Tópicos | Enem 2020

O Ministério da Educação divulgou, na noite desta segunda-feira (3), o período de inscrições para o segundo semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). De acordo com a pasta, as candidaturas poderão ser feitas de 3 a 6 de agosto, por meio do site do processo seletivo. Não há taxa de participação.

LeiaJá também

##RECOMENDA##

--> Prouni e Fies: veja as datas de inscrições do 2º semestre

O Sisu é o principal meio de acesso dos estudantes brasileiros ao ensino superior público. Para participar da seleção, os candidatos utilizam as notas obtidas na edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

No primeiro semestre deste ano, foram oferecidas mais de 200 mil vagas em graduações de 109 universidades e institutos federais. Mais informações podem ser obtidas no site do Sisu.

Veja, a seguir, o cronograma completo:

Sisu

3 a 6 de agosto – Período de inscrição;

10 de agosto – Resultado da chamada única;

11 a 16 de agosto – Período para matrícula dos selecionados em chamada única.

Lista de Espera

10 a 16 de agosto – Prazo para manifestação de interesse em participar da lista de espera;

18 de agosto – Disponibilização da lista de espera para as instituições de ensino participantes;

19 de agosto – Início da convocação por parte das instituições de ensino dos selecionados por meio da lista de espera.

Durante este período pandêmico, diversos projetos sociais buscam minimizar os impactos do novo coronavírus na educação dos jovens vestibulandos, principalmente os que vivem em periferias do País. Um desses projetos é da pernambucana Brenda Teixeira, de 23 anos, graduanda do curso de direito na Universidade de Pernambuco (UPE).

O projeto Help, que começou no ano passado, surgiu da inquietude da jovem com relação ao ensino nas escolas durante a pandemia. “Havia acabado de perder meu avô, o estágio e as aulas na faculdade estavam suspensas por causa da Covid-19 e, por ter o privilégio de estudar em uma rede superior de ensino público, me fez sentir a necessidade de devolver à sociedade de alguma forma [a educação]”, contou em entrevista ao LeiaJá.

##RECOMENDA##

Brenda, que reside no Bairro do Ibura, Zona Sul do Recife, montou o projeto solidário, junto com alguns amigos, no intuito de dar aulas a estudantes interessados em se preparar para o Enem. “Como sempre ajudei meus amigos em português e redação, decidi fazer um post no Twitter para convidar alunos dos terceiros anos da rede pública interessados em aprender redação para o Enem”, disse. 

A iniciativa teve, rapidamente, mais de 20 alunos interessados. As aulas foram realizadas remotamente, com dicas de gramática, produção e correção de redações, além de rodas de debates com profissionais de várias áreas para ampliar o conhecimento dos participantes. O projeto alcançou vestibulandos de Pernambuco, Rio de Janeiro, Alagoas, Acre, Pará e até mesmo do Panamá. Desse total, a maioria conseguiu alcançar boas notas na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) realizado este ano.

[@#galeria#@]

Brenda comemora as notas que seus alunos alcançaram. Mas, para ela, a dificuldade em outras disciplinas fizeram muitos deles não serem aprovados no vestibular. “A realidade é que o déficit deles é para além da redação. Muitos não foram aprovados pelas outras competências, mas essa nota de redação fez com que eles se sentissem vitoriosos e instigou o estudo novamente esse ano”, comentou.

Segundo a jovem, o projeto vai continuar e já está sendo organizado para este ano. As vagas serão divulgadas em seu perfil no Instagram, porém, como ela corrige sozinha as redações, a quantidade de vagas será limitada e terão prioridade os alunos que já vinham tendo sua assistência.

Com a iniciativa, ela tem esperança que mais pessoas possam se juntar para ajudar o máximo de estudantes. “Meu intuito também é despertar em outras pessoas, que sejam boas em outras matérias, a ajudar quem precisa, porque faria total diferença.” Os interessados em ensinar alguma das áreas do conhecimento cobradas no Enem, e ajudar os vestibulandos, também podem entrar em contato com Brenda pelo seu perfil no Instagram.

Para a jovem, a mensagem que fica é que "todos podemos contribuir, do nosso jeito, para um mundo melhor, naquilo que somos bons, seja qual for o meio" E completa: “Conhecimento válido é conhecimento compartilhado! A gente não pode morrer com ele, precisamos disseminar e o processo é lento, mas recompensador. Só a educação é capaz de salvar nosso país”, conclui a futura advogada.

O Ministério da Educação (MEC) divulga, nesta sexta-feira (16), o resultado da edição 2021 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). É a primeira classificação nas universidades, onde os candidatos saberão se passaram na primeira ou segunda opção de curso.

Ainda no dia 16 deste mês, começa o período de inscrição para a lista de espera, realizada diretamente no site do Sisu. O procedimento é voltado para os alunos que não conseguiram se classificar no curso de preferência na chamada regular. É importante que os estudantes confiram o quanto antes o resultado. Em seu site, porém, o MEC alerta: “Se for selecionado em primeira ou segunda opção, independentemente de efetuar sua matrícula, não poderá manifestar interesse em participar da lista de espera”.

##RECOMENDA##

A plataforma também informa que o candidato poderá escolher “apenas uma das opções de vagas definidas na fase de inscrição”. O prazo para participar da lista de espera é até o dia 23 de abril.

Enquanto alguns alunos ficam no aguardo do resultado da lista de espera, os aprovados na chamada regular terão do dia 19 a 23 de abril para efetuar a matrícula na instituição de ensino para a qual se candidataram. Os novos universitários deverão acessar a plataforma da instituição para prosseguir com o registro, sem esquecer de observar a documentação necessária exigida para envio, como explica o professor de redação Felipe Rodrigues. “A documentação é um dos itens, tão importante quanto a seleção, porque caso o estudante não tenha algum documento específico, a matrícula dele será cancelada. Por exemplo, alunos de cotas que não levam documentos de comprovação de renda, alunos de cotas raciais que não levam a autodeclaração. São argumentos de cancelamento da matrícula daquele estudante no ato”, ele ressalta.

Rodrigues ainda alerta os candidatos do sexo masculino sobre o documento de alistamento. “Não precisa ter a reservista em mãos, se ele se alistou, isso já basta aos estudantes com dezoito anos de idade”, destaca.

Por fim, os feras que se inscreveram na lista de espera poderão consultar a relação dos selecionados a partir do dia 27 deste mês. Para saber mais detalhes, é preciso conferir no site da instituição de ensino pretendente. O professor dá algumas dicas para se manter informado sobre a seleção. “O estudante deve ficar atento ao site da universidade do curso que ele escolheu para lista de espera. O Sisu não vai dar mais informações. Ele tem que estar com o cronograma e com o edital. Depois que acabar o prazo de matrícula, a primeira lista dos remanejáveis já vai estar disponível”, relembra. Os candidatos do Sisu devem ter feito a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Eles não podem ter tirado nota zero na redação.

O Ministério da Educação (MEC) promete divulgar, nesta sexta-feira (16), o resultado da chamada regular do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), edição 2021. O processo seletivo é o principal meio de acesso ao ensino superior público do País, reunindo mais de 206 mil vagas em quase 110 universidades e institutos federais.

O LeiaJá perguntou ao MEC em qual horário será feita a divulgação da lista de aprovados. No entanto, até o fechamento desta matéria, a pasta não deu um retorno. A consulta à relação de selecionados poderá ser feita por meio do site do Sisu.

##RECOMENDA##

Os candidatos da seleção devem ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), edição 2020. Eles não podem ter zerado a redação e os treineiros não estão aptos a disputar vagas.

Os estudantes não aprovados na chamada regular precisam redobrar a atenção, pois ainda há chance de ingresso no ensino superior. Eles precisam, deste dia 16 até 23 de abril, demonstrar interesse em participar da lista de espera, que reúne vagas não preenchidas no processo regular.

Ainda de acordo com o MEC, as matrículas dos aprovados no Sisu serão realizadas de 19 a 23 de abril. Para mais informações, acesse o site do Sistema de Seleção Unificada.

Esta quarta-feira (14) é o último dia das inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), edição 2021. Os candidatos devem realizar o procedimento por meio do site do processo seletivo, até 23h59, sem pagar taxa de participação.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o Sisu oferta mais de 200 mil vagas em quase 110 instituições de ensino públicas, entre universidades e institutos federais. Os estudantes devem ter feito a edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e não podem ter zerado a prova de redação. Treineiros não podem disputar as vagas.

##RECOMENDA##

A previsão é que o resultado da chamada regular seja anunciado na próxima sexta-feira (16), no site da seleção. As matrículas serão realizadas no período de 19 a 23 de abril, conforme orientações das instituições de ensino que oferecem as oportunidades.

Já a manifestação na lista de espera ocorrerá de 16 a 23 de abril. Ela é voltada aos candidatos que não conseguiram aprovação na chamada regular, pois poderá disponibilizar vagas não preenchidas. Outras informações podem ser obtidas na página do Sistema de Seleção Unificada.

Na noite desta segunda-feira (12), o Ministério da Educação (MEC) deu orientações aos candidatos do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), edição 2020, no que diz respeito ao ranqueamento das notas de corte. A pasta resolveu mudar o método, passando a adotar a regra utilizada antes de 2021, acabando, dessa forma, com a dupla classificação e a chamada “nota fantasma”.

Segundo as orientações do MEC desta segunda-feira, o primeiro ranqueamento de notas de corte, “no formato anterior ao de 2020”, será realizado a partir de meia noite até uma hora da manhã desta terça-feira (13). A consulta pode ser feita pelos candidatos no site da seleção.

##RECOMENDA##

O MEC também informou que na virada da terça-feira para a quarta-feira (14) – data final de inscrições no Sisu – ocorrerá o último ranqueamento, no mesmo horário. Confira a postagem do órgão no Twitter:

O Sisu oferta mais de 206 mil vagas em quase 110 instituições de ensino, entre universidades públicas e institutos federais. Para mais informações, acesse o site do Sistema.

As notas de corte do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) deverão voltar ao formato de cálculo anterior às edições de 2020. A informação foi anunciada neste domingo (11) pelo Ministério da Educação. Com a alteração, que passa a valer a partir da zero hora desta terça-feira (13), a nota do candidato parcialmente classificado na sua primeira opção de curso não influenciará mais no cálculo da nota de corte de sua segunda opção. Ou seja, a nota de uma opção não será mais computada para efeito de cálculo da outra. Com isso, a classificação parcial também será alterada.

O sistema de inscrição do Sisu passará a fazer esta atualização em dois diferentes momentos. Da zero hora até uma hora da terça-feira (13), o sistema fará o processamento e a apresentação do primeiro ranqueamento das inscrições neste formato.

##RECOMENDA##

Já o segundo momento ocorrerá de zero hora até uma hora de quarta-feira (14). Assim, os candidatos terão terça-feira e quarta-feira durante todo o dia para fazerem suas opções com base na mesma sistemática que era utilizada nas edições do Sisu ocorridas até o segundo semestre de 2019.

O formato de geração das notas de corte escolhido em 2020 foi alterado durante o processo seletivo, ainda no primeiro semestre, mostrando as notas de todos os candidatos de forma integral, independente da situação de classificação da primeira opção de curso. O Sisu explica, porém, que a reversão do formato não significa erro ou desvirtuamento nas edições do ano passado, que estavam de acordo com a Portaria Normativa MEC nº 21/2012.  

No entanto, diante de apelos contrários à forma de divulgação da nota de corte, adotada a partir de 2020, a atual gestão do MEC determinou que a nota de corte volte a ser divulgada como era antes daquela alteração no seu formato, desde que em condições de indicar aos candidatos informações que permitam ampliar as chances de ingressar na educação superior e se graduar em uma das 109 instituições públicas de ensino superior com ofertas de vagas nesta edição do Sisu.

O total de vagas ofertadas nesta edição do Sisu chega a 206.609 mil para 5.571 cursos de graduação, distribuídos em todos os estados do Brasil e no Distrito Federal.

O Ministério da Educação (MEC) anunciou a prorrogação das inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), edição 2021. A informação foi divulgada pelo minsitro Milton Ribeiro, em seu perfil no Twitter. O prazo que seria encerrado nesta sexta-feira (9) agora segue até 14 de abril, por meio do site do processo seletivoO MEC não justificou o motivo da prorrogação, apenas anunciou o novo cronograma

São oferecidas mais de 206 mil vagas em quase 110 universidades e institutos federais. “Para participar do Sisu será exigido do candidato que ele tenha feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), edição de 2020, obtido nota superior a zero na prova de redação, e não tenha participado do Enem na condição de treineiro”, informou o MEC.

##RECOMENDA##

O resultado com os nomes dos aprovados será divulgado no dia 16 deste mês. Para mais informações, acesse o site do processo seletivo.

[@#video#@]

Estudantes que sonham em ingressar no ensino superior precisam redobrar a atenção. Esta sexta-feira (9) é o último dia de inscrições da edição 2021 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que oferece mais de 206 mil vagas em quase 110 instituições de ensino públicas. Gratuitas, as candidaturas devem ser feitas pelo site do processo. seletivo.

“Para participar do Sisu será exigido do candidato que ele tenha feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), edição de 2020, obtido nota superior a zero na prova de redação, e não tenha participado do Enem na condição de treineiro”, informou o MEC.

##RECOMENDA##

A previsão é que o resultado com os nomes dos aprovados seja divulgado no dia 13 deste mês. Para mais informações, acesse o site do processo seletivo.

LeiaJá também

--> Entenda a nota de corte do Sisu e siga rumo à aprovação

--> Sisu: o risco de escolher um curso só porque 'a nota deu'

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, na tarde desta terça-feira (6), um novo posicionamento sobre reclamações de estudantes alegando erros nas notas de redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), edição 2020. Segundo o órgão, foi solicitado ao Consórcio Cesgranrio-FGV, contratado para a “operacionalização do Exame”, uma nova averiguação em 100% dos textos.

De acordo com o Inep, durante “todo o feriado e fim de semana recentes”, de 1º a 4 de abril, foram feitas novas verificações nos textos. O Instituto alega que não “há inconsistências nas notas disponibilizadas na Página do Participante”. “Após análise realizada em toda a base de imagens de redações, confrontando o nome do participante com os códigos de barra impressos nas folhas de redação, não foram identificadas inconsistências e as notas apresentadas na Página do Participante correspondem à realidade da nota atribuída pelos corretores dos textos”, acrescentou a organização do Enem.

##RECOMENDA##

Em seu site oficial, o Instituto deu mais detalhes a respeito da personalização das redações, assim como explicou as novas verificações por parte do Consórcio Cesgranrio-FGV.

No Enem 2020, foram registradas apenas 28 redações nota mil. O Inep também informou que mais de 80 mil candidatos zeraram a produção textual. Confira, a seguir, a nota de esclarecimento:

Em respeito a todos os participantes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 e reforçando seu compromisso com a integridade e seriedade do exame, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) esclarece que solicitou ao Consórcio Cesgranrio-FGV, contratado para operacionalização do exame, nova averiguação de 100% das imagens de redações do Enem 2020 e reitera que não há inconsistências nas notas disponibilizadas na Página do Participante. Durante todo o feriado e fim de semana recentes, entre 1º e 4 de abril, foram feitas novas verificações e, após análise realizada em toda a base de imagens de redações, confrontando o nome do participante com os códigos de barra impressos nas folhas de redação, não foram identificadas inconsistências e as notas apresentadas na Página do Participante correspondem à realidade da nota atribuída pelos corretores dos textos. A folha de redação do Enem é personalizada e possui um código de barras atribuído individualmente a cada participante. Também são impressas nela outras informações pessoais vinculadas ao participante, como nome completo, número de inscrição no exame, CPF e data de nascimento. A partir disso, a Fundação Getulio Vargas (FGV), membro do consórcio aplicador responsável por operacionalizar as correções das redações do Enem, revisou a totalidade das imagens digitalizadas pela operação reversa do Consórcio Cesgranrio-FGV, contratado para operacionalização do Enem. A verificação ocorreu da seguinte forma:

1. Importação da imagem na aplicação do robô de verificação;

2. Identificação e separação da folha de redação de cada participante;

3. Leitura do número de inscrição, presente no código de barras impresso em cada folha, realizada por meio do reconhecimento óptico de código de barras (BCR);

4. Identificação do nome do participante impresso na folha de redação, realizada por meio do reconhecimento óptico de caracteres (OCR);

5. Execução de pesquisa de dados do participante na base oficial de inscritos, a partir da inscrição obtida com o resultado da leitura do código de barras;

6. Comparação do nome obtido a partir de pesquisa realizada na base de inscritos, com o nome existente na folha de redação.

Dessa forma, a verificação realizada pela FGV em toda a base de imagens de redações, confrontando o nome do participante extraído a partir da leitura dos códigos de barra com o nome impresso na folha de redação, não apresentou inconsistências. Novas amostras das reclamações em redes sociais e veículos de imprensa também foram verificadas em casos pontuais e não foi identificada qualquer divergência.

O Inep aproveita para reforçar que o processo de correção das redações do Enem é acompanhado em todas as suas etapas e segue rigorosamente os critérios estabelecidos pelo Instituto. Os textos dos participantes, transcritos na folha de redação, podem passar por até quatro correções para o cálculo da média final. Os corretores de redação são selecionados em um processo rigoroso e capacitados pelo consórcio aplicador. Destaca-se que os profissionais selecionados para o processo de correção atendem critérios de formação inicial (graduação em Letras e Linguística) e continuada (exigência mínima de mestrado para as funções de supervisores e subcoordenadores), além da experiência comprovada em coordenação de correção de produção textual em avaliação educacional, exames ou concursos.

Após um intenso período de estudos e vestibulares, chegou a hora de submeter as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 no processo seletivo do primeiro semestre do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O programa do Ministério da Educação (MEC) inicia as inscrições nesta terça-feira (6) e oferta vagas em diversas universidades públicas e institutos federais do Brasil.

Para o professor de biologia André Luiz, é importante que os candidatos estejam bem preparados para a seleção: “É importante ler e se informar bem sobre a dinâmica do Sisu. Mantenha a calma, pois é um momento decisório e requer análise de dados para a escolha mais acertada possível”, aconselha.

##RECOMENDA##

Cristiane Pantoja, professora de história, também recomenda estar informado e ainda dá uma dica estratégica para o Sisu: "O hábito de pesquisar sobre as instituições e ter autoconfiança é tão importante quanto o próprio Enem. O ideal é usar um simulador para saber em qual universidade o estudante poderá entrar com sua nota", diz.

As inscrições no Sisu ficarão abertas até o dia 9 de abril e permitirão que os candidatos possam alterar as duas opções de cursos quantas vezes quiserem. O sistema só irá considerar a última opção escolhida. Neste período, os estudantes também devem, segundo Luiz Ottoni, produtor de conteúdo da plataforma educacional Beduka, ficar atentos às notas de corte que vão se alterando, o que pode ser um fator decisivo para a aprovação. 

 Luiz Ottoni é produtor de conteúdo do Beduka. Foto: Divulgação/Beduka

“Durante os dias de inscrição, os resultados vão variando, pois mais alunos vão se matriculando e mudando de curso. Se a nota do estudante estiver abaixo da nota de corte, ele não passa. Por isso, é muito importante entrar no site do programa todo santo dia e escolher suas duas opções com sabedoria”, instrui.

Ottoni pontua que dentre os erros que os estudantes cometem na hora de submeter a nota no processo seletivo, “o maior é achar que o Sisu é um jogo de poker onde quem blefa melhor ou faz a aposta mais arriscada, ganha. Isso não é verdade”, alerta.

Para ter ainda mais chances de conquistar a tão sonhada aprovação em uma instituição de ensino superior, o produtor de conteúdo da Beduka listou duas estratégias essenciais para os estudantes seguirem nos três dias de inscrições do Sisu. Veja:

1 - Escolha opções de cursos estrategicamente

“O Sisu foi criado para facilitar a utilização da sua nota do Enem. Você precisa escolher opções possíveis e realistas, sabendo usar o benefício de se ter duas opções. A primeira opção deve ser bem na linha do que você quer, veja se a nota de corte permite a sua aprovação, mas também permita-se um pouquinho de risco. Já a segunda opção é seu plano B, o seu bote salva-vidas, ela deve ter menos risco e te dar uma margem de respiro maior em relação à nota de corte. A partir daí, você poderá ter maiores chances de ser aprovado. Então pense bem e analise muito”, orienta.

2 - Use simuladores de notas 

“Os simuladores são limitados, mas úteis. Não passar no simulador não significa que não vai passar no Sisu, até porque eles usam as notas de corte dos anos anteriores. Porém, podem nortear a escolha do estudante, ainda mais os que usam a própria base de dados do MEC, como o do Beduka’.

Como usar o simulador do Beduka?

Para utilizar o simulador do Beduka, Ottoni comenta que os estudantes devem calcular as notas do Enem e, com a média, buscar no simulador quais cursos estão com as notas de corte mais baixas. “Assim você terá uma noção de quais universidades focar no Sisu 2021”, conclui.

Ele ainda complementa: “O simulador do Beduka é um orientador da escolha do estudante. Quem bate o martelo de aprovado ou não é o Sisu. O simulador é um aliado, um apoiador, um serviço que lhe dará mais informações e lhe prepará para o processo seletivo”, finaliza.

Já estão abertas as inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), principal meio de entrada em universidades públicas e institutos federais. As candidaturas podem ser feitas gratuitamente até o dia 9 deste mês por meio do site do processo seletivo.

Os candidatos devem ter participado da edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), sem ter zerado a redação. Segundo o Ministério da Educação (MEC), mais de 209 mil vagas são oferecidas em 110 instituições de ensino.

##RECOMENDA##

"Para se inscrever o candidato deve utilizar o mesmo login cadastrado no portal de serviços do governo federal (acesso.gov.br), da mesma forma que fez para acessar o resultado do Enem 2020. Por isso, o candidato deve se preparar com antecedência para não ter problemas no ato da inscrição do Sisu, quando é exigida a senha do cadastro no portal de serviços do governo federal. Quem precisar recuperar esses dados já deve providenciá-los", informou o MEC.

Ainda segundo o MEC, o resultado do Sisu está previsto para o dia 13 deste mês. Confira, a seguir, mais informações a respeito do cronograma da seleção:

[@#video#@]

Começa, nesta terça-feira (6), o período de inscrições do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2021. O programa do Ministério da Educação (MEC) oferece mais de 200 mil vagas em diversas universidades e institutos públicos do Brasil. Confira, a seguir, tudo o que você precisa saber sobre o processo seletivo.

Como se inscrever?

##RECOMENDA##

Para se inscrever, basta acessar a página do Sisu, até o dia 9 de abril, clicar em "fazer inscrição" e entrar com o login do Governo Federal. Caso tenha esquecido a senha, o candidato pode recuperá-la na Página do Participante do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Depois é só confirmar os dados e escolher até duas opções de curso, modalidade e instituição que deseja concorrer.

Como participar?

Quem deseja participar do processo seletivo precisa ter realizado o Enem 2020 e obtido nota maior que zero na redação, como também não ter participado na condição de treineiro. Veja as notas do Enem.

Qual a diferença entre nota de corte e nota mínima?

No Sisu, a nota de corte é a menor pontuação que os candidatos precisam ter para entrar na modalidade e curso escolhido. Ela varia conforme a pontuação dos inscritos e serve como referência para auxiliar o candidato no monitoramento de sua inscrição. Vale ressaltar que a nota de corte pode ser conferida diariamente durante o período de inscrição e não garante a vaga a qual o candidato se inscreveu.

Já a nota mínima é adotada por algumas instituições para que os candidatos possam se inscrever em determinados cursos, ou seja, se a pontuação não for suficiente, os estudantes não poderão se candidatar ao curso, e o sistema, automaticamente, envia uma mensagem informando.

Resultado e classificação

O resultado da chamada regular será divulgado no dia 13 de abril. Os candidatos só serão selecionados se estiverem dentro do número de vagas ofertado em cada formação.

Quem for classificado na primeira ou segunda opção de curso só terá esta oportunidade de fazer a matrícula, não podendo participar da lista de espera. Quem não foi selecionado em nenhuma das opções na chamada regular poderá manifestar interesse em participar da lista de espera a partir do dia 13 de abril. Os estudantes devem escolher apenas uma das opções de vagas definidas na fase de inscrição. A lista dos convocados será divulgada no dia 23 do mesmo mês.

Nos primeiros minutos desta terça-feira (6), data que marca o início das inscrições da edição 2021 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), candidatos não conseguiram acessar o sistema do processo seletivo. Na barra de endereço, a plataforma informou que está em manutenção, enquanto em sua tela principal há a seguinte informação: “Não se preocupe, em breve você poderá acessar a plataforma do Sisu”.

##RECOMENDA##

Site do Sisu informou que está em manutenção. Imagem: Reprodução/Site do Sisu

O professor de química Berg Figueiredo tentou fazer a inscrição e, até 1h desta terça-feira, não obteve êxito. "Fica só girando e não entra. Apareceu que o site está em manutenção, infelizmente", contou o professor.

O LeiaJá questionou o Ministério da Educação (MEC) sobre qual seria o horário de início das inscrições. A pasta, por sua vez, não especificou a hora, informando que o edital do Sisu apenas determina a data do começo das candidaturas. Porém, o MEC prometeu que trabalharia para abrir o procedimento de inscrição “nas primeiras horas da manhã”.

O Sisu oferece mais de 209 mil vagas em 110 universidades e institutos federais. As inscrições poderão ser feitas até o dia 9 de abril; a lista de aprovados está prevista para o dia 13.

Os candidatos devem ter participado da edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), sem ter zerado a redação. "Para se inscrever o candidato deve utilizar o mesmo login cadastrado no portal de serviços do governo federal (acesso.gov.br), da mesma forma que fez para acessar o resultado do Enem 2020. Por isso, o candidato deve se preparar com antecedência para não ter problemas no ato da inscrição do Sisu, quando é exigida a senha do cadastro no portal de serviços do governo federal. Quem precisar recuperar esses dados já deve providenciá-los", informou o MEC.

Nas postagens em redes sociais referentes ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o assunto que se sobressai é o início das inscrições da edição 2021, marcado para esta terça-feira (6). Atrelados a ele estão questionamentos de estudantes de todo o País sobre o horário do começo das candidaturas. O LeiaJá procurou o Ministério da Educação (MEC) cobrando um esclarecimento sobre as perguntas, mas a pasta, no início da noite desta segunda-feira (5), não cravou uma hora específica para o início das inscrições.

LeiaJá também

##RECOMENDA##

--> Às vésperas do Sisu, veja como simular notas de corte

--> Inscrições: MEC pede 'tranquilidade' a candidatos do Sisu

--> Veja notas de corte das principais universidades no Sisu

Em nota enviada ao LeiaJá, o MEC argumentou que no edital do Sisu não há uma determinação para o horário de abertura do sistema de inscrições, informando apenas a data do início do procedimento. O Ministério diz que trabalha “para que a abertura das inscrições ocorra nas primeiras horas da manhã”. “Mas para efeito do cumprimento do edital deve ser observada a data e não um horário determinado”, acrescentou.

Com inscrições até as 23h59 do dia 9 de abril, horário de Brasília, a edição 2021 do Sisu reúne mais de 200 mil vagas em universidades públicas e institutos federais. Para tentar ingressar nos cursos de graduação, os candidatos devem ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, sem zerar a prova de redação.

A previsão é que a lista de aprovados seja divulgada no dia 13 deste mês. Confira, a seguir, o cronograma do Sistema de Seleção Unificada:

[@#video#@]

Estudantes que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 puderam conferir, na segunda-feira (29), a pontuação obtida em cinco áreas de conhecimento. No entanto, grande parte deles está contestando as notas obtidas na prova de redação.

Maria Vitória Gomes, de 20 anos, moradora do Rio de Janeiro, é uma das estudantes que tirou uma nota muito abaixo do que vinha conseguindo nas edições anteriores. Ela acredita que deve ter havido um erro no sistema. “Esse Enem não é o primeiro que eu faço. Fiz em 2018 e 2019 e tive notas acima de 840. Além do mais, eu estudei muito ano passado, principalmente redação, que tem peso maior para a faculdade que eu quero entrar. Posso ter sim errado em algumas coisas a ponto de não tirar 1000, mas 460 é impossível aceitar. Acredito que minha nota não caiu drasticamente desse jeito porque eu mantive o meu padrão, com repertórios e proposta de intervenção. Tenho quase certeza que houve erro no sistema”, relatou.

##RECOMENDA##

A vestibulanda, que pretende cursar farmácia, sente que essa nota vai prejudicar sua entrada na universidade. "Com certeza, ainda mais para a UFRJ, que é a faculdade que eu quero, porque a nota da redação tem peso 3 e eu já fiz o cálculo e a pontuação ficou muito baixa”, disse.

Maria Luiza Ribeiro, de 23 anos, moradora de Montes Claros, Minas Gerais, obteve 760 na redação e acredita que essa não seria sua pontuação. "Creio que houve um erro na hora de lançar a nota, não apenas a minha, mas de muitos estudantes que vêm contestando também. Tenho a certeza de que fiz uma redação bem estruturada e dentro do tema, e estava esperando uma nota alta e na hora veio uma bem mais baixa do que o esperado. Acredito que o erro tenha sido na hora de colocar as notas e não dos corretores", pontuou.

A estudante, que está ansiosa para cursar medicina, aponta que merecia ter tirado entre 880 a 900, uma vez que essa média foi confirmada por um professor de redação. "Ela (a redação) foi corrigida e recebeu essa média. Apesar de alguns pequenos erros, o texto estava bem estruturado e não fugia do tema. Vou tentar recorrer para ver o que poderá ser feito, pois acaba sendo um prejuízo para os estudantes que se dedicaram, mesmo com todo o cenário atual que o Brasil vive", comentou.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) usou as redes sociais para explicar como são corrigidas as redações. “Os textos dos participantes do Enem passam por até quatro correções para o cálculo da média final, o que correspondeu, nesta edição, a, aproximadamente, 7 milhões de análises dos textos válidos, sem contar as folhas em branco ou com texto insuficiente”, informou.

Segundo o Inep, por conta desses procedimentos de correção, não há como entrar com recurso para que as notas sejam revistas. O órgão afirma que os corretores seguem um rigoroso processo de seleção e capacitação. “Os corretores de redação são selecionados em um processo rigoroso e capacitados pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), membro do consórcio aplicador responsável por operacionalizar as correções dos textos do exame. O processo é acompanhado em todas as suas etapas e segue rigorosamente os critérios estabelecidos pelo Inep”, alega o órgão organizador do Enem.

Fernanda Pessoa, professora de redação, comentou, em live do Vai Cair no Enem, realizada na terça-feira (30), que os corretores foram “duros” na correção deste ano como uma forma de dar "credibilidade" à prova. “Eu acho que acabou virando um marketing do Inep essa história das notas mil serem a cada ano uma quantidade menor. Na minha opinião, é como se eles dissessem assim: ‘nossos critérios são rigorosos. A redação é levada muito a sério’, mas, na verdade, não é isso”, opinou a professora.

Os estudantes poderão conferir, no dia 28 de maio, na Página do Participante, as correções realizadas pelos avaliadores do Inep no espelho da redação. Por meio do espelho, serão vistos acertos e os erros que foram considerados para calcular a média final.

O LeiaJá procurou a assessoria de imprensa do Inep para que o Instituto se posicione sobre as contestações dos estudantes e se, de fato, houve erro no preenchimento das notas. Até o fechamento desta reportagem, não tivemos retorno do órgão.

LeiaJá também

--> Pernambucano tira nota mil na redação do Enem 2020

--> Enem 2020: 28 candidatos tiraram nota mil na redação

--> Redação: 87.567 candidatos zeraram a prova no Enem 2020

Aos 16 anos, Eduardo Belian é mais um estudante pernambucano que brilhou na edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Enquanto Savicevic Ortega Silva alcançou mil na redação, o jovem Eduardo tirou 975, a nota máxima na prova de matemática, umas das mais difíceis do processo seletivo. Ao LeiaJá, o fera afirmou, nesta terça-feira (30), que não tinha uma rotina de estudos regrada à quantidade de horas, mas sim à prática de questões.

Aluno do Colégio Núcleo, do Recife, desde o nono ano do ensino fundamental, Eduardo finalizou em 2020 o terceiro ano do ensino médio. Almeja a aprovação na área de engenharia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

##RECOMENDA##

O estudante relatou que carrega uma boa base de matemática, mas, durante a pandemia da Covid-19, o auxílio do seu colégio nas aulas remotas, aliado à prática de exercícios, foi fundamental em sua preparação. “Durante a pandemia, no início, o Núcleo com as aulas remotas auxiliou demais. Sempre tinha os simulados on-line. Eu não tinha isso de horário de estudos e nem quantas horas. Gostava bastante de praticar”, revelou o candidato em entrevista ao LeiaJá. “Os professores ajudavam bastante, de todas as disciplinas”, acrescentou.

Morador do bairro de Peixinhos, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife, Eduardo disse que seus pais, até então, não param de celebrar o feito. Ele conta, ainda, que pela boa preparação, esperava um resultado positivo em matemática, além de manter boas expectativas para a aprovação na UFPE.

O estudante nota máxima em matemática aproveitou a oportunidade para deixar uma mensagem aos candidatos que não tiveram notas altas no Enem 2020. “Eu diria que não desistam e pratiquem bastante. Praticar muitas questões é fundamental”, aconselhou.

Nas redes sociais, o Colégio Núcleo celebrou o resultado do aluno. “As conquistas diárias de cada um dos nossos estudantes são motivo de muita alegria e comemoração! Nosso concluinte 2020 Eduardo Belian, estudante Núcleo desde o Ensino Fundamental, acertou todas as questões de matemática do Enem deste ano e obteve a maior nota do Brasil”, publicou a instituição de ensino.

A média geral de Eduardo ficou em 718. Em redação, por exemplo, ele alcançou 740. As inscrições para o Sisu serão realizadas de 6 a 9 de abril, e o resultado está previsto para o dia 13 do mesmo mês.

Após a divulgação do resultado da edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a atenção dos estudantes se volta ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2021. As inscrições serão realizadas de 6 a 9 de abril, com resultado previsto para o dia 13 do mesmo mês.

Com as notas do Enem, candidatos podem concorrer a vagas em universidades públicas por meio do Sisu. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), na edição 2021 são oferecidas mais de 200 mil oportunidades em 5,6 mil cursos de graduação distribuídos em 110 instituições de ensino.

##RECOMENDA##

Um suporte aos estudantes que buscam informações sobre os pesos e notas de corte da edição 2020 do Sisu, que podem servir de base para a seleção deste ano, está disponível de maneira gratuita. Por meio do site da plataforma educacional Beduka, os candidatos consultam informações acerca de cursos de várias universidades brasileiras, a partir de filtros detalhados, e podem fazer simulações.

[@#video#@]

“Para simular a nota de corte é muito simples. Basta entrar no site e na primeira tela o estudante escolhe o curso que ele quer e a localização. Ele vai digitar, por exemplo, medicina, e digita uma cidade, em seguida clicando em pesquisar. Ele pode selecionar apenas as universidades públicas, para ter uma dimensão da nota de corte do Sisu”, explica William Valadao, CEO do Beduka.

Em parceria com o Vai Cair No Enem, o Beduka também disponibilizou um teste vocacional gratuito. No raio-x, estudantes recebem informações que podem nortear as escolhas sobre qual carreira seguir.

O sistema da Página do Participante Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem gerado irritação em estudantes e professores. O resultado da edição 2020, divulgado na noite dessa segunda-feira (29), ainda não pôde ser consultado por alguns candidatos, uma vez que a plataforma que dá acesso às notas vem apresentando problemas desde antes da sua liberação.

Nessa noite, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou uma nota afirmando que a Página do Participante estava com lentidão na autenticação do Acesso Gov.br. Mesmo com esse problema, de acordo com a instituição, 45% dos estudantes conseguiam ter acesso, porém, o restante encontrava dificuldades por causa da lentidão do sistema.

##RECOMENDA##

Alunos e professores se revoltaram com a situação nas redes sociais. “Tem muita gente perguntando se alguns alunos meus já viram. Pouquíssimas pessoas viram o resultado. São oito da noite e eu quero me solidarizar com todo mundo que ainda não viu a nota. É um desrespeito, é uma coisa completamente absurda, mais um desrespeito com os jovens do Brasil, com os estudantes do Brasil. Tanta gente depende desta nota para colocar os seus sonhos em prática e a gente tem essa coisa tão desorganizada, tão absurda, ninguém acessa ao site”, desabafou a professora de português e redação Fernanda Pessoa, no Instagram.

O professor de redação Diogo Didier mostrou em seu Instagram, na madrugada desta terça-feira (30), sua tentativa de acesso, sem sucesso, ao sistema do Enem, para ver sua nota. Em vídeo postado nos stories da rede social, Didier mostra sua tentativa de acesso e afirma estar nesse processo desde as 18h da segunda-feira. Já em outro vídeo, quando Diogo consegue acesso à página, é exibida a seguinte mensagem: “Ops! Ocorreu uma falha de comunicação entre você e o INEP”.

Nesta terça-feira, o docente afirmou que até então não havia conseguido entrar no sistema. “Acordei cedo, tentei pelo computador, pelo celular e nada. Agora eu estou indo para casa para ver se eu consigo, mais uma vez, que eu tentei muito ontem das sete da noite até mais de uma e pouca da manhã e eu não consegui ver minha nota ainda. É absurdo, não é? É de uma irresponsabilidade, desrespeito enorme com a gente”, afirmou ele.

“Descaso total! Cadê a nossa nota?”, indagou uma internauta na publicação postada pelo Inep. “Que engraçado, só esqueceram de avisar que o problema será resolvido no final da noite de 2023, é um desrespeito com os alunos!”, disse outra. 

Em nota divulgada hoje, o Inep, mais uma vez, tentou explicar os erros no sistema. Confira:

Após a disponibilização do sistema de divulgação das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, às 18h desta segunda-feira, 29 de março, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) identificou que o acesso.gov.br não estava respondendo à alta demanda de acessos dos participantes. Em contato com o Serpro, responsável pela plataforma gov.br, foi identificada inconsistência técnica, que impactou o acesso dos estudantes à Página do Participante.

Após a reinicialização dos servidores que atendem à aplicação, o Serpro informou que a inconsistência apresentada foi resolvida no mesmo dia e que o acesso.gov.br foi completamente normalizado à meia noite desta terça-feira, 30 de março. A partir daí, foi possível ao Inep identificar uma inconsistência no código do sistema de seu portal, que foi corrigida pela equipe do instituto às 7h38. Com isso, o serviço passou a ser corrigido gradativamente, até seu completo restabelecimento, às 9h30.

O Inep registra a pronta resposta e parceria que ocorreu entre o instituto, o Serpro e o Ministério da Economia, por meio da Secretaria de Governo Digital, envolvendo cerca de 50 técnicos que trabalharam durante toda a madrugada, e, por mais de 13 horas, visando fornecer à sociedade os resultados do Enem 2020.

Aos 20 anos, o estudante de direito Savicevic Ortega Silva de Melo foi um dos 28 participantes que tiraram nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. O jovem, morador de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, é bolsista do Programa Universidade para Todos (Prouni) em uma faculdade particular localizada na capital pernambucana, mas sonha em ser médico.

A fórmula para a nota mil

##RECOMENDA##

De acordo com Savicevic, o segredo para a nota máxima está na constante prática textual. "Criei um cronograma de redações. Por semana, fazia duas de temas variados", contou. Além de produzir textos semanalmente, o jovem também buscava dedicar um dia inteiro da semana a assistir às aulas de redação. "Eu praticava no mesmo dia. Fazia a introdução e ia mudando. Aí depois passava para o D1 (desenvolvimento 1), D2 (desenvolvimento 2). No outro dia, só passava a limpo, tirava foto e mandava para correção", explicou.

O estudante resolveu conciliar as aulas de direito com a preparação para o Enem. Savicevic assinou uma plataforma on-line de estudos para o exame e fez isolada de redação com a professora Fernanda Pessoa. "Nanda sempre dizia que o segredo era a prática", relembra. "Às 18h eu parava para as aulas da faculdade", completou.

Savicevic só começou a estudar para o Enem em outubro de 2020. "Meu sonho sempre foi medicina. Mas em 2018, quando terminei o ensino médio, não passei. Passei em direito e fui. Mas em outubro eu percebi que estava deixando o meu sonho para trás e decidi começar a estudar. Já tinha me inscrito no Enem, só que não pensava em fazer 'valendo'", explicou, ao LeiaJá.

A emoção ao ver a nota 1000 na redação foi grande. "Desde as 18h eu estou no site, mas só consegui ver agora a pouco. Fui logo na redação. Quando vi, dei um pulo da cama e gritei tanto", relatou Savicevic.

O sentimento de dever cumprido chegou após muito esforço. De acordo com o estudante, ele nunca recebeu a nota máxima na correção das redações. "O meu máximo foi 960. Mas eu agradeço por isso, se tivesse tirado nota 1000, teria me acomodado e não iria buscar melhorar.

Para quem também busca uma nota máxima na redação nas próximas edições do Enem, Savicevic recomenda: "Eu li muitas redações nota mil, isso ajudou muito. É uma dica. A outra é treinar muito e, por último, estudar muitos repertórios de todos os eixos temáticos", garantiu.

Orgulho para quem ensina

A professora Fernanda Pessoa deu aulas de redação para Savicevic e comemora a conquista. "Eu estou muito feliz com o mil do aluno, foi realmente um ano muito atípico. Nós tivemos notas altíssimas, muitas notas acima de 900, centenas de notas 960, 980. A expectativa pelo mil é, de fato, muito grande", contextualiza. "É um aluno muito esforçado, é um aluno que o último Enem que itnha feito foi em 2018. Aí ele me procurou de forma on-line e eu pude acompanhá-lo até a véspera da prova", finalizou Pessoa.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando