinas adultas. Não neste país, Netflix! No Brasil não! Quero deixar claro que não faremos concessões a nada que erotize ou normalize a pedofilia”. 

O secretário nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Maurício José da Silva Cunha, foi o responsável por enviar o pedido de retirada do filme da grade da plataforma. Além da retirada imediata, a pasta pede apuração de responsabilidade pela oferta e distribuição de conteúdo pornográfico envolvendo crianças.

Neste domingo (20), foi realizada a 72ª edição do Emmy Awards, premiação considerada o Oscar da televisão norte-americana. Pela primeira vez na história, tudo foi realizado de forma remota, uma decisão sensata por conta da pandemia do novo coronavírus.

Jimmy Kimmel conduziu a cerimônia, pela terceira vez, apresentando sozinho, se comunicando virtualmente com os indicados e recebendo pontualmente alguns convidados. A seguir, confira a lista de vencedores. Os ganhadores estão em negrito.

##RECOMENDA##

Melhor série de drama

Better Call Saul

The Crown

Handmaid's Tale

Killing Eve

O Mandaloriano

Ozark

Stranger Things

Succession

Melhor ator em série de drama

Jason Bateman, de Ozark

Sterling K. Brown, de This is Us

Steve Carell, de The Morning Show

Brian Cox, de Succession

Billy Porter, de Pose

Jeremy Strong, de Succession

Melhor atriz em série de drama

Olivia Colman, de The Crown

Laura Linney, de Ozark

Jennifer Aniston, de The Morning Show

Jodie Comer, de Killing Eve

Sandra Oh, de Killing Eve

Zendaya, de Euphoria

Melhor ator coadjuvante em série de drama

Nicholas Braun, de Succession

Billy Crudup, de The Morning Show

Kieran Culkin, de Succession

Mark Duplass, de The Morning Show

Giancarlo Esposito, de Better Call Saul

Matthew Macfadyen, de Succession

Bradley Whitford, de The Handmaid's Tale

Jeffrey Wright, de Westworld

Melhor atriz coadjuvante em série de drama

Helena Bonham Carter, de The Crown

Laura Dern, de Big Little Lies

Julia Garner, de Ozark

Thandie Newton, de Westworld

Fiona Shaw, de Killing Eve

Sarah Snook, de Succession

Meryl Streep, de Big Little Lies

Samira Wiley, de The Handmaid's Tale

Melhor série de comédia

Curb Your Enthusiasm

Disque Amiga para Matar

The Good Place

Insecure

O Método Kominsky

The Marvelous Mrs. Maisel

Schitt's Creek

What We Do in the Shadows

Melhor ator em série de comédia

Anthony Anderson, de Black-ish

Ted Danson, de The Good Place

Michael Douglas, de O Método Kominsky

Eugene Levy, de Schitt's Creek 

Don Cheadle, de Black Monday

Ramy Yousseff, de Ramy

Melhor atriz em série de comédia

Christina Applegate, de Disque Amiga para Matar

Linda Cardellini, de Disque Amiga para Matar

Rachel Brosnahan, de The Marvelous Mrs. Maisel

Tracee Elis Ross, de Black-ish

Issa Rae, de Insecure

Catherine O'hara, de Schitt's Creek

Melhor ator coadjuvante em série de comédia

Mahershala Ali, de Ramy

Alan Arkin, de O Método Kominsky

Andre Braugher, de Brooklyn Nine-Nine

Sterling K. Brown, de The Marvelous Mrs. Maisel

William Jackson Harper, de The Good Place

Daniel Levy, de Schitt's Creek

Tony Shalhoub, de The Marvelous Mrs. Maisel

Kenan Thompson, de Saturday Night Live

Melhor atriz coadjuvante em série de comédia

Alex Borstein, de The Marvelous Mrs. Maisel

D'Arcy Carden, de The Good Place

Betty Gilpin, de GLOW

Marin Hinkle, de The Marvelous Mrs. Maisel

Kate McKinnon, de Saturday Night Live

Annie Murphy, de Schitt's Creek 

Yvonne Orji, de Insecure

Cecily Strong, de Saturday Night Live

Melhor filme para a televisão

American Son

Bad Education

Dolly Parton's Heartstrings: These Old Bones

El Camino: A Breaking Bad Movie

Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy vs. The Reverend

Melhor minissérie

Little Fires Everywhere

Mrs. America

Inacreditável

Nada Ortodoxa

Watchmen

Melhor ator em minissérie ou filme

Jeremy Irons, de Watchmen

Hugh Jackman, de Bad Education

Paul Mescal, de Normal People

Jeremy Pope, de Hollywood

Mark Ruffallo, de I Know This Much is True

Melhor atriz em minissérie ou filme

Cate Blanchett, de Mrs. America

Shira Haas, de Nada Ortodoxa

Regina King, de Watchmen

Octavia Spencer, de Self Made

Kerry Washington, de Little Fires Everywhere

Melhor ator coadjuvante em minissérie ou filme

Yahya Abdul-Mateen II, de Watchmen

Jovan Adepo, de Watchmen

Tituss Burgess, de Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy vs. The Reverend

Louis Gossett Jr., de Watchmen

Dylan McDermott, de Hollywood

Jim Parsons, de Hollywood

Melhor atriz coadjuvante em minissérie ou filme

Uzo Aduba, de Mrs. America

Toni Collette, de Inacreditável

Margo Martindale, de Mrs. America

Jean Smart, de Watchmen

Holland Taylor, de Hollywood

Tracey Ullman, de Mrs. America

Melhor programa de reality show

The Masked Singer

Mandou Bem

RuPaul's Drag Race

Top Chef

The Voice

Melhor talk show

The Daily Show with Trevor Noah

Full Frontal with Samantha Bee

Jimmy Kimmel Live

Last Week Tonight with John Oliver

The Late Show with Stephen Colbert

Aqui estão os indicados nas principais categorias da 72ª edição dos prêmios Emmy, considerados o Oscar da televisão, que serão celebrados neste domingo, 20 de setembro, em uma cerimônia virtual devido à pandemia do novo coronavírus.

A minissérie da HBO "Watchmen", sobre um grupo de vigilantes mascarados que são tratados como criminosos por agências governamentais, liderou com 26 as indicações ao Emmy, os primeiros prêmios a serem entregues durante a pandemia. A comédia "The Marvelous Mrs Maisel" a seguiu, com 20 indicações.

##RECOMENDA##

- Melhor série dramática:

"Better Call Saul"

"The Crown"

"The Handmaid's Tale"

"Killing Eve"

"The Mandalorian"

"Ozark"

"Stranger Things"

"Succession"

- Melhor comédia:

"Curb Your Enthusiasm"

"Dead to Me"

"The Good Place"

"Insecure"

"The Kominsky Method"

"The Marvelous Mrs Maisel"

"Schitt's Creek"

"What We Do In the Shadows"

- Melhor ator dramático:

Jason Bateman, "Ozark"

Sterling K. Brown, "This Is Us"

Steve Carell, "The Morning Show"

Brian Cox, "Succession"

Billy Porter, "Pose"

Jeremy Strong, "Succession"

- Melhor atriz dramática:

Jennifer Aniston, "The Morning Show"

Olivia Colman, "The Crown"

Jodie Comer, "Killing Eve"

Laura Linney, "Ozark"

Sandra Oh, "Killing Eve"

Zendaya, "Euphoria"

- Melhor ator de comédia:

Anthony Anderson, "black-ish"

Don Cheadle, "Black Monday"

Ted Danson, "The Good Place"

Michael Douglas, "The Kominsky Method"

Eugene Levy, "Schitt's Creek"

Ramy Youssef, "Ramy"

- Melhor atriz de comédia:

Christina Applegate, "Dead to Me"

Rachel Brosnahan, "The Marvelous Mrs. Maisel"

Linda Cardellini, "Dead to Me"

Catherine O'Hara, "Schitt's Creek"

Issa Rae, "Insecure"

Tracee Ellis Ross, "black-ish"

- Melhor ator coadjuvante de série dramática -

Nicholas Braun, "Succession"

Billy Crudup, "The Morning Show"

Kieran Culkin, "Succession"

Mark Duplass, "The Morning Show"

Giancarlo Esposito, "Better Call Saul"

Matthew Macfadyen, "Succession"

Bradley Whitford, "The Handmaid's Tale"

Jeffrey Wright, "Westworld"

- Melhor atriz coadjuvante de série dramática -

Helena Bonham Carter, "The Crown"

Laura Dern, "Big Little Lies"

Julia Garner, "Ozark"

Thandie Newton, "Westworld"

Fiona Shaw, "Killing Eve"

Sarah Snook, "Succession"

Meryl Streep, "Big Little Lies"

Samira Wiley, "The Handmaid's Tale"

- Melhor ator coadjuvante de série de comédia -

Mahershala Ali, "Ramy"

Alan Arkin, "La Méthode Kominsky"

Andre Braugher, "Brooklyn Nine-Nine"

Sterling K. Brown, "La Fabuleuse Mme Maisel"

William Jackson Harper, "The Good Place"

Daniel Levy, "Schitt's Creek"

Tony Shalhoub, "La Fabuleuse Mme Maisel"

Kenan Thompson, "Saturday Night Live"

- Melhor atriz coadjuvante de série de comédia -

Alex Borstein, "La Fabuleuse Mme Maisel"

D'Arcy Carden, "The Good Place"

Betty Gilpin, "GLOW"

Marin Hinkle, "La Fabuleuse Mme Maisel"

Kate McKinnon, "Saturday Night Live"

Annie Murphy, "Schitt's Creek"

Yvonne Orji, "Insecure"

Cecily Strong, "Saturday Night Live"

- Melhor minissérie -

"Little Fires Everywhere"

"Mrs America"

"Unbelievable"

"Unorthodox"

"Watchmen"

- Melhor ator de minissérie ou filme para televisão:

Jeremy Irons, "Watchmen"

Hugh Jackman, "Bad Education"

Paul Mescal, "Normal People"

Jeremy Pope, "Hollywood"

Mark Ruffalo, "I Know This Much Is True"

- Melhor atriz de minissérie ou filme para televisão:

Cate Blanchett, "Mrs America"

Shira Haas, "Unorthodox"

Regina King, "Watchmen"

Octavia Spencer, "Self Made"

Kerry Washington, "Little Fires Everywhere"

- Programas com mais indicações:

"Watchmen" - 26

"The Marvelous Mrs. Maisel" - 20

"Ozark" - 18

"Succession" - 18

"The Mandalorian" - 15

"Schitt's Creek" - 15

"Saturday Night Live" - 15

"The Crown" - 13

- Plataformas com mais indicações:

Netflix: 160

HBO: 107

NBC: 47

ABC: 36

FX: 33

Com a pandemia do novo coronavírus em curso, a sétima edição do Curta Neblina – Festival Latino-Americano de Cinema será totalmente online este ano. A edição tem início nesta sexta-feira (18) e segue até o dia 4 de outubro.

Para esta sétima edição, o festival vai apresentar 31 curtas-metragens de cinco países. E como uma homenagem especial ao ator e cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, morto em fevereiro deste ano, o festival vai apresentar também o longa Ritual dos Sádicos – O Despertar da Besta. O filme ficará disponível na plataforma do festival por 24 horas: das 23h59 de sábado (19) até 23h59 de domingo.

##RECOMENDA##

Mojica teve uma longa ligação com o evento. Ele esteve presente na primeira edição do Curta Neblina e passou então a batizar o prêmio anual que é concedido aos melhores cineastas do festival.

Além de Zé do Caixão, o evento também vai homenagear a cineasta Suzana Amaral, que morreu este ano, e a atriz Ruth de Souza, que morreu no ano passado.

Este ano, o evento dedicará uma mostra especial sobre o cinema espanhol, premiando o melhor curta-metragem com uma trilha sonora original de André Abujamra, concedido pela Embaixada da Espanha no Brasil. E também incluiu um concurso de roteiros de longa-metragem para países lusófonos.

O Curta Neblina é um evento originado na Vila de Paranapiacaba, em Santo André (SP), região muito conhecida pela neblina, do qual ganhou o nome. O festival apresenta curtas-metragens em documentário, ficção e animação e busca projetar novos cineastas.

Os curtas poderão ser assistidos gratuitamente pelo site www.cachacafilmes.com/curtaneblina, onde também constam mais informações sobre o festival.

O cinema está sendo "marginalizado e desvalorizado" durante a pandemia do coronavírus, alertou o diretor Martin Scorsese em sua participação virtual no Festival Internacional de Cinema de Toronto.

Scorsese, que em outra polêmica disse no ano passado que filmes populares de super-heróis "não são filmes", foi homenageado na terça-feira com um prêmio honorário por sua trajetória na indústria cinematográfica.

##RECOMENDA##

"O fato de os festivais de cinema continuarem acontecendo - improvisando, adaptando, fazendo tudo funcionar de alguma forma - é muito emocionante para mim", disse o diretor de "Os Bons Companheiros" e "Os Infiltrados", pelo qual venceu um Oscar.

"Infelizmente, é cada vez mais comum ver o cinema marginalizado e desvalorizado e, nesta situação, classificado como uma espécie de comida reconfortante", declarou.

As salas de cinemas ainda estão fechadas nas principais cidades dos Estados Unidos, como Los Angeles e Nova York. E durante meses, milhões de pessoas em todo o mundo ficaram trancadas em suas casas assistindo televisão e filmes no sofá.

O Festival de Toronto, a maior mostra de cinema da América do Norte, está sendo realizado principalmente online este ano. Há algumas poucas exibições em drive-ins e salas fechadas, mas com capacidade limitada.

"O cinema, filmes, longas-metragens, no seu melhor, são uma fonte de encantamento e inspiração", defendeu Scorsese.

Os atores britânicos Anthony Hopkins e Kate Winslet também receberam prêmios de carreira na gala virtual de Toronto na terça-feira, ocasião em que ambos também promovem novos filmes já aclamados que podem levá-los ao Oscar.

"Estou surpreso que eu continue tendo trabalho... Continue trabalhando na minha idade", disse Hopkins, de 82 anos, que recebeu ótimas críticas por "The Father", um drama comovente sobre demência. Já Winslet apresentou o romance lésbico "Ammonite", que se passa no século 19.

A Nintendo confirmou que o filme do personagem Super Mario está programado para 2022. O criador do mascote da empresa, Shigeru Miyamoto, será um dos produtores do longa-metragem.

O filme está sendo produzido em parceria com o estúdio Universal Pictures e, de acordo com a Nintendo, o projeto está em estágio avançado de planejamento.

##RECOMENDA##

Até o momento, foi revelado que o filme será todo em computação gráfica (CG), mas ainda não foram detalhados história e personagens que estarão envolvidos na trama, nem o título oficial.

Não é a primeira vez que Super Mario dá as caras nos cinemas. Em 1993, foi lançado o live-action "Super Mario Bros.", em que o ator Bob Hoskins (1942-2014) interpretou o encanador bigodudo, e John Leguizamo viveu o personagem Luigi.

O filme não foi bem aceito pela crítica, que reclamou da falta de fidelidade com os jogos. Até hoje, a produção é considerado pelos fãs como uma das piores adaptações de jogos feitas para o cinema.

A convocação de boicote nos Estados Unidos contra o filme francês "Mignonnes", disponível na Netflix, é "um sério atentado à liberdade de criação", avaliou nesta terça-feira a ARP, sociedade que representa autores, diretores e produtores na França.

Milhares de internautas norte-americanos acusam o filme de sexualizar as garotas que o estrelam. A diretora Maïmouna Doucouré e a Netflix destacam que, ao contrário, o objetivo do filme é justamente denunciar a sexualização das crianças.

##RECOMENDA##

"Este filme produzido na França, e posteriormente comprado pela Netflix para veiculação nos Estados Unidos, é emblemático da indispensável liberdade de expressão que o cinema, em toda a sua diversidade, necessita para abordar questões incômodas e, portanto, necessárias para o exercício da democracia", declarou a Authors, Filmmakers and Producers (ARP) em um comunicado.

"Em uma altura em que os americanos mais conservadores apelam ao boicote ao filme 'Mignonnes', queremos dar o nosso apoio a Maïmouna Doucouré, a sua realizadora, que ganhou o prémio de melhor realizador no Festival de Cinema de Sundance", acrescenta a sociedade.

Uma primeira onda de críticas em agosto levou a Netflix a retirar o pôster usado para promover o filme, que estreou nos cinemas em meados daquele mês na França, antes de ser transmitido online nos Estados Unidos em 9 de setembro com o título de "Cuties".

Embora os ataques venham de todos os tipos de usuários da Internet, inclusive da esquerda, a questão reuniu muitos conservadores americanos.

"A polêmica começou com o pôster [...] O mais importante é ver o filme para entender que estamos na mesma luta", disse Doucouré, citada nesta segunda-feira pela revista americana Variety.

O filme, premiado no American Sundance Festival, conta a história de Amy, uma parisiense de 11 anos que deve transitar entre as regras rígidas de sua família senegalesa e a tirania da aparência nas redes sociais, a que está exposta jovens de sua idade.

Amy faz parte de um grupo de dança formado por outras três garotas de seu bairro, cujas coreografias às vezes são sugestivas, como as de muitas estrelas da música pop da atualidade.

O novo filme de Mark Wahlberg, "Good Joe Bell", lançado na segunda-feira no Festival de Cinema de Toronto, explora a cultura machista e homofóbica que ainda prevalece nos Estados Unidos, especialmente nas áreas rurais.

O filme conta a história de um pai em sua jornada pelo país para aumentar a consciência sobre os perigos trágicos do deboche homofóbico a partir da experiência de seu filho.

##RECOMENDA##

Baseado em uma história real, a trajetória de Joe mostra como o preconceito é passado de geração em geração e levanta a questão do que significa ser homem no mundo de hoje.

“Significa acampar, lutar? O que significa ser durão?”, questionou o diretor Reinaldo Marcus Green em entrevista à AFP antes da estreia.

Wahlberg reforçou uma imagem de "macho alfa" em 2018, quando começou a compartilhar uma rotina de exercícios estafantes, que incluía levantar às 2h30 da manhã, com sessões de ginástica e crioterapia, que viralizou na internet.

Ele aplicou a mesma disciplina à preparação para "Good Joe Bell", escrita pelos roteiristas de "O Segredo de Brokeback Mountain" e que defende a masculinidade baseada na "sensibilidade, em estar aberto e aprender a amar", disse Green.

"Mark o descreveu como o papel mais importante de sua carreira", continuou Green. "Falamos no FaceTime quase todos os dias, desde o momento em que o conheci em dezembro de 2018 ... seja no avião, na sessão de crioterapia, Mark sempre me atendeu".

Wahlberg, o caçula de nove irmãos de Boston cujos pais se divorciaram quando ele tinha 11 anos, envolveu-se com drogas e violência na adolescência.

Ele cumpriu pena por agressão antes de ficar famoso como rapper, modelo, ator e produtor em Hollywood.

“Quando conheci Mark, conversamos sobre nossos pais”, lembra Green. "Viemos de comunidades onde esse machismo é muito prevalente."

Green, que sonhava ser jogador de beisebol incentivado por seu pai amoroso, mas "rígido", agora dirige um filme biográfico sobre Richard Williams - o pai das lendas do tênis Serena e Venus Williams - estrelado por Will Smith.

"É uma história verdadeiramente inspiradora", disse ele. "Acho que pode realmente ajudar, pode inspirar uma geração de crianças que vêm de algumas áreas."

O festival de Toronto, o maior da América do Norte, é celebrado principalmente de forma virutal devido à pandemia e termina no domingo.

Começa, nesta terça (15), a primeira edição brasileira do Takorama - festival Internacional de Cinema. O evento online vai apresentar curta-metragens para educadores, crianças e jovens, com abordagens sobre tolerância, empatia, ecologia e cidadania. A programação acontece até o dia 28 de outubro. 

Os filmes do Takorama podem ser assistidos a qualquer horária e apreciados por espectadores de qualquer língua. São 15 curtas que abordam temas como cidadania, ecologia e empatia, com o objetivo de promover reflexão quanto à diversidade cultural que rodeia quem assiste. O programa é dividido em cinco categorias, para crianças e adolescentes de 3 a 17 anos. 

##RECOMENDA##

Além disso, a plataforma do festival oferece um material pedagógico para cada filme a serviço das famílias e educadores, que podem questionar os filmes e desenvolver atividades educativas junto com as crianças. Os pequenos também poderão votar em seus filmes favoritos atuando como júris mirins. 

O Takorama Brasil é uma iniciativa da Associação Internacional Films pour Enfants (filmes para crianças), proposto pela produtora 3emeio no Brasil, e realizado com recursos do Fundo de Apoio à Aprendizagem, da Fundação Lemann e Imaginable Futures. O evento Tem como parceiros internacionais a Comissão Nacional Francesa da Unesco, Global Alliance for Partnerships on Media and Information Literacy (GAPMIL), United Nations Office on Drugs and Crime (UNODC) e grupo Growing up & understanding digital tools 3-6-9-12.

PROGRAMAÇÃO

O Edifício, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018)

Olá, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014)

O Melhor Brinquedo, de Gabriel Lin (EUA, 2014)

O Tubarão do Aquário, de Ashley Farlow (EUA, 2014)

O Complexo do Porco-espinho, de LISAA (França, 2013)

Você Parece Assustador, de Xiya Lan (EUA, 2016)

Iguais, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016)

O Cão Só, de Mike A. Smith (EUA, 2014)

Meu Estranho Avô, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011)

Vagamundo, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014)

Aparência e Realidade, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014)

O Macaco Homem, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012)

O Emprego, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008)

Sr. COK, de Franck Dion (França, 2014)

SERVIÇO

Takorama Brasil - Festival Internacional de Cinema

Acesso gratuito e ilimitado pelo site www.takorama.com.br

Contato para informações: (81) 9 9263.1616 e e-mail: takoramabr@gmail.com

Classificação indicativa: 3 a 17 anos

 

Tom Felton, astro dos longas da franquia Harry Potter, usou seu Instagram no último domingo, dia 13, para desabafar sobre problemas psicológicos que já enfrentou no passado. O ator, que interpretou Draco Malfoy nos filmes, apoiou a campanha do Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio, e revelou que ele mesmo já passou por isso no passado.

No Twitter, Tom escreveu:

##RECOMENDA##

Me sinto mais forte hoje. Mais forte por dizer que sofri. Que lutei. Me silenciei por vergonha. Não mais.

O ator não deu muitos detalhes sobre o assunto, mas recebeu várias mensagens de força de seus seguidores. Algumas pessoas também aproveitaram o momento para dizer o quanto ele foi importante em suas vidas. Uma internauta, por exemplo, escreveu:

Por favor, continue usando a sua plataforma para o bem desse jeito! Você está ajudando muitas pessoas.

Atualmente Tom tem 32 anos de idade, mas começou a filmar Harry Potter quando tinha em torno de 14 anos.

Se você conhece alguém que esteja passando por dificuldades emocionais e/ou psicológicas e que precise de ajuda, sendo um suicida em potencial ou não, ligue para o número 188. É o contato do CVV (Centro de Valorização à Vida), que possui voluntários capacitados 24 horas por dia à disposição. A ligação é gratuita para todo o Brasil.

Os cinemas e teatros do município do Rio de Janeiro poderão voltar a funcionar a partir da próxima segunda-feira (14), segundo anunciou na sexta-feira (11) o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). O público deve ser limitado a 50% da capacidade de cada local, e está proibida a comercialização de comida e bebida.

Crivella também afirmou que está analisando a autorização para que torcedores voltem a frequentar os estádios de futebol. Segundo o prefeito, a medida reduziria a lotação das praias, constatada nos últimos finais de semana. "Nossa esperança é que as pessoas, indo para os estádios no domingo, não vão para a praia. Estamos tentando combinar, até antecipar os horários dos jogos um pouco. No estádio tem espaçamento e todos de máscara direitinho", afirmou o prefeito. A ideia da prefeitura é que o Maracanã, que tem capacidade para quase 79 mil pessoas, fique limitado a receber de 10 mil a 12 mil lugares - cerca de 15% da lotação. Mas, sobre isso, o que existe é apenas uma proposta em análise.

##RECOMENDA##

Além da reabertura dos cinemas e teatros, foram anunciadas duas medidas restritivas, para tentar reduzir a lotação em praias e estabelecimentos comerciais. A partir das 22h, bares e lanchonetes estão proibidos de servir bebidas alcoólicas a clientes que estejam na rua. Só quem estiver no interior do estabelecimento poderá continuar consumindo esse tipo de bebida. A proibição também se aplica a ambulantes. As punições ficaram mais rigorosas: o estabelecimento comercial que desobedecer as regras será interditado por sete dias, e não mais por 24 horas. O valor da multa será de R$ 13 mil e, em caso de reincidência, vai dobrar para R$ 26 mil.

A segunda medida restritiva anunciada foi a proibição de estacionamento em toda a orla da cidade, aos sábados, domingos e feriados.

Enquanto os cinemas não voltam a funcionar normalmente, devido à pandemia do coronavírus, produtoras estão alinhando detalhes que prometem dar o que falar nos próximos. Com o anúncio das filmagens de Pânico 5, Dylan Minnette recebeu o convite para integrar o elenco.

O protagonista da série 13 Reasons Why irá se juntar aos atores Neve Campbell, Courteney Cox, David Arquett, Marley Shelton, Jack Quaid, Jenna Ortega, Melissa Barrera, Mason Gooding, Kyle Gallner, Jasmin Savoy Brown e Mikey Madison. Detalhes do personagem de Dylan não foram divulgados, segundo informações do Deadline.

##RECOMENDA##

A previsão é que o filme, distribuído pela Paramount Pictures e produzido pela Radio Silence, seja lançado no Brasil em janeiro de 2022. A sequência do longa terá novamente Neve Campbell no papel de Sidney Prescott. O primeiro longa da franquia de terror estreou em 1996, sob a direção de Wes Craven e roteiro de Kevin Williamson. No total, os quatro filmes arrecadaram nas bilheterias mundiais quase 610 milhões de dólares.

A China nesta sexta-feira deu seu apoio ao filme da Disney "Mulan", alvo de convocação de boicotes por ter cenas filmadas na região chinesa de Xinjiang, onde Pequim é acusada de violar direitos humanos.

Este filme, com um orçamento de 200 milhões de dólares, inspira-se numa lenda popular, a de uma mulher da China antiga que se disfarçou de homem para poder lutar, substituindo o seu velho pai.

##RECOMENDA##

Lançado na China na sexta-feira, é objeto de polêmica recente, principalmente no Ocidente, com a Disney agradecendo ao governo, à segurança pública e ao Partido Comunista Chinês de Xinjiang (noroeste) no final do filme.

Numerosas associações de defesa dos direitos humanos têm criticado as filmagens de cenas nesta região, devido ao tratamento recebido pela minoria muçulmana de uigures.

Por muito tempo castigado por ataques perpetrados por integrantes dessa etnia, o governo chinês aplica mão de ferro a Xinjiang. Mais de um milhão de pessoas foram internadas em campos, de acordo com organizações de direitos humanos.

A China garante que se trata de centros de formação profissional, destinados a ajudar a população a encontrar trabalho e a afastar-se da tentação do extremismo religioso.

"Há algo mais normal para o filme agradecer ao governo de Xinjiang pela ajuda que trouxe?", questionou Zhao Lijian, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, na sexta-feira.

"Mulan" já havia sido objeto de polêmica no ano passado. A protagonista do filme, a atriz americana de origem chinesa Liu Yifei, expressou seu apoio à polícia de Hong Kong diante da violência em meio às manifestações a favor dos protestos na ex-colônia britânica.

"Para mim, é a Mulan de hoje", disse Zhao Lijian em referência à hostilidade que sofreu após seus comentários. "Ela é uma verdadeira chinesa!".

Em seu primeiro dia nos cinemas chineses, este blockbuster recebeu críticas negativas dos telespectadores, que deram uma nota de 4,7 em 10 na plataforma de referência chinesa Douban.com.

A atriz Michelle Rodriguez, conhecida por interpretar a personagem Letty Ortiz na saga “Velozes e Furiosos” (Universal Studios), revelou em entrevista à rádio Sirius XM que o nono filme da franquia de carros tunados terá uma cena no espaço.

Durante a entrevista, a apresentadora Julia Cunningham perguntou se a personagem de Michelle iria acompanhar Tej Parker (Ludacris) ao espaço. A atriz disse que não há chance de isso ocorrer e brincou com o fato de o filme demorar a ser lançado.

##RECOMENDA##

“As pessoas começam a falar dos bastidores e aí pode esquecer, as coisas vazam. Ninguém deveria saber disso”, afirmou.

“Velozes e Furiosos 9” (Justin Lin) está previsto para estrear em 2 de abril de 2021. O filme deveria ser lançado em 2020 mas foi adiado por causa da pandemia do coronavírus (Covid-19). A sequência marcará o retorno do personagem Han Lue (Sung Kang), que supostamente havia morrido no terceiro filme da franquia.

Confirmando boatos e especulações, a cantora Madonna revelou durante uma live em seu Instagram que sua vida e sua carreira serão retratadas em uma cinebiografia. 

 O projeto conta com a roteirista Diablo Cody, que ganhou o Oscar de Melhor Roteiro por "Juno" em 2008 e agora está auxiliando Madonna a dar vida a sua história nas telas.

##RECOMENDA##

“Estamos escrevendo um filme sobre minha jornada como artista. Que é feliz, triste, louca, racional. Eu não estou deixando outra pessoa escrever a minha história. Estou escrevendo com ela (Cody). É estranho porque terei que reviver todas as minhas experiências. É quase uma terapia. Às vezes, é confuso, porque escrevo falando de outra pessoa e não de mim mesma”, afirmou a Rainha do Pop. 

A internet agora especula quem será a atriz escolhida para interpretar Madonna no cinema. Florence Pugh, famosa por seus papéis em ‘’Adoráveis Mulheres’’ (2019) e ‘’Midsommar’’ (2019), é uma das cotadas pelos internautas para dar vida à intérprete de ‘’Like a Virgin’’, visto que Madonna começou a seguir a atriz nas redes sociais há alguns dias.

A 77ª edição do Festival de Cinema de Veneza termina neste sábado (12) com um saldo positivo, após registrar zero caso de coronavírus e ter exibido muitas produções de autores independentes.

O primeiro Festival em tempos de coronavírus, sem as estrelas de Hollywood e o público de fãs no tapete vermelho, foi realizado com total respeito às medidas de saúde, sem filas e aglomerações, com os espectadores sentados a distância, com um assento vazio de cada lado.

##RECOMENDA##

"Até agora, não foram registrados casos positivos de coronavírus. Isso é uma vitória", disse à imprensa o novo presidente da Bienal de Veneza, Roberto Cicutto.

Segundo Eleanor Stanford, em matéria publicada no jornal "The New York Times", o distanciamento social foi "o valor agregado", porque o espectador ficou mais confortável.

O "Times" considerou essa edição "mais livre", devido à ausência das grandes produções americanas que usam Veneza como um trampolim para lançar seus filmes ao Oscar.

O primeiro grande festival internacional celebrado em plena pandemia, que durou dez dias, conforme a tradição, contou com menos repórteres credenciados - apenas 5.000, um número baixo se comparado à última edição, que somou 12.000.

"Novos olhares"

A ausência de críticos e de delegações de países asiáticos ou da América Latina foi notável, apesar da presença de vários filmes da região, como o impactante "Nova Ordem" do mexicano Michel Franco.

"Nós servimos de laboratório para os outros festivais", disse satisfeito Alberto Barbera, que encerra sua gestão este ano, depois de uma década como diretor do Festival.

Apesar da definição dada pelo jornal francês "Le Monde" de um concurso "amorfo", os organizadores consideram que serviu para revitalizar um setor em crise pelas salas de cinema fechadas e pelas gravações paralisadas.

Do total de 60 longas-metragens convidados a participar em cinco categorias distintas e 15 curtas, a maioria eram obras de autores quase desconhecidos.

"Além da distância física, havia a distância mental. Foi aberto um espaço para novos olhares, para uma nova geração de diretores", afirmou a crítica italiana Cristiana Paternó, ao elogiar o alto número de diretores e diretoras independentes que participaram das diversas seções do Festival.

Em um dos anos mais atípicos de sua longa história, as mulheres aumentaram sua participação no Festival, com oito mulheres contra 10 homens competindo pelo precioso Leão de Ouro.

As previsões sobre possíveis vencedores estão abertas. Não se descarta que o júri, presidido por Cate Blanchett, premie o filme de uma mulher.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando