Tópicos | redação

Ao menos quatro pessoas ficaram feridas em um ataque próximo à antiga redação do jornal satírico francês "Charlie Hebdo" nesta sexta-feira (25), informa a mídia local.

Segundo o jornalista Christophe Dansette, do "France 24", os agressores usavam facas. Ao menos duas pessoas estão sendo procuradas pelas autoridades pelo crime.

##RECOMENDA##

Duas das vítimas estão em estado grave, conforme a agência de notícias "AFP", e toda a área próxima ao prédio foi interditada pelos policiais.

Em 7 de janeiro de 2015, a sede do jornal foi alvo de um ataque terrorista cometido pelos irmãos Sherif e Said Kouachi e 12 pessoas foram assassinadas na ação, entre jornalistas, cartunistas e funcionários do prédio onde o "Charlie Hebdo" ficava. Esse foi o primeiro da série de atentados que ocorreriam no país a partir de então.

Em 2 de setembro deste ano, a Justiça francesa começou o julgamento do ataque e, como sua forma de protestar, o jornal voltou a publicar sátiras de Maomé - que irritaram os extremistas islâmicos. 

Da Ansa

Estão abertas as inscrições para a Seleção de Avaliador de Redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Para exercer a função, o candidato deve participar do curso de capacitação a distância, além de preencher os requisitos básicos e cumprir todas as etapas obrigatórias.

Os Interessados devem realizar as inscrições até o dia 5 de outubro, exclusivamente pela internet. Entre os critérios para participar da seleção de avaliadores, é necessário ser graduado em letras/língua portuguesa ou linguística (a comprovação por meio de diploma é obrigatória), possuir computador pessoal e smartphone (com configurações especificadas no regulamento), além de obter bom desempenho na capacitação a distância e não ser eliminado em qualquer uma das etapas do processo seletivo. O

##RECOMENDA##

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) é responsável por supervisionar a seleção dos profissionais. De acordo com o Inep, aproximadamente 6 mil avaliadores irão corrigir as redações do Enem 2020.

Ao todo, 5.783.357 participantes confirmaram inscrições nesta edição do Exame.  Além disso, não é permitida a participação de profissional que estiver inscrito no Enem 2020 (impresso ou digital) ou tiver cônjuge, pais, filhos, dependentes legais ou qualquer outro parente de primeiro grau como participante da prova – ainda que na condição de “treineiro”.

Também não poderá participar quem tiver apresentado qualquer conduta repreensível e/ou desempenho ruim como colaborador em edições anteriores do Enem. O curso de capacitação a distância para os candidatos será realizado de 24 de outubro a 23 de novembro. A capacitação presencial será entre os dias 6 e 7 de fevereiro de 2021.

O Inep alertou que a etapa presencial poderá ser feita on-line em razão da pandemia da Covid-19. Vale pontuar que a prova de redação do Enem avalia cinco competências: domínio da escrita formal; desenvolvimento do tema em estilo dissertativo-argumentativo; relacionar, organizar e interpretar informações e argumentos em defesa de uma opinião; conhecimento de mecanismos linguísticos para construir a argumentação; elaboração de proposta de intervenção para o problema proposto, com respeito aos direitos humanos.

A nota máxima prevista é 1000. Textos com até sete linhas ou que fogem ao tema estão entre os critérios para zerar a redação.

Biologia, atualidades, geografia e redação. Essas são as matérias abordadas no aulão do Vai Cair No Enem deste sábado (19), que traz assuntos relevantes para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio. O aulão faz parte do projeto Enem 360, que conta com o apoio da UNINASSAU - Centro Universitário Maurício de Nassau e do Gokursos. A transmissão é do LeiaJá e a apresentação fica por conta de Thayná Aguiar e Jéssica Nascimento. Assista:

[@#video#@]

##RECOMENDA##

Em biologia, quem comanda a aula são os professores André Luiz e Leandro Gomes. Já em atualidades, Benedito Serafim destaca, entre outros tópicos, a questão do sistema prisional brasileiro. Por fim, os candidatos contam com explicações gratuitas sobre redação, com o professor Diogo Xavier.

Os aulões do Vai Cair No Enem serão realizados até janeiro - mês da prova -, aos sábados, sempre a partir das 14h, por meio do YouTube do projeto. O calendário das lives são publicados semanalmente no nosso Instagram.

A professora de português e redação Vanilma Karla Barbosa criou uma rádio on-line para ajudar os estudantes da Escola de Referência em Ensino Médio (Erem) Don Vieira, localizada em Nazaré da Mata, com a disciplica na redação. O projeto “Foco no 1000” tem o objetivo de ampliar o repertório de informações e diversificar o ensino remoto da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Através do projeto, são ministradas aulas para revisão dos assuntos vistos em sala para que possam ser empregados como argumentação na prova de redação do Enem. Com isso, e devido a pandemia do novo coronavírus, foi criado a rádio on-line “Erem Don Vieira”.

##RECOMENDA##

“Então, de vários que pesquisei baixei o aplicativo Spreaker que proporciona de forma bem significativa não só a qualidade do áudio como também a interação dos alunos via chat. Com isso eu respondo a perguntas, tiro dúvidas, tudo ao vivo”, pontua a professora e idealizadora da rádio, Vanilma Karla Barbosa, segundo informações da assessoria de comunicação da Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco (SEE-PE).

Após os encontros on-line, os áudios são transformados em episódios de podcast. Desta forma, os estudantes podem consultar os conteúdos quantas vezes acharem necessário. São duas aulas de redação ministradas a cada 15 dias, seguindo o expediente escolar. Além das aulas de redação, ainda são realizadas entrevistas com outros docentes para promover debates acerca de assuntos como educação sexual.

De acordo com o SEE-PE, a rádio está com mais de 800 downloads por dia. “Com a rádio EREM Don Vieira não só os alunos da zona urbana puderam se beneficiar como também os da Zona rural. O melhor foi integrar as aulas de redação com outras disciplinas para que o alunos compreendessem que para um texto coeso é preciso uma união com outras áreas do conhecimento”, declara Vanilma.

Em parceria com o LeiaJá, o Vai Cair No Enem e o projeto Enem 360 realizam, neste sábado (22), mais um aulão focado no Exame Nacional do Ensino Médio. Participam da transmissão os professores Ricardo Rocha (matemática), Everaldo Chaves (história) e Felipe Rodrigues (redação). A apresentação fica por conta da produtora de conteúdo Thayná Aguiar e da influenciadora digital Jéssica Nascimento.

Confira:

##RECOMENDA##

Durante a live, os educadores abordam os temas razão e proporção, Primeira Guerra Mundial e questões ambientais. “De forma remota, nossos seguidores acompanham dicas importantes para a prova e podem tirar suas dúvidas, ao vivo, diretamente com os nossos professores. Além do YouTube, o aulão pode ser acompanhado pelo Instagram do Vai Cair No Enem”, destaca o editor do LeiaJá e do Vai Cair No Enem, Nathan Santos.

Até as provas do Exame, o projeto Enem 360 contará com aulões a distância e interativos, com as participações de professores renomados. As datas e os convidados serão divulgados semanalmente, no Instagram do Vai Cair No Enem. A série de aulões tem o apoio da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau.

A professora de redação Tatyanna Manhães está promovendo o curso on-line “Redação Nota 1000”, voltado para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As inscrições podem ser feitas até a próxima sexta-feira (14) pela internet e o curso custa R$ 197.

As aulas, que serão gravadas e ao vivo, começarão no dia 21 de agosto. O curso conta com um total de dez aulas, realizadas às segundas e sextas-feiras, às 19h30. E

##RECOMENDA##

Os inscritos terão, ainda, direito a um mês de correção de redação, acesso a um grupo exclusivo no Telegram, aula de comunicação não-violenta com a professora Lua Melo e os dez primeiros inscritos receberão uma consultoria bônus com Tatyanna Manhães, um mês antes do Enem. A última aula, também com Tatyanna, será para tirar dúvidas.

A Jornada da Aprovação está com inscrições abertas para estudantes que farão o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. A iniciativa pretende compartilhar dicas de redação para estudantes, que estão sendo prejudicados por conta da pandemia, por meio de uma série de lives gratuitas. Interessados podem realizar as candidaturas através do formulário on-line.

Os inscritos receberão um link que dará acesso às aulas. De acordo com o cronograma, o primeiro encontro será realizado no dia 31 de agosto, com o objetivo de tratar as cinco competências da redação; o segundo será no dia 2 de setembro com foco em estrutura textual; e o terceiro encontro está marcado para o dia 4 de setembro e trará dicas de como fazer alusão histórica. As aulas serão ministradas pelo professor de português Samuel Costa.

##RECOMENDA##

Além da jornada, os estudantes ainda poderão participar de um encontro extra que será realizado no Instagram do professor (@profsamuelcosta). A live abordará os elementos que não podem falta na redação do Enem. O Exame será aplicado na forma impressas nos dias 17 e 24 de janeiro de 2021 e na versão digital em 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021. Todos os encontros serão gravados e ficarão disponíveis até o dia 4 de setembro nas plataformas em que as aulas foram realizadas.

Quem está se preparando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 poderá conferir, a partir do dia 4 de agosto, uma semana de aulas gratuitas sobre redação com a professora Tatyanna Manhães. As inscrições podem ser feitas pelo endereço eletrônico da iniciativa.

As aulas serão ministradas virtualmente na plataforma digital das 18h30 às 19h10 e os estudantes cadastrados ainda receberão uma apostila para auxiliar no estudo. Segundo a professora, a semana de redação visa ensinar o método perfeito de escrita para os estudantes que irão fazer o texto do Enem. “O aluno aprenderá o método 'perfeita de escrita' para fazer a redação”, disse a educadora.

##RECOMENDA##

Em mais uma live do programa “Quando passar... Como será o mundo após a pandemia?”, produzido pelo LeiaJá, a professora de redação Fernanda Pessoa e os docentes André Luiz Vitorino, de biologia, Pedro Botelho, da disciplina de história, e Edu Coelho, de matemática, debateram a rotina dos professores e o que esperar das questões do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Quem já está se preparando para a prova, sobretudo neste período de isolamento social causado pela pandemia da Covid-19, sabe que produção textual tende a ter peso na pontuação final.

Para tirar uma boa nota, nada melhor do que receber umas dicas e ouvir dos professores suas sugestões sobre qual será o tema da redação no Enem. Na transmissão, ao ser questionada quais seriam suas apostas para o tema textual, Fernanda Pessoa revelou que se a banca seguir uma linha "hipócrita", poderá cair algo acerca do meio ambiente. "Eu brinco com um teor de verdade. Eu digo assim: 'se a gente continuar na linha temática hipócrita que a gente tem seguido, o tema vem meio ambiente'”, disse. Ela explica o porquê: “No ano passado, nós tínhamos cortado - governo federal - quase 50% de verba da Ancine, por exemplo... tirou o Ministério da Cultura, e, na cara de pau, o tema foi 'A democratização do acesso ao cinema no Brasil'. Por isso, se vier nessa pegada hipócrita, pode cair alguma coisa sobre meio ambiente que nunca caiu”.

##RECOMENDA##

Para Fernanda Pessoa, os estudantes já estão mais que na hora de discutir e escrever sobre temas relacionados ao século 21. “Eu acho que está na hora de discutir alguma coisa associada às novas formas de trabalho. Eu queria que eles (a banca da prova) discutissem esse trabalhado 4.0, economia colaborativa, economia sustentável, mas eu não sei se eles vão ser criativos para tanto”, declarou.

Ela ainda ressaltou alguns outros temas como “evasão escolar” e “gravidez na adolescência”. Confira como foi a live realizada em parceria com o projeto Vai Cair No Enem:

Nesta quarta-feira (17), professores de redação e história promovem um aulão virtual gratuito destinado a estudantes que se preparam para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, ainda sem data prevista para realização. O encontro será realizado on-line, através do Google Meet, às 19h.

No encontro virtual, o docente da disciplina de redação Caio Freitas, trará dicas de como estruturar os três poderes da Constituição Federal durante produção textual do Enem, sem deixar de atender as competências exigidas na prova. Já o professor de história Mardock abordará a história do Brasil, focando no período da República Velha. 

##RECOMENDA##

Como extensão dos aprendizados e uma forma de facilitar o acesso aos materiais complementares, os professores ainda disponibilizam auxílio aos vestibulandos por meio de um grupo no aplicativo WhatsApp

Vale lembrar que é necessário que o aluno baixe o aplicativo Google Meet para participar do aulão através do smartphone, por meio do link disponibilizado pelos docentes. Em caso do acesso ser pelo computador ou notebook, basta acessar o link e participar. Para mais informações basta entrar em contato através deste número (81) 98113-8038.

Há diferentes formas de adquirir conhecimentos de maneira mais descontraída. Uma delas é assistindo filmes, séries ou documentários que abordam assuntos que estimulam a reflexão para questões sociais como o racismo. Para isso, o LeiaJá entrou em contato com os  professores Hilton Rosas (história), Felipe Rodrigues (redação) e Cristiane Pantoja (história e sociologia). Os docentes indicam obras presentes na Netflix que abordam essa questão e comentam de que maneira o assunto pode ser cobrado nas disciplinas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). 

O professor de história, Hilton Rosas, indica o filme Moonlight: Sob a luz do luar (2016), que traz em seu enredo a história de um homem que além de sofrer com o racismo e a vulnerabilidade social, também sofre com o preconceito por ser gay. Rosas ainda aponta, em relação ao tema, o documentário A 13º emenda (2016), que reconstrói historicamente como os Estados Unidos trata o racismo por parte das autoridades e a explosão demográfica nas prisões estadunidenses.

##RECOMENDA##

Por fim, para ajudar os estudantes a buscarem mais conteúdo para o Enem por meio de filmes, o docente indica uma obra baseada em fatos reais Olhos que Condenam (2019). A minissérie mostra a história de jovens negros que foram acusados injustamente de estuprar uma mulher branca no Central Park e de como enfrentaram a tormenta até serem inocentados e o Estado de Nova York processado. 

"Esses três títulos constroem, em diferentes perspectivas, a prospecção do racismo, assunto que não é de hoje que é abordado, e que para muitos só se trata da escravidão que para os leigos é algo que já passou e com isso o racismo também é sepultado com a abolição dos escravos africanos nos inúmeros países americanos”, explica Hilton Rosas. Ele ainda acrescenta que “existem outras obras como 12 Anos de Escravidão e À Espera de um Milagre, que são clássicos ou comoventes como a meritocracia árdua para os de pele negra, tal como vista no Em Busca da Felicidade, com Will Smith. Porém, classifiquei os três que nos levam a uma compreensão mais ampla do que ocorre especificamente nos EUA como o recente levante por conta do assassinato de George Floyd.

Em relação ao filme 12 Anos de Escravidão (2013), a professora de história e sociologia Cristiane Pantoja diz que o assunto abordado na obra pode ser cobrado no Enem de diversas maneiras. “Pode ser cobrado analisando a sociedade hierárquica, o subjugo dos negros que são feitos de escravos, porque ser escravo é uma condição não é quem a pessoa é, soldada por um sistema escravocrata. Pode cair também sobre o tráfico negreiro, e um dos que eu mais acho importante: a ação do próprio negro em se revelar contra a supremacia branca, então trabalhar as lutas contra a escravidão, na visão deles mesmos. Esses pontos podem ser cobrados nas disciplinas de história e sociologia, analisada de uma condição social”, reforça Pantoja.

 A docente ainda menciona que pode ser cobrado no exame a ideia da mão açucareira ser diferente da mineração. "São obras de mão diferentes, e a questão da imposição da Inglaterra trabalhar a abolição das escravaturas, essas são especificamentes questões históricas”, acrescenta. “Um outro filme que indico para os feras é o Pantera Negra, que traz como protagonista empoderado, tanto o homem, quanto as mulheres, Você tem o rei, mas tem como chefe militar uma mulher, então, é um filme que aborda esse universo de empoderamento negro, e que pode ser cobrada a questão da força entre eles”, diz Pantoja.

Cristiane Pantoja também reforça um documentário importante. "Já em uma visão voltada para o documentário Panteras Negras: Vanguarda da Revolução, pode ser abordado no Enem de forma que menciona as permanências e rupturas da luta negra, que ela continua e é permanente, e que a conquista existe, mas ela acontece em passos lentos e com muitas mortes. Além de formas de combate ao racismo e, principalmente na disciplina de sociologia, racismo e violência, comparando com a violência policial de hoje em dia", finaliza. 

O assunto do racismo não se limita apenas nas disciplinas de história, filosofia e sociologia. Os feras precisam consumir o conteúdo e aplicar em diferentes contextos. Para isso, o professor de redação Felipe Rodrigues mencionou os filmes Corra (2017), O menino que descobriu o vento (2019) e a série Cara gente branca, e exemplificou como as abordagens presentes nas obras podem ser cobrados no Enem, confira:

Corra - “O filme traz o racismo de forma contextualizada, sabiamente, num viés de terror e suspense. É relatado a história de um fotógrafo negro, que se relaciona com uma mulher branca, é escarnecida ao aceitar o convite de um final de semana de apresentação, ilustre, na casa da família de sua namorada. Muitos tópicos são exaltados, desde a erotização do corpo deste protagonista até às funções dos únicos pretos pertences àquele lugar desconfortante, confuso e padronizado. O modo de acolhimento, trazendo a enorme metáfora de inserção numa sociedade racista também deve pontuado à análise crítica”, analisa Felipe.  

O menino que descobriu o vento - “Baseado em fatos reais, traduz e ressignifica o poder da superação e reinvenção da população negra. O protagonista, que sofre os entraves financeiros decorrentes da realidade social a qual vive, é negligenciado até na escola, mas consegue se sobressair à realidade auferida. Emocionante, exemplar. A fome é um dos elementos centrais da narrativa, para além das condições de sobrevivência, um recorte claro que essa população estratificada sofre, em contextos distintos, mas cotidianos”, comenta.

Cara gente branca - “A série, baseada em um filme, conta a história de Sam White e outros jovens, numa universidade paulatinamente branca dos EUA. São diversos temas raciais, caracterizados, cujos são expostos em sequência, a cada episódio. Racismo reverso, solidão, feminismo negro, colorismo, “blackface”, inclusive a realidade que os negros não são os únicos grupos a sofrerem racismo. A importância de ocupar espaços de fala, trabalho e dentre outros é notada, numa narrativa leve e dinâmica”, relata o professor de português. 

Felipe Rodrigues diz que “na disciplina de redação, quando falado em Enem, as temáticas de racismo e intolerância religiosa, uma das ramificações, já foram propostas do Exame. Entretanto, não se deve haver um distanciamento da pauta, ora enraizada em inúmeros temas redacionais”.

Assim, o docente listou temas de redação propícios para abordar o assunto. Confira:

-->  Violência urbana e sistema carcerário;

--> Sistema de cotas raciais;

--> Estratificação social;

--> Saúde mental;

-->  Taxas de mortalidade;

-->  Politização das minorias sociais;

--> Ativismo e juventude;

--> Alteridades e o exercício da empatia.

Veja, abaixo, os trailers das obras:

A 13ª Emenda

12 Anos de Escravidão

Moonlight: Sob a Luz do Luar

Olhos que Condendam

Pantera Negra

Panteras Negras: Vanguardas da Revolução

O Menino que Descobriu o Vento

Corra!

Cara Gente Branca

À Espera de um Milagre

Professores de história e redação promovem, nesta quarta-feira (10), um aulão gratuito abordando a origem, causa e efeito do racismo na sociedade, em uma iniciativa para facilitar a preparação de estudantes para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O encontro interdisciplinar será realizado on-line, através do Google Meet, às 19h.

Dando seguimento a uma série de aulas virtuais, desde o começo do isolamento social em razão da pandemia do coronavírus, o professor de história Mardock, e o professor de redação Caio Freitas, trarão os conteúdos on-line e gratuitos com o tema ‘Racismo: origens, causas e efeitos’. Além do contexto histórico, os estudantes ainda poderão aprender como abordar o assunto em redações, atendendo às competências do Enem. 

##RECOMENDA##

É necessário que o aluno baixe o aplicativo Google Meet para participar do aulão através do smartphone, por meio do link disponibilizado pelos docentes. Em caso do acesso ser pelo computador ou notebook, basta acessar o link e participar. Os professores ainda disponibilizam auxílio em atividades aos estudantes por meio de um grupo no aplicativo WhatsApp. Mais informações através do número (81) 98113-8038.

Dois reeducandos pernambucanos venceram o 5º concurso de redação promovido pela Defensoria Pública da União, na categoria Educação de Jovens e Adultos (EJA). A competição teve como tema "Defender Direitos, Evitar Desastres: Como o Acesso à Justiça Contribui para o Desenvolvimento Sustentável". 

Ruan Rodrigo Pereira e Izorildo Francisco dos Santos, primeiro e segundo colocados, cumprem pena na Penitenciária Agroindustrial São João (PAISJ), em Itamaracá, na Região Metropolitana do Recife (RMR), e são alunos da Escola Juiz Antonio Luiz Lins de Barros, localizada na penitenciária. No concurso, eles concorreram com estudantes de escolas da rede municipal, estadual e federal. 

##RECOMENDA##

Ruan Rodrigo Pereira tem 27 anos e está na fase 4B do EJA, equivalente ao último ano do ensino fundamental. A gestora da escola, Caroline Paiva, o definiu como um aluno excelente. “Muito inteligente, sempre gostou de ler, tocar violão e cantar", disse ela. Segundo o próprio Ruan, que receberá um tablet como prêmio por vencer o concurso, “só a educação me deu visibilidade pra que eu pudesse conseguir um emprego". 

Izorildo Francisco dos Santos, de 62 anos, é o segundo colocado e está na fase 4A da Educação de Jovens e Adultos, que também equivale ao final do ensino fundamental. Segundo a gestora da escola, ele é “muito esforçado, participava das aulas e não faltava”. O reeducando receberá como prêmio pela sua colocação no concurso uma câmera fotográfica.

“A educação e o trabalho são os grandes aliados da ressocialização. Esse resultado é fruto do trabalho intenso que vem sendo desenvolvido pela Secretaria Estadual de Educação no sistema prisional”, garante o secretário de Justiça e Direitos Humanos de Pernambuco, Pedro Eurico. A entrega dos prêmios será na próxima quinta-feira (11).

LeiaJá também

--> Detentos do Sertão de PE fabricam mais de 28 mil máscaras

--> Presos trabalham em cemitério após aumento de demanda

“A prática textual é fundamental para a evolução da escrita.” A fala da professora de língua portuguesa Josicleide Guilhermino resume bem o que muitos estudantes que estão fazendo, neste momento, para se sair bem na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Quem sonha ingressar em uma instituição de ensino superior no próximo ano sabe que produção textual tende a ter peso maior na pontuação final.

O LeiaJá, em parceria com o projeto Vai Cair No Enem (@vaicairnoenem), reuniu os professores de linguagens e redação Diogo Xavier, Fernanda Bérgamo, Josicleide Guilhermino e Tatyanna Manhães para indicar temas de redação sobre assuntos relacionados à pandemia do novo coronavírus, que podem ser praticados pelos estudantes. Josicleide Guilhermino fala da importância dos vestibulandos praticarem diversas temáticas. “A prática textual é fundamental para a evolução da escrita em todas as competências cobradas, independente do tema”, frisa Josicleide.

##RECOMENDA##

A professora ainda alerta que, os temas de redação que abordam assuntos sobre a pandemia, podem ajudar os estudantes. “O Exame é pautado também na atualidade, então possivelmente a prática de temas relacionados à pandemia dará aos estudantes bagagem para as questões”, conclui.

A docente listou cinco temas de redação sobre a temática que podem ser praticados; confira: 

--> Impactos da epidemia na Saúde Pública brasileira.

--> Caminhos para combater avanços da Covid-19.

--> Consequências da epidemia na economia brasileira.

--> Desafios da pandemia no sistema educacional.

--> Mente sã, corpo são: saúde mental em tempos de pandemia 

Diogo Xavier informou, em entrevista ao LeiaJá, que são pequenas as chances de caírem na prova assuntos em evidência, mas o educador salienta que praticar temas de redação sobre a pandemia ajudará a ampliar o repertório sociocultural do estudante. “O tema pode dar margem a citar a pandemia ou tópicos afins como referência. Quanto mais amplo for o repertório social, há mais chance de conseguir desenvolver bem o texto”, diz.

Xavier também listou temas de redação ligados à pandemia que podem ajudar os estudantes a obter um maior repertório na hora da prova:

--> Pandemia e os desafios para manter um sistema público de saúde no Brasil

--> Empatia e solidariedade em tempos de calamidade

--> O Brasil da pandemia: o crescente descrédito na ciência e suas implicações

--> Covid-19 e os riscos das Fake News à saúde da população 

--> Educação e isolamento social: desafios para garantir educação para todos durante a pandemia

O professor Diogo Xavier produziu uma redação para exemplificar com a temática "Os desafios para manter um sistema de saúde público no Brasil":

A atual Constituição brasileira, promulgada em 5 de outubro de 1988, foi a primeira a instituir legalmente no país a saúde como um direito universal e gratuito, cabendo ao Estado proporcioná-lo a seus cidadãos. Assim surgiu o Sistema Único de Saúde (SUS), a fim de garantir à população assistência médica. Hoje, entretanto, mesmo passadas mais de 3 décadas e diante de uma situação de pandemia, esse sistema ainda apresenta entraves no cumprimento de tais garantias. Urge, dessa forma, analisar os desafios para manter um sistema público de saúde no Brasil, em especial no que diz respeito à falta de investimentos.

A princípio, convém ressaltar a relevância de se proporcionar um sistema universal de saúde no país. Séries norte-americanas, como “Grey’s Anatomy”, mostram hospitais modernos nos Estados Unidos, os quais dispõem de grandes estruturas, equipamentos de ponta e os mais brilhantes profissionais, prontos para desvendar os mistérios da medicina. Lá, entretanto, a população não possui saúde pública. Os que optam por não obter um seguro-saúde correm o risco de contrair dívidas vultosas. No Brasil, por outro lado, o SUS possibilita a milhões de famílias acesso a consultas eletivas, cirurgias e atendimentos de emergência, por exemplo. Ficou ainda mais evidente a importância desse sistema diante da pandemia da doença respiratória Covid-19, no ano de 2020, pois, nos primeiros casos confirmados, clínicas particulares tiveram que transferir pacientes para instituições públicas, que estavam mais preparadas para lidar com a patologia.

Há, contudo, problemas para a garantia de atendimento de qualidade e para todos, em parte, pelo investimento governamental, que é insuficiente. Prova disso é que, segundo a OMS, o indicado é que pelo menos 6% do Produto Interno Bruto (PIB) seja direcionado à saúde, mas o Brasil destina apenas 4%, fato agravado pelo congelamento dos investimentos públicos, determinado em uma emenda constitucional aprovada em 2016. Em adição, a aplicação das verbas carece de fiscalização e de participação popular nas decisões, o que ainda possibilita desvios e outras irregularidades. Como resultado, é de conhecimento geral que hospitais sucateados e sem materiais, dificuldade de marcação de consultas e profissionais desvalorizados fazem parte da realidade do sistema público. Ademais, o surto do novo coronavírus denuncia, ainda, a quantidade insuficiente de leitos e de equipamentos de proteção individual (EPI), como luvas e máscaras, fato frequentemente noticiado nos telejornais.

Percebe-se, portanto, que a saúde pública é essencial e precisa de medidas para ter sua eficiência garantida. Diante disso, urge que o Poder Legislativo, por meio da elaboração e aprovação de uma proposta de emenda à lei, determine o direcionamento de 6% do PIB para o SUS, a fim de suprir de mais recursos o sistema. Em caráter de urgência no combate à pandemia, é necessário, também, que o Senado aprove um dos projetos de taxação de grandes fortunas, a fim de garantir equipamentos e estrutura para os casos de infectados que apresentem complicações, sem comprometer outros atendimentos emergenciais. Em adição, cabe ao Ministério da Saúde instituir, na esfera federal e em cada estado, conselhos compostos por representantes da sociedade civil, do governo e dos profissionais de saúde, a fim de fiscalizar os gastos e decidir melhores direcionamentos de investimentos, levando a uma melhor garantia do direito à saúde que rege nossa Constituição Cidadã.

Rumo à nota mil

Com o intuito de ajudar ainda mais os estudantes que estão se preparando para o Enem em casa, as professoras Fernanda Bérgamo e Tatyanna Manhães deram algumas dicas em prol da pontuação máxima na redação. “Para se destacar, o estudante precisa produzir pelo menos uma redação por semana, dominar o gênero dissertativo argumentativo e entender como o corretor vai avaliar as redações com base nas cinco competências. Além disso, é bom se manter bastante atualizado já que o tema da redação é normalmente retirado da realidade atual, fora que vai ajudar muito ter um repertório de informações sobre os diversos acontecimentos”, diz a professora Fernanda Bérgamo.

Tatyanna Manhães ressalta que um bom tópico-frasal é um grande diferencial. “Conhecendo a estrutura básica da redação, o aluno deve partir para o entendimento das partes da redação (introdução, desenvolvimento e conclusão), principalmente, os parágrafos de desenvolvimento. Para o modelo dissertativo-argumentativo, o estudantes deve saber fazer um bom tópico-frasal”, pontua.

Para exemplificar, Tatyanna produziu duas redações sobre assuntos ligados à pandemia do novo coronavírus; confira:

1 - Os desafios da educação ead na pandemia

O desenho "Os Jetsons" , muito admirado pelos atuais"balzaquianos" e considerado protótipo de vida ideal ,representa um cenário imposto ao momento de pandemia. O resultado e a satisfação, entretanto, não foram os esperados. Dentre essas adaptações "a la Jetson" a que fomos obrigados e não apresentou grande sucesso destaca-se a Educação à Distância- EAD. O ensino a distância, repentinamente, deixou de ser um sonho e passou a ser um pesadelo sem limites.

Professores sem treinamento adequado expuseram-se a esse desafio sem qualquer outra escolha. Não há no ensino carreira docente (a Licenciatura) registro como matéria obrigatória na imensa maioria das grades horária. Isso significa que o professor, grande parte das vezes, não recebe qualquer treinamento para esse tipo de aula.

Por outro lado, há as diferentes situações dos alunos (etárias, sócio-econômicas etc) unidas por um denominador comum: falta de adaptação ao estudo EAD. Muitas escolas (a imensa maioria) não tinha sequer uma matéria nesse modelo. Assim, a aprendizagem tornou-se um desafio. O aluno mal consegue depreender o básico da aula quiçá ter na aprendizagem um ato revolucionário - como idealizava Paulo Freire.

Visto que a melhoria faz-se necessária, insurgem diversas necessidades.  Torna-se mister que o Ministério da Educação trabalhe alterações tanto na grade curricular da Licenciatura quanto na dos colégios (dentro do possível).

Para isso, deve alterar a Base Comum Curricular de forma a inserir a EAD . Mesmo que para todos as realidades esse formato seja um meio acessível, propor matérias teóricas que tratem do assunto para a garantia de que as próximas gerações lidarão melhor com o EAD. O MEC também deve propor cursos para preparar professores - entretanto, isso cabe também às escolas como iniciativas isoladas. Docentes conhecedores dos sistemas básicos usados para o ensino virtual propiciarão melhores aulas.

2 - Isolamento social em tempos de pandemia

"O homem é um ser social". Tal assertiva fala  do filósofo Rousseau pode ser notada empiricamente. regimento de diversas formas de interação pessoal ou virtualmente. Negou-se ao homem o direito à sociabilidade pela necessidade de distanciamento social imposta pela pandemia da Covid-19. Furtá-lo dessa socialização tornou-se um desafio necessário que implicou consequências tanto positivas quanto negativas.

De maneira positiva, pôde-se notar, por meio do isolamento social, a capacidade de adaptação humana. Mesmo que muitos desafios tenham aparecido, o indivíduo soube adaptar a suas necessidades ( estudos, malhação, entretenimento ) à vida isolada. Pode-se aqui ressaltar Rousseau que aborda a influência do meio - a mudança no meio gerou também um novo homem.

Por outro lado, temos dados bastante difíceis que se referem ao psicológico humano. Dados de universidades afirmam que os atendimentos aumentaram em 20% nessa área. O isolamento implicou aguçamento de questões individuais trazendo-nos à lembrança o que Tom Jobim ressalta em "Wave": é impossível ser feliz sozinho.

Embora saibamos que o isolamento social devido à pandemia tenha sido algo pontual, alguns alertas apareceram e precisam ser combatidos. Primeiramente, ressaltar a necessidade de que o Ministério da Saúde inclua atendimento psicológicos em toda a rede do SUS garantindo que a pauta da saúde mental será garantida na esfera governamental. Os conselhos de psicologia devem repensar os modelos de atendimento à distância visando a inclusão de mais indivíduos na modalidade à distância (atualmente, só é permitido por vídeo). A preocupação deve ser de todos.

A partir das 19h desta quarta-feira (03), será realizado um encontro virtual. A transmissão, conduzida pelo professor Caio Freitas (redação) e Eduardo Barsi (coah education e manager), trará dicas para redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e cronograma de estudos.

[@#galeria#@]

##RECOMENDA##

A transmissão será através da plataforma Google Meet. Importante pontuar que as aulas serão realizadas todas as segundas e quarta-feiras, enquanto durar o período de isolamento social, em decorrência da Covid-19. Além disso, foi criado um grupo de estudos no WhatsApp para os estudantes que estão acompanhando a transmissão dos aulões. 

“No encontro irei falar um pouco sobre planos e técnicas de estudos, e educação continuada, não só para esse período de quarentena, mas para o futuro profissional no geral”, comenta Eduardo Barsi. Para mais informações, entre em contato com o telefone (81) 8113-8038.

A Escola Makiguti, localizada na região leste da cidade de São Paulo, abriu vestibular online para a formação de 540 profissionais em seis cursos de auxiliares e técnicos na área da saúde. Entre as especialidades estão os segmentos de análises clínicas, cuidados com idosos, farmácia, gerência em saúde, saúde bucal e hemoterapia.

As inscrições podem ser realizadas até o próximo dia 25 de junho no site da Vunesp e custam R$ 22. Para participar, candidatos devem comprovar conclusão ou apresentar documento  que ateste a matrícula no último ano do ensino médio.

##RECOMENDA##

O vestibular online será composto por uma redação que tem como tema “A importância do profissional técnico na saúde pública”. O texto deve ser construído entre 20 a 30 linhas e escrito com caneta de tinta preta. Serão levados em consideração critérios como a abordagem adotada na escrita, estrutura do conteúdo, expressão textual e coesão da dissertação. Como desempate, a escola prioriza alunos da rede pública com 15 pontos adicionais. Os estudantes que foram matriculados em escolas públicas localizadas na Cidade Tiradentes, bairro da Makiguti, recebem outros 15 pontos de vantagem.

A entrega deve ser feita até às 23h59 do dia 26 de junho pelo mesmo site da inscrição, na Área do Candidato. Quem preferir encaminhar pelo correio, deve enviar a carta formato Aviso de Recebimento (A.R.) com antecedência para não perder o prazo limite. O resultado do exame será publicado no dia 16 de julho.

A seleção será realizada à distância para seguir os protocolos de saúde recomendado pela administração pública municipal.

Responsável pela formação de mais de 11,7 mil profissionais da saúde, a Escola Makiguti é referência do segmento em todo o Estado de São Paulo desde o ano de 2005.

Serviço 

Vestibular online Escola Makiguti

Inscrições: até 25 de junho de 2020 no site https://www.vunesp.com.br/FPET2001

Valor: R$ 22

Devolução da redação: até 23h59 do dia 26 de junho na "Área do Candidato" do site ou por correspondência A.R. pelo endereço da Vunesp

Fundação Vunesp: Rua Germaine Burchard, 515 – São Paulo – SP - CEP: 05002-062

Entre os dias 25 a 29 de maio, às 18h, a professora de redação Tatyanna Manhães realizará, em seu perfil no Instagram, a "Jornada rumo à Redação Nota 1000". Os interessados em participar do evento devem fazer a inscrição, gratuitamente, até a próxima segunda-feira (25), por meio da internet.

A Jornada, que será realizada no perfil do Instagram @perfeitaescrita, abordará um tema diferente a cada dia. Segundo a professora, as dúvidas dos alunos, assim como todo material que ela usará e as lives, serão disponibilizadas em seu canal no Telegram, com previsão de ficarem disponíveis no aplicativo até 4 de junho. Para acessar o canal no Telegram, é preciso realizar a inscrição no curso.

##RECOMENDA##

LeiaJá também

--> Prouni: entrega de documentos termina nesta quinta (21)

No período de 25 a 29 deste mês, a professora de redação Jocicleide Guilhermino promove minicurso gratuito de redação. Para realizar as inscrições, os interessados devem entrar em contato através do e-mail josicorrige@gmail.com, manifestando interesse. O limite de participantes é de até 100 estudantes.

Ao todo, são cinco aulas com um passo a passo prático para a produção de um bom texto dissertativo argumentativo. Na primeira aula, os estudantes aprenderão as características do texto dissertativo-argumentativo. Na segunda, que terá foco no tema da redação, os estudantes aprenderão sobre a identificação de palavras-chave.

##RECOMENDA##

Já na terceira aula, que será sobre introdução e tese, os alunos verão como desenvolvê-las. O desenvolvimento é tema da quarta aula, em que os candidatos aprenderão a retomada da tese e o aprofundamento nela. Por último, a quinta aula abordará a conclusão e como elaborar uma proposta de intervenção.

De acordo com a docente, cada aula pressupõe a construção de uma parte do texto. “Na última aula, os estudantes estarão com um texto pronto, dentro dos parâmetros estabelecidos pelo Enem e devem enviar o texto para ser corrigido por mim”, afirma Josicleide. A transmissão será através do Youtube. Horátio, além de material e links referentes ao aprendizado serão enviados por e-mail assim que as inscrições forem realizadas.

Mesmo sob os efeitos da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, estudantes de todo o Brasil precisam manter ativos seus cronogramas de preparação. Nesse sentido, a professora de redação Tereza Albuquerque, ciente de que o crítico momento exige ações solidárias também na educação, criou um curso gratuito, batizado de “Filosofia, Sociologia e História da Arte aplicada à redação”.

A qualificação é direcionada a vestibulares e ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Fichas de conteúdo, questões elaboradas com características de cursos presenciais, simulados e aulas via YouTube integram a programação do preparatório, que será oferecido no formato EAD.

##RECOMENDA##

Divulgação/Tereza Albuquerque

De acordo com a professora Tereza Albuquerque, a aula inaugural será realizada no dia 6 de junho, abordando o assunto “#CidadãoGlobal2020”. O curso ainda prevê monitorias interativas, bem como Tereza abordará 30 sugestões de temas para a redação do Enem 2020.

Para informações sobre o processo de inscrições gratuitas, os candidatos podem entrar em contato com o perfil no Instagram @espacoterezaalbuquerque. No mesmo endereço é possível obter mais detalhes acerca da programação do curso.

Com a suspensão de aulas, em decorrência da pandemia do coronavírus, o Portal Nacional da Educação (PNE) criou o Plano Nacional de Contingência com o objetivo preparar os vestibulandos para redações do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020. Professores interessados em participar do projeto podem realizar inscrições através do formulário na internet.

Em entrevista ao LeiaJá, a professora Milena Marães explica que é uma iniciativa desafiadora e dinâmica das salas virtuais são diferentes. Ela ainda relata que mesmo com quase 200 alunos por sala virtual, os estudantes interagem com perguntas pertinentes e relata que por meio da internet estabelece vínculos afetivos que facilitam na comunicação com os estudantes.

##RECOMENDA##

“Estou criando um laço afetivo enorme! Esse projeto está sendo um ‘up’ na minha carreira, mostrando-me e ratificando-me que escolhi a profissão certa. Estou ajudando vários alunos do Brasil, por meio desse projeto, na verdade, estou ajudando a educação brasileira”, afirmou a professora.

Turmas virtuais

Para as aulas, os professores são distribuídos entre 6 equipes com 10 profissionais ministrando as aulas. A professora também explica que inicialmente o foco dos encontros é fazer orientações para prepará-los para a redação do Enem, utilizando modelos de redações nota mil e compartilhando dicas para melhorar o desempenho durante a prova.

O projeto criado em 30 de abril, conta com vários professores voluntários, segue com inscrições abertas para captar mais professores, que é oferecido de forma gratuita aos vestibulandos. Com início de aulas nesta sexta-feira  (8) a professora Milena relata que o retorno tem sido positivo.

LeiaJá também

---> Erra palavras na redação? Saiba como preservar o português

---> Sisu e ProUni: MEC confirma segundas edições

 

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando