Tópicos | Vai cair no Enem

O programa Vai Cair No Enem, produzido em parceria com o LeiaJá, reúne aulas exclusivas para os candidatos do Exame Nacional do Ensino. Nesta semana, biologia é a disciplina abordada.

Os professores André Luiz e André Maia mostram, em uma aula dinâmica, como a prova pode cobrar assuntos relacionados a répteis. Os feras também podem acompanhar o Instagram @vaicairnoenem, onde há notícias, questões, desafios, dicas rápidas e muitos outros conteúdos. Confira, a seguir, o programa desta semana:

##RECOMENDA##

LeiaJá também

--> Veja outros conteúdos do Vai Cair No Enem

 

 

 

A redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é o grande peso que pode definir a aprovação do candidato e, consequentemente, a entrada no ensino superior. Entre um dos grandes desafios de escrever um texto que contemple as diversas exigências da organizadora do Enem, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), está a escrita de uma boa conclusão.

O edital do Enem indica que o candidato deve abranger, em seu texto, cinco competências. São elas: demonstrar domínio na modalidade formal de escrita da Língua Portuguesa; compreender a proposta da redação e aplicar os conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa; selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista; demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação; e elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.

##RECOMENDA##

Porém, a proposta de intervenção e última etapa do texto pode ser um desafio, já que exige do estudante poder de síntese. Para ajudar quem busca entender como fazer uma boa conclusão, a reportagem do LeiaJá entrevistou os professores de redação Eduardo Pereira e Felipe Rodrigues e listou os sete passos essenciais para a construção de um bom desfecho do texto, garantidor de nota mil. Confira abaixo.

1)  Focar na estrutura dissertativa-argumentativa

É importante que o estudante tenha em mente o tipo de texto cobrado pelo Exame Nacional do Ensino Médio. “Essa estrutura é a obrigação de fazer um fechamento textual, assim como reiterar os elementos do texto e chegar numa proposta de fechamento”, explica Felipe Rodrigues. 

2) Criar uma proposta de intervenção

“A criação de uma proposta de intervenção é, basicamente, o estudante explicar quem é que faz, o que é feito, como fazer e para quem vai ser feito”, explica Rodrigues. Já o professor Eduardo Pereira salienta que é necessário o estudante saber bem a ação a ser realizada para atenuar o problema imposto no desenvolvimento. “A depender da ação, os agentes vão variar. Por exemplo, se é uma ação que envolve transporte público, vai dizer respeito às prefeituras municipais, mas se porventura envolver BRs [rodovias federais], aí já entra Ministério dos Transportes e Governo Federal. Aí é importante que o aluno entenda as três esferas: federal, estadual e municipal e como o Estado atua em cada uma delas. O Estado é apenas um dos agentes possíveis, não é o único”, diz.

3) Retomar a tese na conclusão

Para uma boa conclusão, segundo o professor Felipe Rodrigues, é essencial que o estudante retome a tese. A dica, inclusive, faz parte das competências exigidas pelo Inep no edital do Enem. “O aluno vai voltar falando dessas teses, que geralmente são duas, e aí ele vai na conclusão dizendo que todas as teses são realistas, são verdades. Só tem que ter cuidado porque essa tese não pode ser óbvia”, aconselha o docente.

4) Interligar a proposta de conclusão às duas teses

A proposta de conclusão deve concatenar as duas teses. “Essas teses têm que ser resolutas, mas não precisam ser resolvidas por completo. Entretanto, as propostas, pelo menos iniciais, têm que ser verdadeiras, acontecer. Que a criação da proposta obrigatória aconteça de verdade”, aconselha o professor Rodrigues. Já o docente Eduardo Pereira também aconselha a firmeza nos argumentos conclusivos. “A proposta deve ser factível. Se for uma proposta de sonho, utópica, não vai funcionar”, garante.

5) Fechamento textual

Felipe Rodrigues aconselha que a conclusão tenha uma espécie de “arremate” final e marque o desfecho do texto. Essa finalização pode ser, segundo o docente, com um filósofo e uma frase marcante. “Esse fechamento, por exemplo, pode ser dado com a alusão a um filósofo ou uma rápida paráfrase de um livro para dizer assim: ‘olha, acabou aqui, eu ‘tô’ filosofando e o texto finalizou’. Esse fechamento é super importante porque tem gente que  só joga a proposta de intervenção na conclusão e esquece do tipo dissertativo-argumentativo, que exige essa finalização.

 6) Leitura e criatividade

Dois pontos essenciais para a construção de um bom texto para o professor Felipe Rodrigues são a prática da leitura e a estimulação da criatividade. “Acho que ser criativo é essencial”, arremata. 

LeiaJá também

--> Vídeo: matemática para o Enem pode ser fácil, sim

--> Enem: atenção ao enunciado é essencial, dizem professores

--> Língua estrangeira no Enem: como funciona e o que cai?

Para muitos estudantes, sobretudo aqueles que buscam profissões na área das ciências humanas, a matemática é um desafio. Sendo conhecida como uma disciplina "indecifrável" no imaginário popular, a matéria pode se tornar de fácil entendimento, se for ensinada do jeito certo. Nesta terça-feira (20), o programa especial do Vai Cair no Enem vai ao ar mostrando como a matemática pode se tornar uma disciplina fácil para o Exame Nacional do Ensino Médio. 

O professor convidado é Ricardo Rocha, que relaciona as fórmulas e conteúdos matemáticos com o dia a dia dos estudantes. A apresentação do programa fica por conta da influenciadora digital Thaliane Pereira. O Vai Cair No Enem é produzido em parceria com o LeiaJá e conta com o patrocínio da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau. Confira, a seguir, o programa especial desta semana:

##RECOMENDA##

O Vai Cair no Enem irá promover, no próximo sábado (24), um aulão gratuito com conteúdos para o Exame Nacional do Ensino Médio. O encontro será realizado no auditório da UNINASSAU Olinda, localizado no Shopping Patteo. As inscrições para o evento podem ser realizadas gratuitamente pela internet.

O primeiro aulão contará com a participação dos professores José Carlos Mardock, de história, Francisco Coutinho, de química, Eduardo Pereira, de redação, e João Pedro Holanda, responsável pelas disciplinas de filosofia e sociologia. O evento será realizado das 8h às 12h e será a chance dos vestibulandos de conferirem importantes conteúdos para o Enem de forma gratuita.

##RECOMENDA##

Em filosofia e sociologia, João Pedro Holanda irá abordar ética e moral, assuntos de grande importância. Já o professor José Carlos Mardock contextualizará fatos históricos, como nazismo e a crise da democracia liberal, a partir de propagandas veiculadas no Brasil e no mundo. Em redação, Eduardo Pereira irá topificar sua aula com os pontos de proposição, planejamento, parágrafo e palavra. Já Francisco Coutinho tratará das metodologias para a reta final do Exame, bem como de assuntos de grande incidência na prova, como reação de combustão e química orgânica. 

O público presencial e os seguidores poderão acompanhar as transmissões pelas redes sociais e terão acesso aos materiais didáticos das aulas, como slides e fichas para estudo, que serão disponibilizados para download, no site do Vai Cair no Enem.

As apresentações de lives e programas ficarão a cargo da influenciadora digital Thaliane Pereira. A influencer já estreou nas telas do Vai Cair no Enem, comandando dois de uma série de programas publicados pela plataforma. O primeiro trouxe como a internet influencia a vida das pessoas, enquanto o segundo promoveu uma relação da física com o movimento cultural do passinho

Com mais de 400 mil seguidores, o Vai Cair no Enem conta com a contribuição de diversos professores de todo o Brasil, que, de forma interativa, oferecem aulas exclusivas, dicas curtas, questões, desafios, textos explicativos, entre outras informações. 

Time de peso

Uma série de professores farão parte dos aulões promovidos pelo Vai Cair no Enem. Tereza Albuquerque (redação), Cristiane Pantoja (filosofia), Josicleide Guilhermino (redação), Andre Luiz (biologia), Diogo Xavier (Linguagens e redação), Felipe Rodrigues (literatura e redação), Sandro Curió (matemática), Everaldo Chaves (história), Valter Júnior (química), Ricardo Rocha (matemática), Berg Figueiredo (química), Dionísio Sá (matemática), José Carlos Mardock (história), Francisco Coutinho (química) e Eduardo Pereira (redação) são alguns dos professores que estarão nos aulões. Divulgaremos em breve onde cada docente conduzirá sua aula.

Apoio 

O Vai Cair No Enem conta com o patrocínio da UNINASSAU, além do apoio da UNIVERITAS e da UNAMA, instituições de ensino mantidas pelo grupo Ser Educacional. Confira dicas exclusivas no nosso Instagram, YouTube e no site vaicairnoenem.com.

Confira baixo as datas de realização dos aulões do Vai Cair no Enem:

24/08: UNINASSAU Olinda (Shopping Patteo) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

14/09: UNAMA Belém (Alcindo Cacela) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

21/09: UNINASSAU Fortaleza (Dorotéias) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

28/09: UNINASSAU Salvador (Pituba) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

05/10 - UNIVERITAS Rio de Janeiro - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

26/10 - UNINASSAU Recife (Graças, bloco B) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita 

O Ministério da Educação (MEC) divulgou, nesta sexta-feira (16), a adesão de quatro novas instituições de ensino superior de Portugal ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O convênio foi formalizado a partir da assinatura de um acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para a seleção de estudantes brasileiros nos cursos de graduação a partir da nota do Enem.

O Enem Portugal tem a partir de agora 41 universidades participando do programa de acordos interinstitucionais. As novidades são o Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE), a Universidade Autônoma de Lisboa (UAL) e o Instituto Politécnico da Lusofonia (Ipluso), com sede em Lisboa; e a Escola Superior de Saúde Norte da Cruz Vermelha Portuguesa, localizada na cidade de Oliveira de Azeméis.

##RECOMENDA##

De acordo com o Inep, a responsabilidade de definição de regras, como pesos e critérios para classificação, é das universidades parceiras. Elas passam a ter acesso aos resultados dos estudantes que têm interesse nas vagas disponíveis em seus cursos. O presidente do órgão, Alexandre Lopes, disse durante a coletiva de imprensa que a adesão de universidades estrangeiras mostra a credibilidade que o Enem tem. "O Enem é um programa de sucesso. Isso é demonstrado na aceitação da prova ao longo dos últimos anos. Por isso, temos tranquilidade na realização do Exame em 2019 e em realizar a aproximação com universidades estrangeiras, especialmente em Portugal”, disse Lopes.

Já para o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, a ampliação do programa é uma das medidas para tornar o Exame um sistema moderno e intercambiável, juntamente com o Enem Digital. “O objetivo é inserir o Brasil no contexto mundial, do mundo desenvolvido, científico e democrático”, afirmou.

As universidades estrangeiras parceiras do Inep têm, desde 2016, a possibilidade de fazer toda a tramitação da seleção de maneira remota e ficam submetidas a fazerem a comunicação oficial com estudantes aprovados no processo seletivo. Os convênios não envolvem transferência de recursos e não preveem financiamento estudantil pelo governo do Brasil. A revalidação dos diplomas e o exercício profissional dos graduados no exterior estão sujeitos à legislação brasileira. Todo processo é conduzido pela Assessoria Internacional e pela Diretoria de Avaliação da Educação Básica do Inep.

Confira um histórico sobre o programa disponibilizado pelo Inep:

O Enem Portugal, como é chamado o programa de acordos interinstitucionais entre o Inep e as instituições de educação superior portuguesas, foi criado em 2014, quando algumas instituições de Portugal aceitavam os resultados individuais do Enem em seus processos seletivos. Para simplificar o acesso dessas instituições ao desempenho dos candidatos interessados no ensino superior português, o Inep passou a realizar os acordos interinstitucionais de cooperação. Essa troca de informação possibilitou a ampliação de possibilidades de intercâmbio educacional.

O programa se tornou possível com uma mudança na legislação portuguesa. O Decreto-Lei nº 36, de 10 de março de 2014, regulamentou o estatuto do estudante internacional no país europeu. Em março do mesmo ano, o Ministério da Educação de Portugal permitiu às suas instituições definirem a forma de ingresso de estudantes internacionais. A Universidade de Coimbra foi a primeira a assinar o convênio interinstitucional com o Inep, em 26 de maio do mesmo ano.

As instituições portuguesas que procuram o Inep para celebrar acordos interinstitucionais são, em geral, pessoas coletivas de direito público que congregam unidades orgânicas de ensino superior universitário e ensino superior politécnico. As instituições públicas de Portugal concentram a maior parte dos alunos do ensino superior no país, com cerca de 80% do total de matrículas. Em Portugal, todos os estudantes pagam taxas como forma de coparticipação nos custos do ensino, mesmo nas instituições públicas.

Um dos momentos mais marcantes da história brasileira merece a atenção dos candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): a Era Vargas. Nesta semana, o programa Vai Cair No Enem, em parceria com o LeiaJá, destaca o tema em uma aula exclusiva.

Recebemos os professores de história Marco Aurélio e Marcos Otoch. Lembrando que os feras também podem acompanhar nossos conteúdos no Instagram @vaicairnoenem. Confira, a seguir, o programa desta semana:

##RECOMENDA##

LeiaJá também

--> Confira outros conteúdos no site do Vai Cair No Enem

No próximo dia 24 de agosto, Olinda será a cidade de estreia da série de aulões gratuitos promovidos pelo Vai Cair no Enem em parceria com o LeiaJá. Os encontros têm como objetivo promover o compartilhamento de conteúdos voltados à preparação dos candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O evento será realizado no Shopping Patteo, no bairro de Casa Caiada, das 8h às 12h. As inscrições para este sábado foram encerradas. Mas, atenção! O aulão do Vai Cair no Enem passa por várias cidades do Brasil: Belém, Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, encerrando a programação no Recife. As inscrições para estas cidades continuam abertas.

Os encontros contarão com aulas de história, redação, filosofia, sociologia e química. Os professores convidados para o aulão de estreia serão José Carlos Mardock, Eduardo Pereira, João Pedro Holanda e Francisco Coutinho. O Vai Cair No Enem conta com a participação de docentes de todo o Brasil, que de forma interativa oferecem aulas exclusivas, dicas curtas, questões, desafios, textos explicativos e conteúdos diversos.

##RECOMENDA##

Com mais de 400 mil seguidores na perfil oficial do Instagram, o Vai Cair no Enem (@vaicairnoenem) publica, ainda, as principais notícias sobre o Exame. Visando a ampliação do processo de expansão, a plataforma realizará aulões em diversas cidades, onde os professores apresentarão conteúdos exclusivos focados na reta final para a prova.

O público presencial e os seguidores poderão acompanhar as transmissões pelas redes sociais e terão acesso aos materiais didáticos das aulas, como slides e fichas para estudo, que serão disponibilizados para download. 

As apresentações de lives e programas ficarão a cargo da influenciadora digital Thaliane Pereira. A influencer já estreou nas telas do Vai Cair no Enem, comandando dois de uma série de programas publicados pela plataforma. O primeiro trouxe como a internet influencia a vida das pessoas, enquanto o segundo promoveu uma relação da física com o movimento cultural do passinho

Time de peso

Uma série de professores farão parte dos aulões promovidos pelo Vai Cair no Enem. Tereza Albuquerque (redação), Cristiane Pantoja (filosofia), Josicleide Guilhermino (redação), Andre Luiz (biologia), Diogo Xavier (Linguagens e redação), Felipe Rodrigues (literatura e redação), Sandro Curió (matemática), Everaldo Chaves (história), Valter Júnior (química), Ricardo Rocha (matemática), Berg Figueiredo (química), Dionísio Sá (matemática), José Carlos Mardock (história), Francisco Coutinho (química) e Eduardo Pereira (redação) são alguns dos professores que estarão nos aulões. Divulgaremos em breve onde cada docente conduzirá sua aula.

Apoio 

O Vai Cair No Enem conta com o patrocínio da UNINASSAU, além do apoio da UNIVERITAS e da UNAMA, instituições de ensino mantidas pelo grupo Ser Educacional. Confira dicas exclusivas no nosso Instagram, YouTube e no site vaicairnoenem.com.

Confira baixo as datas de realização dos aulões do Vai Cair no Enem:

24/08: UNINASSAU Olinda (Shopping Patteo) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

14/09: UNAMA Belém (Alcindo Cacela) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

21/09: UNINASSAU Fortaleza (Dorotéias) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

28/09: UNINASSAU Salvador (Pituba) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

05/10 - UNIVERITAS Rio de Janeiro - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

26/10 - UNINASSAU Recife (Graças, bloco B) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita 

Nascido nos bairros periféricos do Recife, o “passinho” tornou-se um dos ritmos mais tocados nas festas pernambucanas. Jovens, embalados ao som do brega-funk, expressam movimentos ousados e chamam a atenção do público, sempre dotados de uma desenvoltura invejável.

Cheio de coreografias envolventes, o passinho inspirou o programa especial desta semana do Vai Cair No Enem. O professor de física Itallo Costa relaciona os movimentos do ritmo com assuntos da disciplina cobrados com frequência no Exame Nacional do Ensino Médio.

##RECOMENDA##

A influenciadora digital Thaliane Pereira apresenta o programa que conta com a participação do grupo de dançarinos ‘Ozz Malokas do Recife’. O Vai Cair No Enem é produzido em parceria com o LeiaJá e conta com o patrocínio da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau. Confira, a seguir, o programa especial desta semana:

LeiaJá também

--> Confira mais conteúdos no site do Vai Cair No Enem

Nesta terça-feira (13), o programa Vai Cair No Enem promoveu mais uma aula com um conteúdo que vai ajudar bastante quem está se preparando para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem): as paródias. A live, promovida pelo LeiaJá, foi transmitida pelo Instagram @vaicairnoenem e também pelo canal do nosso canal no YouTube. Confira o vídeo a seguir:

##RECOMENDA##

Os professores André Maranhão (@andremaranhaomat) e Alberto Chupeta (@alberto.chupeta), de matemática, Valter Júnior (@profvaljunior40), de química, e Tiago Xavier (@portuguescomtiagoxavier), de linguagens, dão dicas exclusivas na aula “Paródias para o Enem”. A apresentação fica por conta da influenciadora digital Thaliane Pereira (@thalianepereira) e do subeditor do LeiaJá (@leiaja), Nathan Santos (@nathann_sanntos), com participação do repórter Itallo Olímpio (@italloolimpio).

 

Compartilhar educação de qualidade na velocidade da internet. Esta é uma das propostas do Vai Cair No Enem, projeto multimídia em parceria com o LeiaJá, cujo objetivo principal é divulgar conteúdos voltados à preparação dos candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio. Com mais de 400 mil seguidores no Instagram, o Vai Cair No Enem conta com a participação de professores de todo o Brasil, que, de forma interativa, oferecem aulas exclusivas, dicas curtas, questões, desafios, textos explicativos, entre outras informações; a plataforma também publica, graças ao trabalho jornalístico do LeiaJá, as principais notícias sobre a prova.

Para dar continuidade ao seu processo de expansão, o Vai Cair No Enem se prepara para iniciar uma série de viagens pelo Brasil. Diversos aulões serão realizados em várias cidades, onde os professores apresentarão conteúdos exclusivos aos nossos seguidores, com foco na reta final de preparação para a prova. As inscrições para o  primeiro evento, que acontece no sábado, 24 de agosto, já estão encerradas, mas as vagas ainda estão abertas para os aulões de Belém, Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro e Recife, onde se encerra a programação.

##RECOMENDA##

“Valorizando a nossa proposta, que é compartilhar conteúdos de qualidade sobre as principais disciplinas do Exame, faremos aulões presenciais em Olinda, Belém, Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro e Recife. Esses eventos também serão transmitidos, ao vivo, pelo nosso Instagram e pelo nosso YouTube. Temos certeza que os candidatos vão gostar bastante de tudo o que estamos preparando para eles”, destacou o diretor do Vai Cair No Enem, Eduardo Cavalcanti.  

Todos os aulões serão realizados das 8h às 12h; os encontros contarão com entrada gratuita. É a grande chance dos nossos seguidores acompanharem de perto a equipe de professores e comunicadores do Vai Cair No Enem.

Veja, a seguir, os locais onde os aulões serão realizados. Clique nos links, de acordo com a cidade onde você quer acompanhar o evento, e se inscreva de maneira gratuita:

24/08: UNINASSAU Olinda (Shopping Patteo) - inscrições encerradas

14/09: UNAMA Belém (Alcindo Cacela) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

21/09: UNINASSAU Fortaleza (Dorotéias) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

28/09: UNINASSAU Salvador (Pituba) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

19/10: UNIVERITAS Rio de Janeiro - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita

26/10: UNINASSAU Recife (Graças, bloco B) - Clique aqui e se inscreva de forma gratuita 

O público presencial e os seguidores que acompanharão as transmissões pelas redes sociais terão acesso aos materiais didáticos das aulas, como slides e fichas para estudo, que serão disponibilizados para download. “Nossos professores estão preparando com muito carinho todas as dicas das aulas, além de resoluções de questões que ajudarão bastante os candidatos. A equipe de profissionais do LeiaJá também está extremamente empenhada para proporcionar transmissões interativas e com muita qualidade”, garante o subeditor do LeiaJá Nathan Santos.

As apresentações das lives ficarão a cargo da influenciadora digital Thaliane Pereira. A influencer já estreou como apresentadora de uma série de programas especiais com entrevistas exclusivas. Nas edições, professores debatem assuntos do cotidiano que podem ser cobrados na prova; no primeiro programa, o docente de sociologia Salviano Feitoza mostrou como a internet influencia a vida das pessoas.

De acordo com Thaliane, os aulões serão o complemento do trabalho positivo que o Vai Cair No Enem tem feito ao longo dos anos. “Estou muito ansiosa e com uma expectativa muito legal. Nossa proposta é mostrar para os alunos os principais conteúdos e interagir ainda mais nesta etapa final de preparação para a prova”, frisou Thaliane.

Experiência e juventude em busca da provação

Um verdadeiro time de professores está preparado para levar aos nossos seguidores as melhores explicações para o Enem 2019. São docentes com vasta experiência de atuação no mercado educacional, além de educadores da nova geração. Com essa parceria, quem ganha são os nossos estudantes.

Tereza Albuquerque (redação), Cristiane Pantoja (filosofia), Josicleide Guilhermino (redação), Andre Luiz (biologia), Diogo Xavier (Linguagens e redação), Felipe Rodrigues (literatura e redação), Sandro Curió (matemática), Everaldo Chaves (história), Valter Júnior (química), Ricardo Rocha (matemática), Berg Figueiredo (química), Dionísio Sá (matemática), José Carlos Mardock (história), Francisco Coutinho (química) e Eduardo Pereira (redação) são alguns dos professores que estarão nos aulões. Divulgaremos em breve onde cada docente conduzirá sua aula.

Apoio 

O Vai Cair No Enem conta com o patrocínio da UNINASSAU, além do apoio da UNIVERITAS e da UNAMA, instituições de ensino mantidas pelo grupo Ser Educacional. Confira dicas exclusivas no nosso Instagram, YouTube e no site vaicairnoenem.com.

Os processos químicos das chuvas podem ser cobrados na prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O certame será realizado nos dias 3 e 10 de novembro deste ano.

Para explicar como a prova pode apresentar questões sobre chuvas, o professor de química Berg Figueiredo preparou uma aula exclusiva para o programa Vai Cair No Enem, produzido pelo LeiaJá. Lembrando que os candidatos também podem ficar muito bem informados seguindo o Instagram @vaicairnoenem; a plataforma reúne dicas, exercícios, desafios, vídeos, entre outros conteúdos voltados ao Exame. Confira, a seguir, o programa desta semana:

##RECOMENDA##

LeiaJá também

--> Acompanhe outros conteúdos no site do Vai Cair No Enem

“Como a internet influencia na vida das pessoas?” Esse é tema do primeiro de uma série de programas especiais do projeto Vai Cair No Enem, idealizado pelo LeiaJá. Desta terça-feira (6) até as vésperas das provas do Exame Nacional do Ensino Médio, os candidatos poderão acompanhar, a partir das 16h30, pelo Instagram e por meio do YouTube, entrevistas exclusivas recheadas de conteúdos que podem ser cobrados durante o processo seletivo.

A influenciadora digital Thaliane Pereira, 21 anos, natural de Recife, comandará entrevistas com professores renomados. Para explicar como a relação da internet com a sociedade pode ser cobrada em questões da prova, recebemos o professor de sociologia Salviano Feitoza. Confira, a seguir, o programa de estreia:

##RECOMENDA##

 

Com mais de 400 mil seguidores no Instagram, o Vai Cair No Enem é um projeto multimídia criado pelo LeiaJá para compartilhar informações relacionadas ao Exame Nacional do Ensino Médio. Dicas, aulas exclusivas, notícias, desafios e questões são alguns dos conteúdos disponibilizados de maneira gratuita para candidatos de todo o Brasil. O projeto está prestes a dar mais um passo importante em prol da sua expansão.

Nesta terça-feira (6), às 16h30, no Instagram, o Vai Cair No Enem estreia uma série de programas especiais comandados pela influenciadora digital Thaliane Pereira. Os estudantes acompanharão entrevistas exclusivas sobre temáticas que podem aparecer no Enem 2019. No primeiro programa, a influencer recebe o professor de sociologia Salviano Feitoza, que aborda de que maneira a internet influencia a vida das pessoas, além de mostrar exemplos de como a prova deve cobrar questões que englobam a grande rede.

##RECOMENDA##

Natural de Recife, Thaliane Pereira, 21, há três anos atua como influenciadora digital. Seu perfil, com mais de 140 mil seguidores, traz conteúdos sobre moda, empreendedorismo, lazer, entre outros segmentos. Bolsista do Programa Universidade Para Todos (ProUni) e cursando administração na UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau, a jovem conhece bem a realidade dos candidatos que enfrentam uma maratona de estudos para fazerem bonito no Enem, uma vez que ela passou por pré-vestibulares antes de tornar-se bolsista.

Em entrevista ao LeiaJá, a influenciadora comemorou sua participação no Vai Cair No Enem, além de adiantar para os candidatos o que eles encontrarão nas aulas. “Está sendo incrível, porque além de passar conteúdos, estou tendo a oportunidade de aprender. É uma responsabilidade muito grande, mas é algo que está sendo gratificante para mim. O público pode esperar um Vai Cair No Enem com uma pegada bem atual, apresentando os conteúdos de forma muito dinâmica”, comentou Thaliane.

Os programas especiais, sempre com entrevistas exclusivas, serão exibidos todas as terças-feiras, às 16h30, no Instagram do Vai Cair No Enem, até as vésperas da prova. O projeto tem como grande apoiadora a UNINASSAU.

Programas tradicionais - O Vai Cair No Enem continua a exibição dos seus programas semanais. Além das entrevistas conduzidas por Thaliane, os candidatos podem acompanhar, todas as quintas-feiras, aulas exclusivas sobre os principais assuntos da prova. Veja as últimas edições no YouTube.

O Recife encanta pela sua beleza histórica. Na área central da cidade, as pontes e o emblemático Rio Capibaribe guardam episódios da formação do Brasil que merecem ser estudados pelos candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Nesta semana, o programa Vai Cair No Enem, produzido pelo LeiaJá, recebe os professores de história e geografia José Carlos Mardock e Dino Rangel. Diante das pontes recifenses e do rio que corta a cidade, eles destacam assuntos que podem ser cobrados no Exame.

##RECOMENDA##

Os candidatos também podem acessar mais conteúdos sobre a prova no Instagram @vaicairnoenem. Confira, a seguir, o programa desta semana:

  LeiaJá também

--> Confira outros conteúdos para o Enem 2019

Já está no ar o mais novo programa do Vai Cair no Enem, intitulado 'Aprenda com Elas'. Com o vídeo piloto liberado nesta segunda-feira (22), o quadro tem como objetivo reunir as mulheres em seu processo de produção e execução. A atração contará com a participação de apresentadoras e convidadas que trarão a figura feminina no processo de contribuição para educação brasileira e mundial.

Nesta primeira edição, o 'Aprenda com Elas' trouxe a opinião e embasamento da professora de ciências humanas Cristiane Pantoja, com o objetivo de retratar o que é o feminismo. A apresentação fica a cargo de Kimberly Neri, enquanto a produção é de de Elaine Guimarães. O programa irá ao ar uma vez por mês, em todas as penúltimas segundas-feiras mensais. Confira abaixo o vídeo de abertura.

##RECOMENDA##

Uma das obras animadas que mais marcaram gerações, “O Rei Leão”, de 1994, ganhou uma versão realista. Prometendo emocionar os fãs e arrancar críticas positivas dos especialistas em cinema, a nova produção estreou, nessa quinta-feira (18), em cinemas de todo o Brasil.

O filme tem como personagem principal um leão chamado “Simba”, que sofre com a morte cruel de seu pai, Mufasa. No entanto, Simba luta, em uma jornada emocionante, para recuperar o reinado da sua família.

##RECOMENDA##

Inspirado nos capítulos de “O Rei Leão”, o professor de química Valter Júnior resolveu aproveitar o clima de estreia da nova versão. Ele criou uma paródia da canção “Quem dorme é o leão”, uma das músicas que embalaram a obra animada. Na paródia, ele reúne, de um jeito divertido, inúmeras dicas para a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). E um detalhe: o professor está devidamente caracterizado de leão. Confira, a seguir, no vídeo produzido pelo Vai Cair No Enem, projeto do LeiaJá:

[@#video#@]

Nostalgia, emoção, lágrimas e música de qualidade. Esta sexta-feira (12) é especial para os admiradores de dois grandes artistas do cenário musical. Sob o carinho dos fãs, a dupla Sandy e Júnior inicia hoje a turnê ‘Nossa história’, que celebra os 30 anos de carreira dos cantores.

Recife é o palco do início da turnê, que promete ser acompanhada por uma legião de fãs. E além de todo o carinho que envolve o retorno de Sandy e Júnior aos palcos, o LeiaJá, por meio do projeto Vai Cair No Enem, mostra que as canções da dupla embalam o público e até servem de inspiração para uma aula especial voltada ao Exame Nacional do Ensino Médio.

##RECOMENDA##

Inspirado na música “As Quatro Estações”, o professor de geografia Filipe Melo preparou uma aula exclusiva para os candidatos que seguem o Vai Cair No Enem. Confira:

[@#video#@]

No Centro do Recife, a Casa da Cultura, um antigo espaço de detenção, respira história. Hoje um equipamento turístico, a construção foi palco do programa Vai Cair No Enem desta semana, produzido pelo LeiaJá.

O professor de história e filosofia Luiz Neto é o nosso convidado. Os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio também podem acompanhar dicas diárias no Instagram @vaicairnoenem. Veja, a seguir, o programa desta semana:

##RECOMENDA##

   

LeiaJá também

--> Confira outros outras notícias no Vai Cair No Enem

 

Debate sobre cotas gerou polêmica e protestos de alunos da rede particular brasileira

##RECOMENDA##

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Polêmico nas redes sociais, o debate sobre cotas universitárias costuma render comentários extremos na internet. Diante do mundo virtual, local no qual opiniões podem ser confundidas com fatos, é importante saber distinguir os mitos e verdades sobre as políticas inclusivas dentro de universidades. 

Perguntamos aos seguidores do Vai Cair no Enem, página do Instagram com mais de 350 mil seguidores, a opinião deles sobre as cotas nas universidades. Em cerca de 250 comentários, selecionamos aqueles que mais se repetiram ou causaram polêmica para serem respondidos pelo professor Ocimar Munhoz, da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

O docente é especialista na área de educação e já realizou pesquisas envolvendo igualdade de resultados dentro do ensino e desigualdade no sistema educacional brasileiro. Confira o currículo Lattes do profissional clicando aqui.

A seguir, veja perguntas, afirmações e respostas selecionadas pelo LeiaJa.com

“Pessoas mais capacitadas para curso ficam de fora porque tem muito mais vagas para diversas cotas do que para ampla concorrência”

Sim. Pessoas capacitadas ficam de fora, mas isso é um fator sem ligação com as cotas. Segundo o professor, o conceito de “pessoas capacitadas” precisa ser redefinido na situação apontada por este internauta. “O que acontece com os processos seletivos em geral? Com cota ou sem cota, você ordena os respondentes com base no desempenho que a gente tem em provas. Nós temos muitas vezes a seleção de indivíduos com resultados muito próximos, mas que não entram quando eu faço a seleção até uma determinada posição”, afirma Ocimar. 

Um exemplo pode ser dado para elucidar a mente de quem ainda tem dúvida: “Vamos admitir que haja uma pontuação desejável [para entrar em uma universidade]. Todo mundo que esteja acima dessa pontuação desejável entra? Não. São aceitos os primeiros. Na lista de espera, com exceções, tem muita gente ‘capacitada’. Por que elas não são selecionadas? Porque não tem vagas para elas”, lembra. Até mesmo dentro das cotas, há quem fique do lado de fora. “Pensa comigo: se eu tenho dez vagas para negros, vai ter o negro que ficou em 11ª posição. Ele também ficou de fora porque ele é o 11º e só seriam chamados 10”, explica. 

Em alguns casos, o candidato autoidentificado como negro e classificado no vestibular pode ter uma pontuação menor em relação à de um candidato na lista de espera da ampla concorrência. A “desigualdade” apontada por alguns é encarada como forma de reparação pelo especialista. “As cotas justamente apareceram para atenuar injustiças e uma delas é essa: reconhece-se que uma população composta por indivíduos negros tem as piores condições para se preparar”, lembra o docente. No caso da raça, o reconhecimento da desigualdade, por sua vez, pode ser embasado em dados. Segundo levantamento de 2016 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 78,5% da população pobre do Brasil se declara negra. 

“Cotas não ensinam ninguém a ler nem a escrever”

É verdade. A frase acima foi creditada ao deputado federal Kim Kataguiri, do partido Democratas. Apesar de ser correta, ela demonstra pouca intimidade do parlamentar com a educação, afinal, aprender a ler e escrever não é tarefa da universidade. “As cotas não foram feitas para isso. Não sei por que alguém falou isso. Embora ler e escrever se possa aprender fora da escola, em geral, ensinar a ler e escrever é uma tarefa da escolarização”, lembra o professor da USP. 

“A cota para cor ou etnia é uma forma de racismo, pois trata negros como ‘inferiores’ e que não conseguem chegar no mesmo estágio de uma pessoa ‘branca’ sem ajuda” 

Os candidatos precisam entender que, segundo especialistas na área de educação, a cota não é racismo. Ela é um atenuante para desigualdades sociais e só foi implementada quando constatou-se que candidatos que se autoidentificavam como negros, pardos ou indígenas tinham menor representação após o processo seletivo. “Ao que se deve isso? Porque nasceram assim e já são naturalmente inferiores? Não. Considera-se que processos sociais fazem com que essa população tivesse uma subrepresentação. As cotas fazem esse ajuste. Não é racismo, não é uma questão de inferiores, é uma questão de tentar atenuar uma desigualdade”, conta.

“Cotas são injustas porque não sabemos os critérios que eles usam para definir quem é pardo ou não”

A cota pode até ser imprecisa, mas não é injusta. O critério utilizado no Brasil hoje é a autoidentificação. “Quando falo que ela pode ser imprecisa, é porque pode ter oportunismo. Alguém que nunca se identificou como um negro vai lá e se identifica, ou como um pardo ou indígena. Por isso que em muitos lugares há uma comissão para se apurar isso”, lembra o professor. Você pode conferir como funciona uma comissão de verificação de cotas clicando aqui. 

Para pensar em critérios de definição de raça é importante também lembrar da diferença entre o fenótipo (representado pelas características físicas do indivíduo) e o genótipo (representado pelas características genéticas do indivíduo). “No Brasil, sentir preconceito é mais uma coisa de fenótipo. Ou seja, uma pessoa que tem a pele mais negra tende a estar exposta a situações de racismo mais do que quem tem a pele branca”, lembra Ocimar. 

Quando alguém com descendência negra, mas tom de pele claro, se sente prejudicado por uma comissão julgadora de fenótipos, podemos considerar a cota como imprecisa. “É bom lembrar que os estudos nos quais se basearam as cotas foram feitos em um momento que não tinha nenhuma cota em questão. Agora, como tem vagas que estão sendo distribuídas, podem aparecer oportunistas”, aponta o professor. A autoidentificação realizada nas universidades, na maioria das vezes, é feita com o preenchimento de um formulário. 

“Cotas não são necessárias pois todas as pessoas são iguais”

“Iguais em quê? Nós estamos falando de desempenho escolar. De onde vem o desempenho escolar? Vem das condições que as pessoas tiveram antes para exibir um desempenho”, conta Munhoz. O docente lembra que podemos listar três fatores essenciais para determinar o desempenho escolar de um aluno: a escola na qual estudou, o esforço que aquele aluno fez para apreender o conteúdo e as condições socioeconômicas nas quais ele está inserido.

Encarando esses fatores, é possível perceber que a igualdade, no que se diz respeito à educação, não existe. “As pessoas são iguais genericamente como seres humanos, mas as cotas não discutem isso. Elas discutem a diferença de desempenho. Descobriu-se que dependendo da cor da pele você tem acesso a escolas piores, a condições sociais piores, portanto, seu esforço, mesmo que gigantesco, pode não ser suficiente para ter um bom desempenho”, lembra o professor. Para ajudar a compreender, exemplificaremos: imagine duas pessoas disputando uma corrida. Uma de tênis em uma pista de material emborrachado e outra descalça na areia. Nas mesmas condições, mas com os materiais diferentes, qual delas chegará primeiro?

“A adoção de medidas dessa natureza é necessária como uma forma de combate à desigualdade tão significativa em nosso País”

Sim. A adoção dessas medidas é necessária para combater a desigualdade, mas qual é o conceito de desigualdade? “Ninguém escolhe antes de nascer onde vai nascer. Onde nós nascemos e as condições em que vivemos pesam no desenvolvimento dos nossos esforços. Isso cria o que nós chamamos de desigualdade, uma diferença no nosso desempenho que está associada a uma condição que pode ser de sexo, pode ser de raça, de cor ou de condições econômicas”, detalha Ocimar. Diante da desigualdade, é errado afirmar que alguém vai mal na escola porque “nasceu assim”.

“As cotas hoje em dia estão tornando a solução do problema escola pública/privada muito mais tardias, servindo apenas como paliativo”

Para responder a essa pergunta, é necessário ir por partes. Quando falamos de escolas de ensino médio, segundo o docente, apenas 12% das matrículas são privadas. Todo o resto (88%) é feito nas escolas públicas. “O que acontece é que essa imensa maioria de alunos em geral estuda em condições mais precárias do que as privadas, não bastando a condição da família. O ideal seria que essas diferenças não existissem e que talvez nem fosse necessárias escolas privadas”, lembra o professor. Enquanto não houver essa igualdade, porém, as cotas podem ser consideradas um “paliativo pela justiça”. 

“A curto prazo, as cotas não mudaram nada. O negro e pardo e entraram nas universidades, mas continuam sendo discriminados da mesma forma” 

Falso. As cotas mudaram o cenário da educação superior no Brasil. Principalmente, dentro das universidades públicas. “Isso acontece mais ainda naqueles cursos que em quase toda a sua existência não tinham a presença de estudantes negros, pardos ou indígenas”, lembra. A discriminação no País pode continuar, mas enquanto a igualdade não for garantida na educação básica as cotas continuarão a fazer o seu trabalho paliativo. 

Reportagem faz parte do especial "Para que servem as cotas?", produzido pelo LeiaJá. O trabalho jornalístico explica a importância das cotas para a equidade e democratização dos espaços de educação brasileiros. Confira as demais reportagens:

1 - Cotas: sanção da lei marca o ensino superior

2 - A perspectiva social que explica a criação das cotas

3 - Cotas raciais valorizam diversidade no ensino superior

4 - Saiba como funciona as Comissões de Verificação de Cotas

5 - Inclusão de pessoas com deficiência marca Lei de Cotas

6 - Cotas rurais garantem ensino ao povo do campo

7 - A aldeia no campus: cotas e reparação histórica aos índios

8 - Cotas para trans esbarram em preconceito no ensino básico

9 - ProUni: inclusão social no ensino superior particular

11 - Como seria um mundo sem cotas? 

Quem vai fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) sabe que biologia é uma das matéria a se dedicar. Nesta sexta-feira (5), às 20h, o Vai Cair no Enem, produto do LeiaJa.com, promoveu uma live com professores da disciplina. No intuito de trazer os principais assuntos que caem no Enem, docentes com diversos anos de experiência fizeram parte do encontro. 

Os convidados da live fora os professores Fernando Beltrão e André Luiz Vitorino, que juntos somam mais de 60 anos de dedicação à sala de aula. Também fizeram parte do encontro os docentes Filipe Carthagenes e Ramon Gadelha. O material exibido durante a transmissão pode ser conferido aqui. Veja também a live e outras dicas para o Enem no canal do YouTube do Vai Cair no Enem.

##RECOMENDA##

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando