Fernando Braga

Fernando Braga

Direto do Planalto

Perfil: Fernando Braga é comunicólogo e professor universitário em Brasília. Mestre em Memória Social, especialista em Marketing e em Metodologia do Ensino Superior é titular de colunas em jornais de Brasília e Flórida (EUA)

Os Blogs Parceiros e Colunistas do Portal LeiaJá.com são formados por autores convidados pelo domínio notável das mais diversas áreas de conhecimento. Todos as publicações são de inteira responsabilidade de seus autores, da mesma forma que os comentários feitos pelos internautas.

Desemprego cresce em todo o mundo

Fernando Braga, | qua, 15/05/2013 - 10:40
Compartilhar:
O número de jovens desempregados em todo o mundo cresce assustadoramente. A Organização Internacional do Trabalho – OIT – estima que dentro de cinco anos 12,8% dos jovens estarão sem emprego no mundo. Hoje, essa taxa já é elevadíssima, 12,6%, ou sejam, 73,4 milhões de pessoas de 15 a 24 anos de idade sem ocupação. Ou seja, um contingente que cresce a cada dia desde que o mundo entrou em crise, em 2009. Há países que lideram essa cruel estatística: na Grécia, 54,2% dos jovens não trabalham, na Espanha, 52,4%, enquanto que nos Estados Unidos o desemprego dos jovens atinge 16,3% dessa faixa etária. Em melhor situação estão a Suíça, com 6,1%, Alemanha, 8,2% e Japão, 8,8%
Na América Latina está sendo registrada tendência de diminuição de nosso tradicional restrito mercado de trabalho. Tínhamos 13,5% de desemprego juvenil em 2008, 15,4% em 2009, mas no ano passado conseguimos reduzir a 12,9% na região. Segundo previsões da OIT, a tendência é de aumento do desemprego nos próximos anos, apesar de estar sendo registrado o fenômeno da desistência: muitos jovens, principalmente nos países ricos, simplesmente desistem de continuar procurando emprego e deixam de pressionar as estatísticas como trabalhadores a procura de emprego. Eles tornam-se marginais ao processo.
No Brasil os números são positivos. Estamos com a taxa de desemprego juvenil em queda constante, apesar de nossos números ainda serem elevados. Em 2002 tínhamos 22,6% de desempregados, contra 13,2% no ano passado. Apesar de queda, recente pesquisa do IBGE, indica a permanência de diferenças regionais na oferta de emprego. A Pesquisa Mensal de Emprego (PME), realizada em regiões metropolitanas, mostra desigualdade entre os números do Sul e Sudeste com os do Nordeste e Norte. Enquanto a taxa de desocupação em Porto Alegre era de 4,4%, Salvador registrava índice de 10,3%, e Recife de 7,8%, enquanto cidades como São Paulo e Belo Horizonte apresentam índices de 6,6% e 6,3%, respectivamente.
“Sempre houve concentração dos investimentos nas regiões Sudeste e Sul, principalmente investimentos privados, de indústria e infraestrutura, como portos, aeroportos, estradas e ferrovias”, admite o deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA). “O Nordeste, historicamente, registra taxas maiores de desemprego. A situação tem mudado nos últimos anos. O estado do Ceará, por exemplo, criou incentivos para a indústria têxtil, estimulando a implantação de novas fábricas e a expansão do parque já existente. A Bahia foi escolhida pela montadora Ford para a instalação de uma fábrica no município de Camaçari e a cultura da soja consolidou o oeste do estado como novo polo econômico”.
A proposta de Daniel Almeida para inserir ainda mais o Nordeste no mapa econômico nacional é definir uma política de financiamento baseada na contribuição dos estados para o Produto Interno Bruto. “É preciso determinar que os investimentos no Nordeste, principalmente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), correspondam à contribuição da região para o próprio banco. O Nordeste representa cerca de 15% do PIB brasileiro, mas recebe de volta do BNDES apenas 8%. Não se trata de a região mais rica do País financiar a mais pobre. Trata-se de a própria região financiar seu desenvolvimento.”
Ainda no bloco dos deputados que apoiam o governo federal, o deputado Sérgio Moraes (PTB-RS) conclui: “Precisamos de mais opções de financiamento para os empresários, é urgente baixar juros e reduzir a burocracia na concessão de crédito”. O País está imerso na campanha à sucessão presidencial. A população aguarda, além das medidas necessárias para a efetiva retomada do crescimento econômico, os planos para o enfrentamento da crise internacional. E que vença o melhor.
Tags:

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Leia Concursos

Procure os
Concursos

LeiaJá é um parceiro do Portal iG - Copyright. 2020. Todos os direitos reservados.

Carregando