Tópicos | Ciro Gomes

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prefere apoiar uma candidatura do presidente Jair Bolsonaro do que a dele nas eleições presidenciais de 2022. 

Em entrevista à GloboNews, Ciro disse que Lula e Bolsonaro "são duas faces da mesma moeda", ponderou que não apoiaria uma candidatura do petista, mas alegou aceitar um eventual apoio do ex-presidente. 

##RECOMENDA##

"Não [faria campanha por Lula], pela seguinte circunstância: eu represento uma coisa muito diferente do lulopetismo corrupto. Se ele quiser me apoiar, eu evidentemente não posso ser arrogante porque quero unir o Brasil. Evidentemente que eu não vou dizer: 'não aceito'. Eu não tenho esse direito, nem cultivo isso. Eu cultivo muito a humildade. Agora estou só por apreço à sua pergunta dizendo que não faria campanha porque nós representamos valores muito distintos", afirmou. 

"Isso é completamente impossível, o Lula prefere o Bolsonaro a mim. Já demonstrou isso", completou.

Ciro, inclusive, já disse, em diversas ocasiões, que Jair Bolsonaro é um fruto do PT. E aproveitou o momento, para reforçar o argumento. 

"Só falta a gente ficar sabendo da ligação entre os dois pra combinar. Se não tem [a ligação], é uma simbiose, é um parasitismo recíproco. Para eles, ficou flagrante, não interessa o Brasil, interessa se aproveitar dessa máquina de poder", declarou.

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), afirmou, nesta segunda-feira (2), que está chocado com a anuência de ministros do governo Jair Bolsonaro, que são generais do Exército, diante do que chamou de "vassalagem" do Brasil com o governo dos Estados Unidos. 

A declaração do pedetista é em reação a decisão anunciada pelo presidente americano, Donald Trump, de aumentar as tarifas sobre a importação de aço do Brasil e da Argentina, porque, segundo ele, as moedas desses países estão em alta desvalorização diante do dólar. 

##RECOMENDA##

Ao analisar o cenário, Ciro disse, no Twitter, que já sabia do despreparo de Jair Bolsonaro, mas estava chocado com os ministros que são militares. 

"Que Bolsonaro seja um despreparado e deslumbrado, todos poderíamos saber. O que me choca é o comportamento de 9 ministros generais vendo, coniventes, nossa soberania (e nossa economia) ser entregue por pura vassalagem!", escreveu o pedetista. 

[@#video#@]

A prática de vassalagem era usada na Idade Média, quando um indivíduo menos favorecido oferecia serviços e fidelidade ao suserano, ou seja, alguém rico e poderoso. A vassalagem é uma espécie de submissão.  

Pouco antes, Ciro também publicou uma frase do ex-ministro Mangabeira Unger sobre o assunto: “A rebeldia nem sempre é premiada na história. Mas a vassalagem, é castigada invariavelmente”.

Dois dias depois do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) discursar para a militância em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, e reacender a polarização política com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) fez duras críticas ao petista, a quem chamou de "sem escrúpulo".

"Lula é um encantador de serpentes. A presunção dele é que as pessoas são ignorantes e que pode, usando fetiches, intrigas e a absoluta falta de escrúpulos que o caracteriza, navegar nisso. O mal que Lula está fazendo ao Brasil é muito grave e extenso", afirmou o ex-presidenciável.

##RECOMENDA##

Ciro Gomes falou com jornalistas na tarde dessa segunda-feira (11), antes de fazer uma palestra em na universidade FMU, na capital paulista. O ex-ministro apoiou Lula pela primeira vez na eleição presidencial de 1989, quando era prefeito de Fortaleza, no 2º turno da eleição de 2002 em também nas eleições de 2006, quando foi ministro da Integração Nacional.

Em 2018, porém, o pedetista se afastou definitivamente do ex-presidente e tentou ser um segunda via da esquerda na campanha.

Em outro momento da entrevista de hoje, Ciro Gomes disse que tanto Lula quanto Bolsonaro querem a polarização. "São duas fazes da mesma moeda", afirmou. Questionado sobre a possibilidade da formação de uma frente ampla de esquerda para enfrentar Bolsonaro em 2020 e 2022, o ex-ministro descartou de forma categórica qualquer possibilidade de estar ao lado do PT.

"O lulopetismo virou uma bola de chumbo amarrando o Brasil ao passado. Ele (Lula) está fazendo de conta que é candidato e que foi inocentado", disse Ciro. Em seguida, afirmou que nunca mais vai andar "com a quadrilha que hegemoniza o PT".

Sobre a possibilidade de o Congresso encampar um projeto que restitua a prisão em segunda instância, o pedetista disse que a Constituição "não é cueca" para ser trocada pela sujeira do dia a dia. "O artigo 5º da Constituição Federal repete entre nós um princípio de todo constitucionalismo mundial: a presunção de inocência até que o trânsito em julgado aconteça. Contra essa cláusula não pode haver emenda".

Em seu discurso em São Bernardo no sábado, Lula mostrou disposição para viajar pelo Brasil para aglutinar a oposição em torno do seu nome. Em sua fala, disse que Bolsonaro foi eleito para governar para o povo brasileiro e não para os milicianos do Rio. O ex-presidente também atacou o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e a Operação Lava Jato.

'Petista médio'

Ciro afirmou ainda que tem respeito pelo "petista médio" e lembrou que apoiou os governadores Camilo Santana no Ceará, Rui Costa, na Bahia, e Wellignton Dias, no Piauí. "Meu problema é com a cúpula corrompida do lulopetismo. Com essa gente nem para ir para o céu".

Ainda segundo o pedetista, Lula e Bolsonaro são "rigorosamente iguais" do ponto de vista econômico. "Há uma distinção: o Lula paralisou as privatizações e usou as estatais para subornar gente para seu projeto de poder. A polarização é só no fetiche e no adjetivo".

Bolívia

A situação da Bolívia e a saída do presidente Evo Morales do cargo também foram temas abordados por Ciro Gomes na entrevista que antecedeu uma palestra para os estudantes da FMU. "Todas as pessoas de bem do mundo devem gritar em alto e bom som que exigem providências da comunidade internacional que proteja a vida do presidente Evo Morales. Ele corre risco de vida".

Ele chamou de "calhorda" a posição dos países vizinhos, inclusive o Brasil, quando negaram espaço aéreo para que Morales tentasse asilo político. "A Bolívia está entrando em ambiente de absoluta anomia. Há uma evolução para a violência fruto de um golpe de estado ao modo anos 50 e 60."

Em vídeo, o ex-ministro Ciro Gomes repudiou a agressão sofrida por Gleen Greenwald, nesta quinta-feira (7), durante um programa ao vivo na Rádio Jovem Pan. Ele chamou Augusto Nunes de 'vagabundo' e 'verme', e reforçou o apoio ao editor o The Intercept.

"[...] é um daqueles vermes. Uma das piores espécies de gente que a imprensa brasileira aceita que ainda esteja em seu meio", disparou Ciro. Assim como Gleen, o cearense classificou a atitude como fascista e teme que tal ato possa ser espelhado nas ruas.

##RECOMENDA##

"É preciso perguntar se a cadela no cio do fascismo a que ele serve está justificando agora a reação física, aberrações, agressões e insultos?", questionou, antes de fazer atacar o jornalista: "Augusto Nunes, presta atenção no serviço, seu vagabundo".

Confira

[@#video#@]

Durante uma entrevista, Ciro Gomes (PDT) afirmou que o ex-presidente Lula (PT) é um "enganador profissional". A declaração aconteceu depois que Ciro foi perguntado se aceitaria um convite do petista para conversar sobre a conjuntura política, caso Lula saia da prisão. O pedetista acenou para a possibilidade da conversa, mas acentua não ter "nenhum apreço político pelo Lula". "Acho que ele é o grande responsável por essa tragédia econômica, social e política que o Brasil está vivendo, não tem grandeza e só pensa em si", reforçou Ciro.

O ex-governador do Ceará deu essas declarações ao site Congresso em Foco. Na ocasião, o pedetista ainda falou sobre o governo de Jair Bolsonaro, a quem classifica como "Paranoico". "O Bolsonaro tem uma lógica, é uma lógica estúpida, de um menino de 13 anos paranoico, mas a lógica dele é basicamente o seguinte, ele cria uma aberração qualquer todas as vezes que tem um fato real, grave, gravíssimo avançando na direção dele", diz Ciro.

##RECOMENDA##

O ex-candidato a presidência avalia que a população deve ficar atenta para "não cair nesse jogo". Ciro Gomes ainda aponta a família Bolsonaro como ladrões. "É dinheiro roubado, dinheiro subtraído dos cofres públicos pelo Bolsonaro, ele próprio deputado federal, pelos filhos senador, vereador, deputado estadual e a mulher dele. Bolsonaro recebendo dinheiro do Queiroz e a conexão com as milícias. Isso é o que precisa ser esclarecido", pontua o ex-governador.

Confira o vídeo na íntegra

[@#video#@]

O ex-candidato a presidente Ciro Gomes (PDT) perdeu a calma com a declaração de Eduardo Bolsonaro prometendo um "novo AI-5" em caso de "radicalização" da esquerda. Para ele, o "bando de lunáticos está ultrapassando qualquer limite". O pedetista prometeu uma representação pedindo a cassação do mandato do filho do presidente da república.

"Este bando de lunáticos está ultrapassando qualquer limite! Este tolete de esterco é mais perigoso com a mão suja do que exercendo um poder que pensa ter em seu deslumbramento de boçal. Vê aí na internet, seu merdinha, qual foi o destino do Mussolini e recolhe tua viola! Por enquanto vou pedir ao meu Partido que represente ao Conselho de ética da Câmara para cassar teu mandato por falta de decoro", tuitou.

##RECOMENDA##

Ciro Gomes ainda disse querer que as autoridades apurem uma possível relação entre a família Bolsonaro e milicianos. "Seguiremos exigindo das autoridades que esclareçam o envolvimento de vcs (sic) com as milícias e com dinheiro público desviado de seus gabinetes para o próprio bolso".

O líder do PDT ainda disse que irá continuam denunciando "a venda do País pelo governo mais entreguista e traidor que o Brasil já teve".

[@#video#@]

A comissão especial que estuda medidas contra o que é considerado o superendividamento dos consumidores brasileiros ouviu nesta terça-feira (8) a análise do ex-candidato à Presidência da República, Ciro Gomes (PDT), sobre o problema.

[@#video#@]

##RECOMENDA##

*Da Agência Câmara Notícias 

 

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), usou o Twitter, nesta quarta-feira (25), para ironizar o fato do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ter declarado que amava o presidente americano, Donald Trump, durante rápido encontro entre eles na abertura da assembleia geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nessa terça (24). 

Ao compartilhar a notícia sobre o assunto, Ciro questionou o que o brasileiro fez para ser tão humilhado. “Pode isso? Deus meu... O que fizemos, o povo brasileiro , para merecer tanta humilhação?”, indagou o pedetista. 

##RECOMENDA##

De acordo com o jornalista Lauro Jardim, diplomatas que acompanharam o encontro entre os chefes de Estado disseram que Bolsonaro disse para Trump: “I love you”, que quer dizer “eu te amo” em inglês; enquanto o presidente americano respondeu: “nice to see you again”, que significa “que bom te ver de novo”. 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), tem uma espécie de preconceito com o Partido dos Trabalhadores (PT). Nos últimos tempos, Ciro não tem poupado críticas à legenda. Em entrevista à Revista Fórum, publicada nesta sexta-feira (20), Lula disse que o PT convidou o emedebista para compor sua chapa e, em caso de impedimento, ser o candidato tendo o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, como vice.

“Fernando Haddad que teve com o Ciro e falou para o Ciro que poderia ser meu vice, que no meu impedimento o Ciro seria candidato a presidente e Haddad seria vice dele. E o Ciro não aceitou. Eu acho difícil uma pessoa que se acha tão inteligente, como o Ciro, querer ser vice de um torneiro mecânico”, alfinetou Lula. 

##RECOMENDA##

Indagado se isso era reflexo de algum preconceito de classe, Lula respondeu: “Eu acho que o Ciro é preconceituoso com o PT. Ele tem um quê… é só perguntar para o PT do Ceará. Ele odeia o PT do Ceará”.

Na avaliação do ex-presidente, “Ciro não nasceu para militar em um partido político”. “O Ciro nasceu para ser dono de alguma coisa dele. Ele manda, ele desmanda, ele faz, ele desfaz. Ou seja, isso não cabe dentro do PT. Então, se o Ciro quiser ser presidente com voto dos setores progressistas, ele terá que se aliar à esquerda, e na esquerda ele não tem muita opção. Ele tem só o PT e o PCdoB. Mas a impressão que eu tenho é que ele está fazendo um discurso muito mais para agradar setores de direita que ele acha que abandonaram os tucanos, do que para a esquerda. De qualquer forma, é uma pena… Eu gostaria que o Ciro fosse diferente”, ressaltou o líder-mor petista.

Questionado também se ficava magoado com as declarações de Ciro, Lula disse que sim. “Eu fico, fico chateado. Como se uma pessoa amiga estivesse falando mal de mim. Agora, também não posso pedir para ele falar bem”, observou.

Na sua mais recente crítica, Ciro disse que o "campo progressista" perderá as próximas três ou quatro eleições se a "burocracia do PT" se mantenha diante da estratégia em nome do que classificou como “direção imperial" de Lula.

Candidato à Presidência pelo PDT derrotado em 2018, o ex-ministro Ciro Gomes disse que o "campo progressista" perderá as próximas três ou quatro eleições caso o que ele chama de "burocracia do PT" mantenha uma estratégia em "nome da direção imperial" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"O PT são vários PTs. E é importante que você entenda essa premissa para o raciocínio que vou elaborar. Esta burocracia do PT e a estratégia que essa burocracia está fazendo em nome da direção imperial do Lula é certeza da derrota do campo progressista no Brasil agora e pelas próximas três ou quatro eleições", afirmou o ex-ministro, que veio a Belo Horizonte participar da filiação ao PDT da professora Duda Salabert, a primeira transexual a se candidatar ao Senado, nas eleições do ano passado - ela estava sem partido desde que desfiliou do PSOL.

##RECOMENDA##

Ele disse que os governos do PT geraram "corrupção generalizada" e crise econômica.

Como mostrou a Coluna do Estadão, cresceu entre políticos e analistas a percepção que Ciro decidiu radicalizar o discurso de defesa da democracia e romper com a "frente de esquerda". "Agora ninguém mais vai enganar ninguém porque o que eu tinha para dar de engolir, de ter que fazer silêncio em nome da unidade, eles acabaram de liquidar."

O ex-ministro afirmou que PT e Bolsonaro são "rigorosamente as duas faces da mesma moeda". Ele cita que Bolsonaro, diante da queda de sua popularidade, afirma que, se errar, o "PT pode voltar". "No mesmo dia, a Gleisi Hoffmann, que interpreta esse PT corrupto e incompetente, que é uma pau mandado do Lula, sem nenhum tipo de atitude crítica, diz que vai ser 'nós contra o Bolsonaro'. Enquanto isso alguém ilude o (governador do Maranhão) Flávio Dino (PCdoB), alguém fala em unidade comigo, e tal."

Sobre o pedido de desculpas do deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), Ciro diz que não iria atribuir "relevância política a isso", mas que vê um gesto "muito nobre". "Aceito as desculpas". Frota, que saiu do PSL, disse que Ciro "tinha razão sobre Bolsonaro". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT) não acredita que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) vá concluir os quatro anos de mandato. Apesar de observar que hoje um eventual impeachment do presidente tenha pouca probabilidade de acontecer, Ciro disse em entrevista ao jornal Estadão que “as energias são tão negativas” que não vê como Bolsonaro ficará à frente do país até 2022. O pedetista aposta em um pedido de renúncia dele. 

“Acho que ele não termina o governo. Isso é um mero palpite. Espero que não seja pelo suicídio. Meu palpite, é um mero palpite, é que vai ser por renúncia”, disse o ex-candidato do PDT à Presidência da República.

##RECOMENDA##

Para Ciro, um impeachment é inviável porque “os políticos, que de alguma forma foram negados também pelo caráter antipolítico que o Bolsonaro impôs na retórica dele, estão muito ressabiados com a bobagem que fizeram no impedimento da Dilma”. 

“Então, por exemplo, o PSDB sabe que talvez tenha se liquidado mortalmente naquele gesto burro. Se tivesse esperado o tempo fluir, até o final do mandato ruidoso da Dilma, tinha ganho as eleições. O que aconteceu, interromperam o mandato e passaram a ser corresponsáveis pelo desastre que veio daí adiante com Michel Temer e agora com o Bolsonaro. Produziram o Bolsonaro. Isso o PT também está vendo. Então a probabilidade de um impeachment hoje é pequena. Mas as energias são tão negativas e tão rápidas que não vejo como Bolsonaro termine o governo”, acrescentou o ex-ministro.

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) usou sua conta no Twitter para pedir desculpas ao ex-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, por ofensas proferidas contra ele e afirmou que o pedetista tinha razão quando falava sobre o presidente Jair Bolsonaro (PSL). 

“Ciro desculpe as agressões verbalizadas por mim a você no passado”, disse, na publicação feita na noite desse domingo (15), ao compartilhar um tuíte do  ex-governador do Ceará.

##RECOMENDA##

“Fagner nosso amigo cantor me alertou várias vezes. Não é que você realmente tinha razão sobre Bolsonaro. Sorte na caminhada”, acrescentou, fazendo referência ao cantor cearense Raimundo Fagner, que é amigo de Ciro. Nas eleições de 2018, o pedetista ficou em terceiro lugar na disputa. 

[@#video#@]

Frota, que no primeiro momento foi aliado de Bolsonaro e defendeu sua eleição, adotou um tom crítico à postura do presidente nos últimos meses e, inclusive, foi expulso do PSL. Agora do PSDB, o deputado tem endossado ainda mais as avaliações com tons duros sobre a atuação do presidente. 

O ex-ministro da Fazenda Ciro Gomes, candidato à Presidência da República no pleito de 2018, reagiu duramente ao post feito pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSL-RJ) na sua conta Twitter no qual disse que as mudanças que os brasileiros querem não se darão de "forma rápida pelas vias democráticas".

"Veja, esse rapaz é um percevejo desses que infestam a vida brasileira e, portanto, ele não merecia qualquer tipo de reflexão. O problema é que ele é um filhote do Bolsonaro e ele só pode merecer uma reflexão na proporção que isso representar um pensar do Bolsonaro", disse Ciro, que participou como espectador dos debates travados nesta terça-feira, 10, do 16º Fórum de Economia que a Fundação Getulio Vargas (FGV) realiza desde segunda (9) na capital paulista.

##RECOMENDA##

De acordo com Ciro Gomes, "é preciso que todo mundo, todos nós, cobremos do Bolsonaro uma declaração explícita, clara se esse menino está falando mais uma bobagem, de mal-amado que é, percevejo da vida brasileira, e neste caso nós vamos refletir para dizer ao Bolsonaro que ele tente", disse o ex-ministro.

Para o pedetista, se o presidente confunde a população brasileira em matéria de costumes, "se ele explora o colapso moral que o PT produziu no País, se ele explora o desastre socioeconômico que o PT produziu, ele nos divide". "Mas se ele imagina que vai transgredir o ditado do direito democrático, ele que tente para ver quantos brasileiros vamos encará-lo na linguagem que ele preferir", disse.

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), classificou o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (PSC), como um “projetinho de Hitler tropical”. A afirmativa de Ciro se deu ao comentar, nesta terça-feira (10), a declaração do parlamentar de que “por vias democráticas a transformação que o Brasil quer não acontecerá” de maneira rápida

A fala de Carlos tem repercutido desde a noite dessa segunda (9), principalmente pelo histórico de defesa que ele, os irmãos e o pai e presidente Jair Bolsonaro (PSL) têm sobre o época da ditadura militar vivida por 21 anos no Brasil. 

##RECOMENDA##

Com um tom duro, o pedetista cravou que a “democracia é intocável”. “Nós vamos ensinar a estes projetinhos de Hitler tropical que o Brasil não é uma fazenda deles. A democracia é intocável!”, disparou Ciro.

Adolf Hitler foi o ditador alemão líder do nazismo e figura central do holocausto na Segunda Guerra Mundial.

Demais críticas

Outros nomes da política também já se pronunciaram sobre o assunto. O ex-candidato a presidente pelo PSOL, Guilherme Boulos, disse que o vereador poderia estar expressando o desejo do pai; a deputada Tabata Amaral (PDT-SP) argumentou que pela censura e repressão não há avanços; e a ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB) sugeriu que a oposição obstruísse a pauta no Congresso até que o presidente desmentisse o filho.  

Os ex-candidatos à Presidência da República nas eleições de 2018, Fernando Haddad (PT) e Ciro Gomes (PDT), se encontraram nesta sexta-feira (30) na abertura do 29º Cine - Festival Ibero-americano de Cinema em Fortaleza, no Ceará.

Haddad foi recebido no evento sob gritos de “Lula Livre” e Gomes, que já estava no local, recebeu o petista com um abraço. Apesar de se declarar não favorável à campanha de liberdade a Lula, o pedetista realizou uma presença de anfitrião para Haddad.

##RECOMENDA##

Desde a época das eleições Ciro vem fazendo críticas à postura do PT frente à política nacional, assim como já chegou a criticar, durante um discurso em um evento da União Nacional dos Estudantes (UNE), o posicionamento de alguns jovens em defesa de políticos envolvidos em corrupção.

Nesta sexta, entretanto, Ciro foi cordial e esteve ao lado de Haddad, que vestia uma camisa com os dizeres “Lula Livre”. O atual governador cearense, Camilo Santana (PT), também esteve na ocasião.

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) divulgou ontem texto nas redes sociais no qual lamenta "mal-entendidos" com a comunidade judaica após associar judeus à corrupção em uma entrevista publicada em abril. Duas entidades israelitas o processaram por antissemitismo. "Lamento mal-entendidos que possam ter havido, produtos de desonestidade jornalística ou de mal (sic) emprego eventual da língua portuguesa. Sei também que generalizações podem eventualmente levar a injustiças", escreveu Ciro.

O presidente da Confederação Israelita do Brasil (Conib), Fernando Lottenberg, disse que a fala era um "gesto importante de reconhecimento de seu erro" e que vai reavaliar a ação judicial. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

##RECOMENDA##

O candidato à Presidência da República pelo PDT nas eleições de 2018, Ciro Gomes, divulgou um vídeo em suas redes sociais onde ele faz críticas à gestão da política ambiental do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e diz que o Brasil está ganhando os holofotes internacionais de forma negativa.

“Essa devastação sem precedentes que está acontecendo na Amazônia, um agravamento terrível desta crise, que está chamando a atenção do mundo, pelas declarações estapafúrdias dos nossos governantes, provocou uma sequência de declarações que são extraordinariamente avassaladoras para o Brasil”, alegou o pedetista.

##RECOMENDA##

Em sua fala, o ex-governador do Ceará chama a atenção para o posicionamento de lideranças estrangeiras e sobre os conflitos que Bolsonaro está criando com os chefes de estado de nações importantes para o Brasil. Além disso, Ciro sugere a demissão do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

“Enquanto isso, nós brasileiros, assistimos perplexos a uma sequência de declarações estapafúrdias. E eu me senti obrigado, por responsabilidade ao Brasil, a fazer algumas sugestões ao senhor presidente Jair Bolsonaro. É preciso que ele cale a boca e pare de falar tantas coisas que só põem gravame nesta situação terrível. Que viaje tão logo quanto possível para a região. Que demita este canalha, incompetente e corrupto que ele nomeou para o Ministério do Meio Ambiente, como um sinal de satisfação ao povo brasileiro e à comunidade internacional, de que está querendo o problema. E, a partir desta reunião, tome imediatas providências para conter esse devastador incêndio”, opinou Ciro.

Ex-governador do Ceará, Ciro Gomes usou o Twitter para expressar, mais uma vez, sua preocupação com a situação da floresta amazônica e ponderar que o desmatamento pode gerar lucro a curto prazo, mas a maior rentabilidade do local acontecerá se a floresta continuar de pé. 

“A floresta vale muitos mais trilhões de dólares em pé do que cortada, dando milhõezinhos por curto prazo. Porque ali estão os princípios ativos da nova farmácia, da nova química, a base da biotecnologia, uma plataforma para a bioenergia: tudo que o mundo cobiça”, observou Ciro, em vídeo gravado durante um ato.

##RECOMENDA##

Segundo o candidato à Presidência pelo PDT em 2018, o que importa são os biomas e a biodiversidade da Amazônia. “Não é desmatar pra vender quatro troncos de mogno ilegal e botar gado pra vender por trocados. Isso é uma estupidez”, disparou.

Na avaliação de Ciro, todos os brasileiros estão preocupados com a situação da Amazônia e a estratégia de países do exterior de usar a “irresponsabilidade dos governantes do país para subir um degrau na vontade que tem de estruturar um controle internacional sobre este acervo, que não é bom derrubar”.

[@#video#@]

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), divulgou um vídeo chamando o presidente Jair Bolsonaro (PSL) a responsabilidade quanto as queimadas que atingem a floresta amazônica. Na gravação, Ciro dá conselhos a Bolsonaro e, entre as recomendações, pede: “cale a boca”. 

Na avaliação do candidato do PDT a presidente em 2018, a “devastação que acontece na Amazônia” tem sido agravada pelas “declarações estapafúrdias dos nossos governantes” e isso pode gerar consequências negativas para o país. 

##RECOMENDA##

“Eu me senti obrigado, por responsabilidade com o Brasil, a fazer sugestões ao senhor presidente Jair Bolsonaro: é preciso que ele cale a boca, pare de falar tantas coisas que só põe gravame nessa situação tão terrível, viaje tão logo para a região, que demita esse canalha incompetente e corrupto que ele nomeou para o Ministério do Meio Ambiente como sinal de satisfação ao povo brasileiro de que está querendo resolver o problema e tome imediatas providências para conter esse devastador incêndio”, enumera Ciro Gomes. 

Segundo Ciro, Portugal e países norte-americanos têm equipamentos que podem ajudar o Brasil a conter o fogo que tem atingido a Amazônia. “Pare de falar bobagem, assuma a responsabilidade e tome a linha de frente na defesa desse patrimônio dos brasileiros, mas que é também objeto da cobiça internacional”, alertou o pedetista. 

“É preciso apagar o fogo político que bota muita bobagem, muito disparate, muita declaração estúpida que pode fazer com que o Brasil não seja mais considerado apto a gerir esse patrimônio”, completou. 

O ex-governador ainda refutou as afirmativas de Bolsonaro de que as Organizações Não Governamentais (ONGs) estariam por trás das queimadas. “O presidente da República não pode ser um palpiteiro, ele tem bons serviços de inteligências e se há algum elemento criminoso disso, ou quem quer que seja, o presidente não pode dar palpites, tem que mandar prender”, disse Ciro.

E emendou: “se quiserem flagrante eu dou uma pista, houve um movimento que chamou o dia do fogo e essas pessoas, despudoradamente, certos de que estão protegidos pelo presidente, anunciaram um dia que esse fogo começou”. 

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), afirmou neste sábado (17) que é “muito grave” a postura do presidente Jair Bolsonaro (PSL) diante de órgãos como o Itamaraty, a Receita Federal e a Polícia Federal (PF). O pedetista referia-se, entre outros pontos, a interferência do presidente na substituição do superintendente da PF no Rio de Janeiro, Ricardo Saadi. 

A mudança, inclusive, vem sendo ligada à investigação contra o ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, por movimentações bancárias atípicas.

##RECOMENDA##

“É muito grave! Por motivação miúda e familiar Bolsonaro está avançando contra os três mais profissionais, técnicos e respeitados mundialmente núcleos do serviço público brasileiro: o Itamaraty, a Receita Federal e a Polícia Federal”, escreveu Ciro Gomes em publicação no Twitter.

“As duas últimas para acobertar a notória indicação de corrupção de seus filhos (caso Queiroz) e o primeiro para transformar em pessoal e familiar seus interesses entreguistas na embaixada do Brasil nos Estados Unidos!”, acrescentou.

Segundo Ciro, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) - que foi o órgão que revelou as movimentações nas contas de Queiroz - também “está sendo submetido ao esforço de acobertamento da corrupção da turma Bolsonaro”.

[@#video#@]

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando