Tópicos | Prevenção à COVID-19

Os atletas Rudy Gobert e Donovan Mitchell, primeiros jogadores da NBA infectados pelo coronavírus, estão recuperados. A franquia de ambos, o Utah Jazz confirmou a informação nesta sexta-feira (25). 

Além dos atletas que testaram positivo para o covid-19, todos os funcionários e jogadores do clube foram liberados pelo departamento médico depois de cumprirem 14 dias de quarenta devido ao contato com os jogadores infectados.

##RECOMENDA##

Rudy Gobert foi o primeiro caso de um atleta infectado da NBA e, antes de ter testado positivo, o pivô francês se envolveu em uma polêmica tocando em vários objetos da mesa da coletiva desmerecendo o covid-19. 

Depois de infectado o jogador se desculpou publicamente pelo ocorrido. Donovan foi o segundo dos 14 atletas que testaram positivo na liga. Ambos são destaques do Utah Jazz sendo os únicos representantes da franquia no jogo das estrelas 2020  que aconteceu em Chicago.

Professores, técnicos, estudantes, pesquisadores e diretórios acadêmicos da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) fizeram um requerimento ao reitor da instituição, professor Alfredo Gomes, para que a Universidade negocie, junto às empresas que lhe prestam serviço, a liberação de funcionários terceirizados que seguem realizando atividades que não são indispensáveis, como a limpeza de espaços que estão fechados. O objetivo é que os trabalhadores terceirizados, assim como os servidores concursados, possam permanecer em suas casas para prevenção do contágio pelo novo coronavírus (SARS-COV-2).

O documento também requer que as empresas com as quais a UFPE tem contratos de terceirização determinem a permanência dos funcionários em casa e lhes dê orientações sobre a prevenção à Covid-19. Além disso, o texto solicita “que seja ajustada a manutenção de salários e benefícios recebidos por tais trabalhadores, na íntegra” para evitar enriquecimento indevido das empresas contratadas, uma vez que a UFPE continuará pagando o mesmo valor estipulado nos contratos de prestação de serviços.

##RECOMENDA##

O fornecimento de máscaras, luvas, álcool gel e orientações sobre a lavagem das mãos adequada e frequentemente para os funcionários que permanecerem desempenhando atividades essenciais nas dependências do campus também está entre os pontos levantados pelo requerimento.

Um abaixo-assinado online e aberto ao público em geral, criado pela professora do curso de direito Liana Cirne, já reuniu mais de 1.250 assinaturas com o objetivo de pressionar o reitor a negociar a liberação dos funcionários junto às prestadoras de serviços. Atualmente, a UFPE mantém contratos com as empresas Preserve Liserve, Futura Portaria e Serviços, RPL - Engenharia e Serviços e com a CBL - Arquitetura e Engenharia.

O LeiaJá procurou a UFPE em busca de mais informações e de um posicionamento a respeito do requerimento feito pelos membros da comunidade acadêmica. Confira a nota da instituição:

A UFPE tem depositado esforços nas tratativas junto a empresas e contratos, mantendo diálogo com as prestadoras de serviço para medidas que visem a preservação da saúde e dos salários dos trabalhadores frente à situação de emergência sanitária, econômica e social do País. Desde o dia 16 de março, após a suspensão das atividades acadêmicas de forma conjunta pelo Consórcio PE Universitas, entre as primeiras medidas adotadas pela UFPE, encontra-se que gestores de contratos devem notificar as empresas quanto às recomendações adotadas pela Instituição, referenciando o quadro de risco aumentado e vulnerabilidades conforme recomendações das autoridades sanitárias. Questões como essa têm sido uma preocupação desde o início na expedição de comunicados junto às empresas prestadoras de serviço. A instituição está agindo nesse sentido.

LeiaJá também

--> UFPE suspende atividades presenciais e em EaD

-->  Aluno de casa universitária deve retornar para sua cidade

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando