Tópicos | foguetes

Na última sexta-feira (31), a NASA anunciou a seleção de três empresas comerciais para enviar a primeira rodada de plataformas robóticas à Lua. O objetivo é estudar a superfície lunar para ajudar a adaptar os astronautas ao satélite terrestre. As três empresas escolhidas são as norte-americanas Astrobotic, Orbit Beyond e Intuitive Machines. 

Elas devem desenvolver espaçonaves pequenas que possam transportar de forma segura cargas úteis e instrumentos da NASA. Elas aeronaves espaciais devem levantar voo em 2020 e 2021.

##RECOMENDA##

Apesar de não haver tripulantes as espaçonaves devem ajudar o projeto Artemis da Nasa. que busca enviar a primeira mulher e o próximo homem à superfície lunar. Em novembro, a NASA selecionou nove empresas para participar do programa  de Serviços de Carga Lunar Comercial (CLPS), da qual o Artemis faz parte. As empresas anunciadas são apenas as primeiras que devem ser selecionadas para dar continuidade ao projeto.

A Orbit Beyond afirma que lançará seu lander - temporariamente chamado Z01 - em cima de um SpaceX Falcon 9, carregando até quatro cargas já em setembro de 2020. As outras, Astrobotic e Intuitive Machines,  devem fazer seus lançamentos entre junho e julho de 2021.

As companhias deverão construir suas bases de aterrissagem, anexar os instrumentos, fazer com que os veículos sejam lançados em foguetes, operar a espaçonave no espaço e entregar o equipamento na Lua em uma única viagem. A iniciativa é semelhante ao Programa de Tripulação Comercial da NASA, que dá às empresas privadas mais controle sobre suas missões e espaçonaves.

Até 30 de setembro, estão disponíveis as inscrições para a segunda edição da Olimpíada Pernambucana de Foguetes (OPEFOG). Promovido pelo Núcleo de Astronomia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), o evento tem o objetivo de difundir o conhecimento por meio da interação de estudantes de nível médio de escolas públicas e privadas, com foco na iniciativa científica.

A Olimpíada é gratuita e receberá a ajuda de professores. Caberá aos docentes representarem os estudantes durante o lançamento dos foguetes que deverão ser criados pelos alunos. Serão concedidas medalhas de ouro, prata e bronze aos candidatos que alcançarem as maiores distâncias por meio das plataformas - feitas de materiais recicláveis, por exemplo, como garrafas pet -.

##RECOMENDA##

Mais de 40 medalhas foram distribuídas na primeira edição da OPEFOG. Outros detalhes da competição educativa, principalmente em relação aos procedimentos de lançamento dos foguetes, devem ser obtidos no regulamento.  

Embarcações iranianas realizaram testes com foguetes na semana passada perto de navios de guerra dos EUA e de frotas comerciais no Estreito de Ormuz, afirmou o exército norte-americano. A passagem marítima entre o Irã e Omã é importante para navios que participam do combate ao Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Embora os EUA já tenham se queixado de outros movimentos iranianos na região, o incidente ocorrido no sábado veio depois de uma série de testes com armas e outras manobras realizadas pelo Irã após o fechamento de um acordo nuclear entre o país e governos ocidentais. Autoridades iranianas e a imprensa local não falaram sobre o caso.

##RECOMENDA##

O porta-voz do Comando Central dos EUA, Kyle Raines, afirmou em comunicado que embarcações da Guarda Naval Revolucionária Iraniana dispararam "vários foguetes não guiados" a cerca de 1.370 metros do transportador de aeronaves USS Harry S. Truman, do destroyer USS Bulkeley e da fragata francesa FS Provence. Raines disse que "as ações foram altamente provocativas". Fonte: Associated Press.

Quatro foguetes lançados do lado sírio das Colinas de Golã caíram nesta quinta-feira (20) no norte de Israel, sem deixar vítimas, indicou o exército. Segundo fontes de segurança, os projéteis provocaram princípios de incêndios. Não se sabe quem os lançou ou as razões destes disparos.

Seu alcance, assim como o envio de quatro foguetes, diminui a probabilidade de que sejam projéteis lançados no contexto do conflito sírio e que por azar tenham passado para o lado israelense, como costuma ocorrer com frequência. Em resposta, Israel advertiu nesta quinta-feira a Síria que pode haver consequências.

"Estes lançamentos são obra da Jihad Islâmica, que atua sob ordens do Irã, e consideramos que o governo da Síria é responsável", informou o exército israelense, ressaltando que os foguetes caíram na Galileia e na zona das Colinas de Golã ocupada por Israel.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e o ministro da Defesa Moshé Yaalon realizaram na terça-feira um giro de inspeção no norte, em meio a fortes medidas de segurança devido à presença do movimento armado libanês Hezbollah do outro lado da fronteira com o Líbano e pela guerra civil na Síria.

Israel ocupa desde 1967 1.200 km2 das Colinas de Golã, anexadas em 1981, enquanto 510 km2 seguem sob controle sírio. A anexação por Israel é considerada ilegal pela comunidade internacional.

Um instituto de pesquisa dos Estados Unidos e da Coreia do Sul afirmaram que a reforma do principal local de lançamento de foguetes na Coreia do Norte foi completada, em meio à expectativa na Coreia do Sul que um foguete possa ser lançado em outubro, aniversário do partido comunista norte-coreano.

De acordo com oficiais da Coreia do Sul, os vizinhos do norte devem celebrar os 70 anos do Partido Comunista no poder com uma "provocação estratégica", provavelmente um lançamento de foguete da costa oeste de Sohae.

##RECOMENDA##

O instituto afirma que imagens de satélite mostram que a Coreia do Norte trabalhou rápido para construir um novo prédio na plataforma de lançamento aonde os foguetes serão preparados. Os norte-coreanos também construíram uma estrutura em trilhos, de uma altura elevada, que será usada para levar os foguetes para a plataforma de lançamento.

O instituto, entretanto, afirmou que não há evidências de que a preparação de um lançamento está ocorrendo. Fonte: Associated Press.

Jatos israelenses dispararam contra três locais em Gaza nesta segunda-feira  (28) depois de um foguete ter sido lançado contra Israel, informou o Exército, interrompendo um período de relativa calmaria no território, no início de um feriado importante muçulmano.

Os ataques aconteceram após uma pausa de quase 12 horas nos confrontos e no momento de intensificação dos esforços internacionais para encerrar as três semanas de guerra entre Israel e o Hamas. A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu um cessar-fogo "imediato" do conflito que já matou mais de 1.030 palestinos e 43 soldados e três civis do lado israelense.

##RECOMENDA##

O Exército de Israel disse ter atingido dois lançadores de foguetes e uma instalação de fabricação desse tipo de armamento nas regiões central e norte de Gaza, depois de um foguete ter caído no sul de Israel no início do dia. O foguete não provocou danos nem deixou feridos.

Pelo menos dois palestinos foram mortos nesta segunda-feira. Um menino de 4 anos morreu quando um disparo de tanque atingiu a casa de sua família em Jabaliya, norte de Gaza, informaram funcionários da área da saúde. Outra pessoa morreu por causa de um disparo de tanque em outro incidente, que também aconteceu em Jabaliya.

Mais cedo, o Exército israelense havia dito que não tinha realizado qualquer ataque contra Gaza desde as 21h30 de domingo, mas que tropas em solo avançavam na missão de destruir túneis na fronteira construídos pelo Hamas para realizar ataques em território israelense.

Militares israelenses também realizaram disparos de artilharia em Beit Lahiya, norte de Gaza, em resposta a um foguete disparado contra Ashkelon, declarou um porta-voz militar de Israel. O Exército disse que oito foguetes haviam sido disparados contra Israel desde a meia-noite.

Na medida em que os muçulmanos começam a celebrar o feriado do Eid al-Fitr nesta segunda-feira, data que marca do fim do mês sagrado do Ramadã, havia temor e luto em vez de alegria na Faixa de Gaza.

Em Nova York, uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU pediu um "cessar-fogo humanitário imediato e incondicional". Embora esta tenha sido a mais forte declaração do conselho sobre o conflito em Gaza, não se trata de uma resolução e, portanto, não é vinculativa.

O embaixador palestino na ONU, Riyad Mansour, não escondeu seu desapontamento. Ele disse que o conselho deveria ter adotado uma resolução forte e legalmente vinculativa tempos atrás exigindo a imediata interrupção da "agressão" israelense, dando ao povo palestino proteção e levantando o cerco à Faixa de Gaza para que bens e pessoas pudessem se movimentar livremente.

"Não se pode manter 1,8 milhão de civis palestinos na Faixa de Gaza nesta enorme prisão", disse Mansour aos repórteres. "Esta é uma receita para o desastre. É desumano, tem de ser interrompido e (o bloqueio) tem de ser levantado."

O embaixador israelense na ONU, Ron Prosor, também criticou a declaração, embora de uma perspectiva diferente, afirmando que ela não era equilibrada porque não mencionou o Hamas, o disparo de foguetes em direção a Israel e o direito de Israel de se defender. Fonte: Dow Jones Newswires.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, apresentou nesta segunda-feira (10) os foguetes interceptados em um navio capturado no Mar Vermelho na semana passada, que supostamente estariam sendo transportados do Irã para a Faixa de Gaza, e acusou a comunidade internacional de ignorar o apoio iraniano a grupos militantes e ser vítima de engodo pela nova liderança de Teerã. Dezenas de foguetes verdes foram exibidos em suportes de metal atrás de um pódio, de onde Netanyahu falou a jornalistas no porto de Eilat. Pilhas de balas e morteiros envoltos em plástico também estavam dispostos no local.

"Há aqueles que preferiam que nós não realizássemos esta entrevista coletiva aqui hoje, eles se sentem desconfortáveis que mostramos o que realmente está ocorrendo dentro do Irã", disse Netanyahu, com o navio capturado e as embarcações israelenses envolvidas na operação ao fundo e acompanhado do ministro da Defesa israelense. "O Irã, um regime brutal, não abandonou o seu forte envolvimento em terrorismo e os seus esforços sistemáticos para minar a paz e a segurança ao longo do Oriente Médio e sua ambição de destruir o Estado de Israel."

##RECOMENDA##

Um oficial militar mostrou uma nota de conhecimento de carga e outras evidências que ligariam o navio ao Irã, incluindo sacos de cimento com a indicação "Fabricado no Irã" e vedações metálicas na carga que indicariam que ela foi inspecionada por autoridades de aduana iranianas antes de ser embarcada no navio Klos C, de bandeira panamenha.

O Irã nega qualquer ligação com a carga e acusa Netanyahu de encenar a interceptação, que ocorreu enquanto ele estava nos Estados Unidos, para inviabilizar a melhoria das relações de Teerã com o Ocidente. O grupo militante Hamas, que governa Gaza, e o grupo Jihad Islâmica, que têm laços com o Irã, também disseram não ter ligação com as armas apreendidas.

Israel acredita que o Irã está tentando construir uma arma nuclear e critica os esforços das seis potências mundiais que negociam uma redução no programa nuclear iraniano em troca da suspensão de sanções internacionais. O Irã nega que esteja desenvolvendo a tecnologia necessária para criar armamentos nucleares.

A porta-voz do Departamento de Estado Jen Psaki disse a repórteres em Washington que os EUA estão preocupados com o apoio do Irã a militantes, mas ainda estão focados em resolver a questão nuclear. Fonte: Associated Press.

 

As Forças Armadas de Israel anunciaram ter interceptado nesta quarta-feira (5) um navio no Mar Vermelho, entre a Eritreia e Sudão, que carregava "armamento avançado" iraniano supostamente destinado à Faixa de Gaza. "Mais cedo, o IDF (Exército israelense) evitou uma tentativa de contrabandear um carregamento iraniano de armamento avançado destinado a organizações terroristas que operam na Faixa de Gaza", disse o Exército em comunicado.

O navio, chamado KLOS C, levava foguetes de fabricação síria M-302 e foi interceptado mais de 1,6 mil quilômetros ao sul de Israel entre as costas do Sudão e da Eritreia, afirmou o porta-voz militar tenente-coronel Peter Lerner a repórteres. Ele ressaltou que os M-302 têm alcance de até 160 quilômetros e teriam melhorado significativamente as capacidades de militantes de Gaza, colocando quase todo o território de Israel sob alcance. O grupo militante libanês Hezbollah usou M-302 em uma guerra com Israel em 2006, segundo as Forças Armadas israelenses. Autoridades iranianas ainda não se manifestaram sobre as acusações de Israel.

##RECOMENDA##

A operação, de codinome "Revelação Completa", ocorreu após meses de trabalho de inteligência. Lerner afirmou que a carga foi montada na Síria. De lá, as armas foram levadas em voo para o Irã, de onde partiram a partir do porto de Bandar Abbas. O carregamento se destinava ao Sudão, de onde seria movimentado por terra através do Egito para Gaza.

Conforme o tenente-coronel, a tripulação de 17 homens do navio, que navegava com bandeira do Panamá, não era considerada suspeita e, provavelmente, não sabia o qual era o conteúdo do carregamento.

O ministro da Defesa de Israel, Moshe Yaalon, disse que as armas eram estrategicamente "importantes". "O Irã treina, financia e arma grupos terroristas na região e em todo o mundo e suas tentativas frustradas de transferir armas descobertas esta manhã são mais uma prova disso", afirmou. Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.

Vários foguetes e morteiros disparados da Síria atingiram o leste do Líbano neste sábado, segundo autoridades de segurança do país. As tensões aumentam entre os dois países fronteiriços à medida que os militantes do Hezbollah começam a ter um papel importante na guerra civil síria.

Autoridades libanesas, que falaram sob condição de anonimato, informaram que a região de Baalbek foi atingida 18 vezes, provocando incêndio na região, mas sem causar vítimas.

##RECOMENDA##

Os rebeldes sírios dispararam dezenas de foguetes na região de Hermel, nordeste do Líbano, nas últimas semanas, mas o ataque de sábado foi o primeiro em Baalbek, um reduto do Hezbollah. As autoridades disseram que as aldeias de Yanta, Brital e Saraeen estavam entre as regiões atingidas.

O grupo libanês está lutando ao lado das forças do presidente sírio, Bashar Assad, contra os rebeldes que pretendem derrubá-lo. O envolvimento do Hezbollah na guerra da Síria aumentou acentuadamente em abril, quando os combatentes do grupo e as forças do governo sírio deram início a uma grande ofensiva para recapturar Qusair, que havia sido tomada por rebeldes pouco depois da revolta contra Assad, que começou em março de 2011.

A guerra civil da Síria está cada vez mais se espalhando para o vizinho Líbano, onde confrontos entre as forças que se opõem a Assad deixaram dezenas de mortos e feridos nos últimos meses.

O Líbano e a Síria compartilham uma complexa rede de laços e rivalidades políticas e sectárias que são facilmente inflamadas. A população do Líbano está profundamente dividida sobre o conflito, que começou com protestos pacíficos, mas depois degenerou em uma guerra civil.

Alguns sunitas libaneses apoiam os rebeldes sírios, que também são na sua maioria sunitas, enquanto alguns xiitas apoiam o regime de Assad, dominado por sua seita alauíta, uma ramificação do islamismo xiita. As informações são da Associated Press.

Dezenas de foguetes disparados da Síria atingiram o leste do Líbano neste sábado (1°) disseram autoridades de segurança do país. As tensões aumentam entre os dois países fronteiriços à medida que os militantes do Hezbollah começam a ter um papel importante na guerra civil na Síria. As autoridades de segurança libanesas disseram que a região de Baalbek foi atingida 16 vezes, provocando incêndio, mas sem deixar vítimas. Eles falaram sob condição de anonimato.

Os rebeldes sírios dispararam dezenas de foguetes na região de Hermel, nordeste do Líbano, nas últimas semanas, mas o ataque deste sábado foi o primeiro em Baalbek, uma reduto do Hezbollah. As autoridades disseram que as aldeias de Yanta, Brital e Saraeen estavam entre as regiões atingidas.

##RECOMENDA##

O grupo libanês está lutando ao lado da forças do presidente Bashar Assad contra os rebeldes que pretendem derrubá-lo. O envolvimento do Hezbollah na guerra da Síria aumentou acentuadamente em abril, quando os combatentes do grupo e as forças do governo sírio deram início a uma grande ofensiva para recapturar Qusair, que havia sido tomada por rebeldes pouco depois da revolta contra Assad, que começou em março de 2011.

A guerra civil da Síria está cada vez mais transbordando para vizinho Líbano, onde confrontos entre as forças que se opõem a Assad deixaram dezenas mortos e feridos nos últimos meses.

O Líbano e a Síria compartilham uma complexa rede de laços e rivalidades políticas e sectárias que são facilmente inflamadas. A população do Líbano está profundamente dividida sobre o conflito, que começou com protestos pacíficos, mas depois degenerou em uma guerra civil.

Alguns sunitas libaneses apoiam os rebeldes sírios, que também são na sua maioria sunitas, enquanto alguns xiitas apoiam o regime de Assad, dominado por sua seita alauíta, uma ramificação do islamismo xiita. As informações são da Associated Press.

A Coreia do Norte colocou seu Exército em estado de prontidão para combate nesta terça-feira (26), com unidades "estratégicas" de foguetes ordenadas a se prepararem para possíveis ataques contra os Estados Unidos continental e as ilhas do Havaí e Guam, informou a mídia estatal.

"O alto comando do Exército Popular da Coreia declara que todas as tropas de artilharia, incluindo unidades de foguetes estratégicas e unidades de artilharia de longo alcance sejam colocadas sob a classe-A de prontidão de combate", disse a Korean Central News Agency. As informações são da Dow Jones.

##RECOMENDA##

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando