Tópicos | Ensino

O Sindicato Municipal dos Profissionais de Ensino da Rede Oficial do Recife (Simpere) anunciou, nessa quinta-feira (10), que a categoria votou e decidiu, em assembleia geral, manter as atividades exclusivamente remotas. Os profissionais da Educação seguirão em estado de greve até que haja a imunização de 60 a 80% da população.

A decisão foi tomada no mesmo dia em que a Prefeitura do Recife divulgou o plano de reabertura das escolas municipais a partir do dia 22 de julho, começando pelos alunos dos anos finais até os anos iniciais no dia 3 de agosto, quando também está previsto para retomar a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e as creches.

##RECOMENDA##

De acordo com o Simpere, mesmo havendo um protocolo sanitário de segurança contra a Covid-19 para volta às aulas, uma pesquisa realizada com profissionais da categoria mostrou que 98% dos 536 professores que responderam ao questionário se sentem inseguros com a possibilidade do retorno sem vacina, e 94,3% acreditam que os protocolos sanitários não serão suficientes para garantir o distanciamento, mesmo em sistema de rodízio. A pesquisa ainda constatou que apenas 19% das escolas têm janelas em todas as salas de aula, e apenas 17% relatam que as pias e vasos sanitários estavam funcionando em plena capacidade antes da pandemia.

A  coordenadora geral do Simpere, Claudia Ribeiro, afirmou, por meio de nota, que as escolas do município não conseguem garantir uma segurança sanitária adequada aos alunos. “Diante do alto índice de contaminação e morte pela Covid-19 no Estado, somada a 97% de ocupação dos leitos das UTIs, qualquer anúncio de retorno das atividades presenciais é uma temeridade. As escolas do Recife não conseguem garantir minimamente o distanciamento social no seu espaço interno. O histórico problema na estrutura física das escolas não foi resolvido”, pontuou.

Segundo o sindicato, nem todos os profissionais da Educação foram vacinados ainda. O município está apenas com 15% da população imunizada com as duas doses, ou seja, 234 mil de 1,555 milhões de habitantes.

O Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) em Pernambuco está com vagas abertas para compor banco de talentos de contratações temporárias. Os currículos podem ser enviados pela plataforma própria de recrutamento da instituição.

As oportunidades disponíveis no momento são para os cursos de Programador Web, Autocad, Técnico em Massoterapia e Técnico em Podologia. Os selecionados ministrarão as atividades na unidade de Educação Profissional e de Imagem Pessoal, localizada no bairro de Santo Amaro, no Recife.

##RECOMENDA##

Além dos critérios específicos para cada área do conhecimento, os aprovados devem fornecer disponibilidade para aulas presenciais no horário da manhã, tarde ou noite. Para concorrer à vaga de instrutor do curso de Programador Web, o candidato deve ter curso superior na área de tecnologia da informação. Também precisa apresentar experiência com desenvolvimento web; conhecimento de frameworks frontend (Vue, React e Angular) e backend (Express, Sprint e Laravel) linguagens Java, Node, PHP, HTML, CSS e Javascript; banco de dados SQL e NoSQL (Mysql, Postgres, MongoDB); conhecimentos em métodos ágeis SCRUM e XP; conhecimento de Docker e deploy de aplicação em nuvem com AWS, Heroku ou outros.

Os que se candidatarem para assumir o curso de Autocad devem possuir diploma superior em arquitetura, engenharia ou design. Já para os interessados em lecionar nos cursos técnicos de podologia e massoterapia, é necessário apresentar diploma de graduação na área de saúde. O Senac ainda informa que os candidatos serão contatados pelo e-mail utilizado na inscrição.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou, nesta sexta-feira (23), os indicadores de qualidade da educação superior. De acordo com o órgão, das 106 instituições públicas federais de ensino superior avaliadas, 71% delas atingiram os conceitos 4 e 5 no Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC) 2019.

Ao todo, os resultados foram calculados para 2.070 instituições públicas e privadas, considerando os 24.145 cursos avaliados entre 2017 e 2019. Na edição 2019, 87,1% (1.801) das instituições participantes são privadas e 12,9% (269), públicas. A maioria (73,1%) é composta por faculdades, seguida dos centros universitários (15,6%) e das universidades (9,4%). Por fim, estão os institutos federais e centros federais de educação tecnológica, que, juntos, representam 1,9% das instituições de ensino com o índice atribuído nesta edição. A concentração na faixa 3 abarcou mais da metade das instituições avaliadas (63,77%).

##RECOMENDA##

Com relação às 1.507 faculdades com IGC, 83,4% delas obtiveram conceito igual ou acima de 3. Já quando se trata dos 326 centros universitários, o percentual correspondente às três faixas de maior desempenho é de 98,5% (321). No caso das 197 universidades, 99% (195) alcançaram desempenho nas faixas de 3 a 5. Dos 40 institutos federais e centros federais de educação tecnológica, 65% (26) ficaram na terceira e 35% (14) na quarta faixa do IGC.

Segundo a pasta, os Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte apresentaram os melhores resultados no IGC 2019, obtendo, respectivamente, 9,2%, 6,7% e 4,2% de suas instituições de educação superior com faixa 5 no indicador. Do total de 2.070 instituições avaliadas, apenas 2,2% alcançaram essa faixa.

Na segunda maior faixa do indicador, Rio Grande do Sul (39,4%), Ceará (33,3%) e Distrito Federal (30,6%) foram os que obtiveram, proporcionalmente, o maior número de instituições com IGC 4. Considerando o total das instituições de educação superior avaliadas, 21,64% se enquadraram nessa faixa.

Já por regiões, o órgão aponta que em valores absolutos, o Sudeste apresentou o maior número de instituições com faixa 5. A região também é a que possui mais instituições com o IGC calculado, destacando-se Minas Gerais (265) e São Paulo (509). Este último estado lidera o conjunto de instituições mais bem avaliadas: são 16 na faixa 5 e 84 na faixa 4.

No Nordeste, Bahia e Ceará são os estados com a maior quantidade de instituições nas faixas 4 e 5 do indicador, sendo 27 e 19 instituições, respectivamente, participando desse processo avaliativo. Já no Sul, destacam-se, com conceitos nas faixas 4 e 5 do IGC 2019, os Estados do Paraná (48) e do Rio Grande do Sul (46). 

Os indicadores apontaram que nenhuma das instituições avaliadas das regiões Centro-Oeste e Norte atingiu a faixa 5 nesta edição. Contudo, o Distrito Federal é destaque no Centro-Oeste, com 15 instituições na faixa 4, enquanto o Pará é o estado da região Norte com maior quantidade de instituições nessa faixa.

Para o cálculo das 2.070 instituições de educação superior na edição 2019 do IGC, foram considerados os resultados do Conceito Preliminar de Curso (CPC) de 24.145 cursos avaliados entre 2017 e 2019 e os dados de 4.679 programas de mestrado e doutorado oferecidos pelas instituições em 2019. Confira todos os resultados na página virtual do Inep.

[@#galeria#@]

Em virtude do agravamento da pandemia do novo coronavírus, governos ampliaram as medidas de restrição e adotaram lockdown em vários Estados brasileiros. Com a volta do pico da doença, isolamento social mais rigoroso e a paralisação das aulas presenciais, a situação das crianças autistas causa preocupação.

##RECOMENDA##

Segundo Vanessa Mendes, terapeuta ocupacional da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE-PA) e mãe de um adolescente autista, os desafios enfrentados com relação ao ensino remoto e afastamento social são muitos. "Meu filho teve poucas dificuldades para aderir ao ensino remoto. Conversei e expliquei, de forma lúdica e de acordo com seu entendimento, sobre a pandemia e a necessidade de ficar em casa. Mas como os aparelhos eletrônicos são seu hiperfoco, ele tem certa dificuldade em manter sua atenção para a aula, necessitando do acompanhamento de um adulto", relatou.

O autismo, explicou Vanessa,  é um espectro. Portanto, observou, cada um possui um tipo de comportamento. "Uns conseguem acomodar melhor a mudança de rotina do que outros, uns aceitam melhor o celular ou computador do que outros, devido ao hiperfoco. Existem autistas que precisam se movimentar muito para se acalmarem, o que torna quase impossível a permanência na frente da tela. Diante da neurodiversidade que é o autismo, várias são as dificuldades que as famílias enfrentam", afirmou.

Para Marcela Castro, professora de linguagens e redação e também mãe de um adolescente autista, o isolamento social foi muito difícil. "Isso é a perspectiva da minha família. Como meu trabalho exige muita produção e correção, ele não consegue compreender que eu e o pai dele não estamos mais em casa para poder brincar com ele e sim para trabalharmos, ele associa o meu trabalho a sair de casa. Então isso foi muito difícil, ele inclusive chegou a regredir em algumas situações básicas do dia a dia", disse.

Marcela e Vanessa concordam sobre o problemas acarretados pela pandemia. "No meu caso, existem muitos desafios relacionados à adolescência do meu filho, como a explosão hormonal e crises de agressividade, tristeza e mudanças de humor, além de ter que manter a minha saúde mental, a do meu filho e a do meu marido também", falou Marcela.

Para Vanessa, as experiências variam muito com as características que cada autista possui. "Podemos citar a capacidade de manter as habilidades de convívio social, habilidade de conseguir se precaver do vírus, fazendo o uso do álcool em gel e da máscara (que pode ser difícil para alguns casos), adaptar-se a nova dinâmica de distanciamento e quebra de rotinas e compreender novas regras sociais e de evitar o contato físico", expôs.

A terapeuta indicou possíveis saídas para o problema durante o confinamento. "Fornecer atividades com mais estímulos visuais e motores para aqueles que necessitam de um dinâmica rica em experiências sensoriais para ter atenção, envio de material adaptado, manter, na medida do possível, a programação comum da criança, fazer videochamada para a pessoa ver familiares e amigos e ter momentos de brincar", concluiu Vanessa.

Na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), a aprovação de uma nova lei ampliou a atenção para pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TDA). A legislação pretende garantir assistência especializada e igualdade de direitos a pessoas autistas, no Pará.

Por Haroldo Pimentel e Roberta Cartágenes.

 

Encerram nesta quarta-feira (31) as inscrições para o curso especial de inglês para adolescentes, organizado pela Diretoria de Relações Internacionais (DRI) e Coordenação de Línguas e Interculturalidade da Universidade Federal de Pernambuco (Cling/UFPE). Os valores de matrícula para alunos externos e alunos do Colégio de Aplicação (Cap) são R$ 500 e R$ 250, respectivamente.

A metodologia aplicada é a do ensino com base no conteúdo (content-based teaching), que busca contextualizar assuntos diversos para pautar o ensino de língua inglesa. Os temas são relacionados aos 'Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030)'.

##RECOMENDA##

O curso é voltado a jovens de 11 a 17 anos, para que aprendam inglês por meio de debates contemporâneos próprios para empoderamento juvenil. As aulas serão todas on-line.

Serão dois módulos da formação, divididos pelas idades dos alunos. O módulo ‘Junior English 101’ terá duas turmas no nível iniciante (uma nas segundas e quartas-feiras e outra nas terças e quintas-feiras, ambas das 16h às 17h30), para estudantes com idade entre 11 e 14 anos; e o módulo ‘Freshman English’, voltado para alunos entre 15 e 17 anos, também em nível iniciante, sendo uma turma aos sábados, das 14h às 16h. São 22 vagas para cada turma.

O Censo Escolar 2020, em sua segunda etapa, registrou respostas de 72.710 escolas de educação básica de um total de 179.533 unidades de ensino espalhadas por todo País. Realizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (Inep), o levantamento mede a reposta educacional relacionada à pandemia do novo coronavírus no Brasil.

As escolas têm até 7 de abril para enviarem suas respostas por meio do Sistema Educacenso. Os resultados estão previstos para serem divulgados em junho.

##RECOMENDA##

Os dados coletados na pesquisa, por meio do formulário, servirão para a elaboração de medidas e estratégias mais eficazes para diminuir as consequência da crise sanitária no ensino. Segundo o Inep, 47,3 milhões de estudantes foram matriculados na educação básica em 2020.

Os dados coletados servirão, também, para o Inep ter um parâmetro da situação dos estudantes. Serão identificados, por exemplo, alunos que tinham sido aprovados, reprovados, além dos que evadiram ou faleceram.

Mudança de data

Inicialmente marcada para maio, a data de referência da pesquisa foi adiantanda para março levando em consideração o quadro epidemiológico do País que interrompeu as atividades presenciais na maioria das escolas. Diferentemente da segunda etapa, que avalia as escolas no contexto pandêmico, a primeira fase apurou a situação antes da crise sanitária da Covid-19 e por isso não reflete as consequências da pandemia.

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente um projeto aprovado pelo Congresso que garantiria R$ 3,5 bilhões da União para custear serviços de internet a estudantes e professores da escola pública. O veto de Bolsonaro está publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 19. Pelo texto rejeitado, os recursos viriam principalmente do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) e de dotações orçamentárias do governo federal, seriam repassados a Estados, Distrito Federal e municípios e permitiriam a oferta de internet a alunos carentes por um prazo de seis meses.

Ao aprovar a matéria no fim de fevereiro, os parlamentares concordaram com o argumento do relator, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), de que a medida é urgente e necessária, já que 18 milhões de estudantes brasileiros pobres estão sem acesso à educação por causa da pandemia de covid-19. Professores do ensino fundamental e médio das redes estaduais e municipais e alunos da rede pública pertencentes a famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) seriam beneficiados, assim como escolas de comunidades indígenas e quilombolas.

##RECOMENDA##

Pelo projeto (PL 3.477/2020), os recursos deveriam atender a duas finalidades principais: contratação de soluções de conectividade móvel para a realização e o acompanhamento de atividades pedagógicas não presenciais; e utilização de, no máximo, 50% para aquisição de terminais portáteis, como tablets, que possibilitem acesso a rede de dados móveis.

Para a barrar a medida, Bolsonaro alegou que o projeto não apresenta a estimativa do respectivo impacto orçamentário e financeiro, violando regras constitucionais, fiscais e orçamentárias. "Além disso, a proposição aumenta a alta rigidez do orçamento, o que dificulta o cumprimento da meta fiscal e da Regra de Ouro", destacou o presidente na razão do veto enviada ao Congresso.

O governo de Jair Bolsonaro ponderou, no entanto, que "está empregando esforços para aprimorar e ampliar programas específicos para atender a demanda da sociedade por meio da contratação de serviços de acesso à internet em banda larga nas escolas públicas de educação básica, a exemplo do Programa de Inovação Educação Conectada (PIEC), instituído pelo Decreto nº 9.204, de 2017, e do Programa Banda Larga nas Escolas (PBLE), bem como do Programa Brasil de Aprendizagem, em fase de elaboração, no Ministério da Educação."

As justificativas foram assinadas também pelos ministérios da Economia e da Educação, segundo informa a publicação no Diário Oficial.

O Sebrae lançou, em parceria com os Embaixadores da Educação, o desafio #NãoDesistadaEscola. A iniciativa tem como objetivo reduzir os casos de evasão escolar, além de colocar os estudantes de escolas públicas como lideranças empreendedoras de mudanças em suas comunidades.

Para isso, os jovens são estimulados a gravarem vídeos com até um minuto de duração, incentivando os colegas a não desistirem de estudar. Os conteúdos devem ser publicados nas redes sociais, tais como Instagram, Tik Tok e Twitter, acompanhados da hashtag #NãoDesistadaEscola, marcando os perfis @SEBRAE e @embaixadoresedu.

##RECOMENDA##

Os quatro autores dos vídeos mais criativos ou com maior repercussão, não necessariamente nessa ordem, serão premiados com notebooks, celulares ou tablets. Os 200 primeiros colocados também ganharão o curso A Arte de Sobreviver no Mundo dos Negócios. Para participar, é necessário ser estudante de escola pública no Brasil, preencher o formulário de inscrição e estar cursando a partir do sexto ano do ensino fundamental II, até o terceiro ano do ensino médio. Os estudantes podem publicar quantos vídeos quiserem, até o dia 4 de março. A previsão é que o resultado seja divulgado até o dia 30 de abril.

O gerente de Cultura Empreendedora do Sebrae, Gustavo Cesário, destaca a importância do projeto ter como foco o próprio estudante, falando diretamente com seus colegas. “O desafio traz uma proposta de comunicação de aluno para aluno. Acredito que isso irá aumentar o impacto da campanha entre os jovens, ampliando a consciência da educação como prioridade em suas vidas. O incentivo do uso das redes sociais, associado às linguagens da nova geração, vai proporcionar aos participantes esse papel de liderança em suas comunidades. O Sebrae é parceiro nesta iniciativa e junto com os Embaixadores da Educação, vamos construir uma forte corrente para um futuro em que todos possam sonhar, estudar e realizar”, afirma.

A evasão escolar é um dos problemas sociais que foram agravados com a pandemia do coronavírus. O fechamento de escolas, a suspensão e readaptação dos modelos de aulas são alguns dos fatores que dificultaram a vida dos estudantes. De acordo com pesquisa do DataFolha, feita em setembro de 2020, 31% dos pais de estudantes de escolas públicas temem que seus filhos abandonem a escola. O mesmo levantamento mostra que 4 milhões de alunos já largaram os estudos desde o início da pandemia. A estimativa é que 11 milhões de estudantes possam deixar de ir à escola em 2021.

[@#video#@]

O edital completo com todas as informações pode ser acessado aqui

A iniciativa é uma parceria entre o Sebrae e os Embaixadores da Educação sem fins lucrativos. No ano passado, os Embaixadores da Educação realizaram o desafio #ForaCoronaVirus, voltado para a conscientização dos alunos de escolas públicas sobre a pandemia. A campanha ultrapassou 100 milhões de views no Tik Tok.

Da assessoria do Sebrae

A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) abriu uma seleção para três professores substitutos, com titulação de doutorado, para trabalhar em diferentes áreas e departamentos da instituição. Os candidatos devem fazer a inscrição até sexta-feira (19), exclusivamente via internet. O processo seletivo será feito por meio de análise de currículo e do plano de trabalho, a partir do dia 2 de março de 2021.

Os Departamentos de Medicina Social, de Engenharia Ambiental e de Física receberão os classificados para lecionar e coordenar pesquisas em suas áreas. O contrato será por um ano, podendo haver prorrogações sucessivas, desde que não se exceda o tempo total de dois anos de contratação. A remuneração é de R$ 18.663,64, em regime de dedicação exclusiva. 

##RECOMENDA##

A inscrição deverá ser realizada com os seguintes documentos: formulário de inscrição devidamente preenchido, currículo e plano de trabalho a ser executado durante o período de contrato, disponível no site da universidade. Veja mais detalhes sobre o processo seletivo por meio do edital de abertura.

A Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco (SEE-PE) informou que a efetivação de matrículas da rede estadual de ensino encerra nesta sexta-feira (15). Os estudantes devem apresentar as documentações solicitadas diretamente nas escolas. As vagas não confirmadas retornarão para o sistema de cadastro e poderão ser preenchidas entre os dias 18 e 22 de janeiro para os retardatários.

As aulas serão iniciadas no dia 4 de fevereiro. Os estudantes menores de 18 anos devem apresentar a documentação acompanhados dos seus respectivos responsáveis. Para a efetivação da matrícula, é necessário apresentar o número da inscrição do Cadastro de Matrícula 2021; cópia da certidão de nascimento; histórico escolar original ou declaração original da última escola em que estudou; comprovante de residência com CEP; cópia de vacinação, comprovante de tipo sanguíneo e fator RH; e foto 3x4 recente, sempre das 8h às 17h na unidade de ensino selecionada.

##RECOMENDA##

Vale pontuar que as escolas dos municípios jurisdicionados à Gerência Regional de Educação Agreste Centro Norte, em Caruaru, estão contando com um processo de cadastro diferente dos demais municípios do Estado, pois foram selecionadas para integrar um projeto piloto de matrícula totalmente informatizado através do site  Minha Matrícula.

A Secretaria Municipal de Educação do Cabo de Santo Agostinho abriu, nesta quarta-feira (6), o período de matrículas dos estudantes para a rede municipal de ensino. Os responsáveis pelos alunos têm até o dia 14 de janeiro para procurar as unidades de ensino escolhidas e entregar a documentação.

No ato da efetivação, o responsável deverá fornecer os seguintes documentos: cópia da certidão de nascimento ou de casamento; cópia da carteira de vacinação (Educação Infantil e Ensino Fundamental – Anos Iniciais); cópia do CPF; transferência da escola de origem (sem rasuras); cópia do cartão SUS; uma foto 3x4 recente e colorida; laudo médico, no caso de estudante com deficiência; número do NIS (Bolsa-Família); cópia de comprovante de residência com o CEP da rua (maiores de 18 anos).

##RECOMENDA##

Os pais devem levar uma cópia do seu RG e CPF, cópia de comprovante de residência e um número do telefone. Os estudantes que não realizaram o cadastro virtual em novembro do ano passado devem comparecer à unidade de ensino mais próxima da sua residência, nos dias 21 ou 22 de janeiro, para se matricular nas vagas remanescentes.

O Ministério da Educação (MEC) publicou, nesta segunda-feira (28), no Diário Oficial da União (DOU), a portaria que regulamenta a implantação do Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim) em 2021, para elaboração de 54 Escolas Cívico-Militares (Ecim). A iniciativa valerá para instituições estaduais, municipais e distritais.

Para participar, será necessário que o governador ou secretário de Educação dos estados e Distrito Federal e, no caso dos municípios, pelo respectivo prefeito Municipal ou Secretário Municipal, manifestem interesse formal e voluntário. Os estados e Distrito Federal terão o prazo de dez dias, contados do recebimento do Ofício-Consulta, para manifestar interesse, segundo informações do documento. 

##RECOMENDA##

No dia 25 de janeiro será divulgada, no site do MEC, a listagem das manifestações de interesse e as vagas remanescentes e não preenchidas. Na mesma data, os municípios interessados em participar do Pecim terão até cinco dias úteis para manifestar oficialmente interesse. A portaria ressalta que em caso de não encaminhamento pelos Correios do documento será necessário enviá-lo pelo e-mail pecim@mec.gov.br.

De acordo com  o documento, os entes federativos serão orientados a considerar, para seleção e escolha das escolas no ano de 2021, os seguintes critérios: alunos em situação de vulnerabilidade social; preferencialmente, com o número de matrículas de 501 a 1.000; com a oferta das etapas anos finais do ensino fundamental regular e/ou ensino médio regular; com a oferta de turno matutino e/ou vespertino, excetuando-se o noturno; e com a aprovação da comunidade escolar para a implantação do modelo, por meio de consulta pública presencial ou por consulta pública de meio eletrônico. 

Para mais informações, acesse o documento publicado pelo MEC.

Nesta quinta-feira (24), o Ministério da Educação (MEC) informou que devido à grande procura pelo curso on-line de Alfabetização Baseada na Ciência (ABC), a oferta do total de vagas foi dobrada e agora somam 80 mil oportunidades. De acordo com o MEC, as 40 mil vagas iniciais, abertas no dia 8 de dezembro, foram preenchidas em 10 dias. 

A produção do curso, que é parte do programa de alfabetização escolar Tempo de Aprender, resulta da cooperação internacional entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Secretaria de Alfabetização (Sealf) do MEC, a Universidade do Porto (UP), o Instituto Politécnico do Porto (IPP) e a Universidade Aberta de Portugal (UAb). A parceria prevê, além da formação a distância, levar professores alfabetizadores a Portugal em 2021 e 2022. 

##RECOMENDA##

A capacitação é destinada aos profissionais da educação que atuam na alfabetização de crianças e estudantes de licenciaturas. Os interessados podem realizar as inscrições gratuitamente, pela internet

O curso conta com uma carga horária de 160 horas e terá início em 11 de janeiro de 2021. As aulas serão realizadas no Ambiente Virtual de Aprendizagem do MEC (Avamec), por meio de vídeos, materiais de leitura e tarefas de estudo, concebidos de acordo com os princípios da gamificação e dos recursos abertos.

“O objetivo é melhorar a qualidade da alfabetização das nossas crianças, um compromisso do governo brasileiro. Para isso, é preciso preparar e valorizar os nossos professores”, explica Benedito Aguiar, presidente da Capes. “Com esta ação de formação continuada, o MEC renova seu compromisso com a valorização dos profissionais da área da alfabetização, oferecendo à Educação brasileira um curso de alta qualidade, com padrão internacional”, acrescenta Carlos Nadalim, secretário de Alfabetização do MEC.

*Com informações da assessoria de imprensa

A Gerência Regional de Educação (GRE) Mata Norte realiza, nesta sexta-feira (11), dois aulões on-line do projeto “Conectados”. A iniciativa é focada no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e provas do Colégio de Aplicação. 

O aulão destinado a alunos do 9º ano iniciou às 9h, mas pode ser conferido no canal do YouTube da GRE Mata Norte. O segundo aulão é destinado a alunos do 3º ano e inicia a partir das 14h. O momento contará com a presença remota do professor de química Manoel Santana e da professora de literatura Sindea Botelho. As lives são realizadas em parceria com o preparatório Melhores do Mundo, UNINASSAU e educadores das escolas de Mata Norte, de acordo com a SEE-PE.

##RECOMENDA##

"Consideramos esse projeto uma oportunidade ótima para os estudantes dos 3° anos terem acesso a conteúdos que se apresentam na avaliação do Enem e para uma melhor preparação dos estudantes do 9° ano. Tem sido um momento de interação e aquisição de habilidades prioritárias para um bom resultado dos nossos estudantes no Enem, elevando as chances de ingressarem na universidade em 2021”, pontua a gestora da GRE, Edivânia Arcanjo, segundo informações da assessoria. 

Vale pontuar que o Enem está marcado para os dias 17 e 24 de janeiro (versão impressa) e 31 de janeiro e 7 de fevereiro (versão digital).

O Conselho Nacional de Educação (CNE) definiu normas educacionais excepcionais a serem adotadas pelos sistemas de ensino enquanto durar a pandemia da Covid-10. A medida vale para instituições e redes escolares de educação básica e instituições de educação superior, públicas, privadas, comunitárias e confessionais.

O documento traz medidas sobre dias letivos e carga horária, direitos e objetivos de aprendizagem, planejamento escolar, retorno das atividades presenciais, atividades pedagógicas não presenciais e educação superior. 

##RECOMENDA##

No ano letivo afetado pelo estado de calamidade pública, devem ser mantidos os programas públicos suplementares de atendimento aos estudantes da Educação Básica e os programas públicos de assistência estudantil da Educação Superior, diz o documento.

As secretarias de educação e gestores de instituições escolares, públicas, privadas, comunitárias e confessionais, ficam responsáveis para oferecer programas visando à formação da equipe escolar na administração logística da instituição, à formação de professores alfabetizadores e de professores para as atividades não presenciais, e ao uso de métodos inovadores e tecnologias de apoio aos docentes, segundo o texto publicado no DOU.

De acordo com o CNE, o retorno às atividades escolares regulares deve ocorrer de acordo com as diretrizes das autoridades sanitárias combinadas às regras estabelecidas pelos respectivos sistemas de ensino e instituições de ensino. 

Sobre a comunicação e ampla divulgação dos calendários escolares, as secretarias de educação e as instituições escolares ficam responsáveis pela divulgação dos calendários, protocolo e esquemas de reabertura das atividades presenciais, o modo de operacionalização das atividades não presenciais, e a forma do alcance dos resultados almejados e definidos, tendo em conta suas peculiaridades, segundo a resolução, de acordo com o CNE.

Referente aos dias letivos e carga horária para estudantes da educação infantil, o documento diz que é obrigatório o mínimo de dias de trabalho educacional (200 dias) e o cumprimento da carga horária mínima anual (800 horas), previstos no inciso II do art. 31 da Lei nº 9.394/1996. A obrigatoriedade também vale para o ensino fundamental e médio, desde que cumpra a carga horária anual nos termos do inciso II do art. 2º da Lei nº 14.040/2020. 

O documento ainda ressalta que visa o atendimento dos direitos e objetivos de aprendizagem e desenvolvimento previsto para cada etapa educacional da educação básica, expressos nas competências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e desdobradas nas propostas pedagógicas e nos currículos das instituições escolares ou redes de ensino, bem como nas pertinentes Diretrizes Curriculares e Operacionais Nacionais. Já  para a educação profissional técnica de nível médio o processo educativo tem como objetivo o desenvolvimento de competências profissionais previstas nos respectivos planos de curso, nos termos das diretrizes curriculares nacionais.

O documento diz que as normas a serem editadas pelos sistemas de ensino ficam dispensadas, em caráter excepcional, durante o ano letivo afetado pelo estado de calamidade pública reconhecido. 

Já sobre as atividades pedagógicas não presenciais poderão ser utilizadas de forma integral nos casos de suspensão das atividades letivas presenciais por determinação das autoridades locais; e condições sanitárias locais que tragam riscos à segurança das atividades letivas presenciais.

Mais detalhes sobre as normas e o conteúdo completo pode ser conferido no Diário Oficial da União.

O Serviço Social da Indústria de Pernambuco (Sesi-PE) informou, nesta terça-feira (1º), que há 200 vagas em cursos on-line gratuito. Há oportunidades para cursos de comunicação escrita e empresário do terceiro milênio. Os interessados devem se inscrever até o dia 15 de dezembro, pela internet.

Para realizar a matrícula, é necessário ter e-mail, acesso à internet e noções básicas de informática. Depois que a inscrição for confirmada, o estudante tem o prazo de 30 dias para acompanhar os conteúdos e concluir o curso desejado. De acordo com o Sesi, todos os cursos são autoinstrucionais, logo, não carecem de acompanhamento de um tutor online.

##RECOMENDA##

No curso de comunicação escrita, o aluno aprenderá quais são os aspectos da redação técnica, além de organizar textos, se comunicar com mais clareza e entender melhor sobre as dificuldades gramaticais recorrentes. Já o conteúdo do curso empresário do terceiro milênio haverá reflexões sobre como criar medidas de responsabilidade social e ambiental que podem ser praticadas por empresários de micro, pequenas e médias empresas, assim como abordar cultura de inovação, controle de vendas, gerenciamento financeiro e atendimento ao cliente.

Depois de cumprir a carga horária total do curso escolhido, o aluno participará de uma avaliação na plataforma educacional. Para receber o certificado de conclusão é necessário que o estudante alcance 70 pontos no exame. Para mais informações, o candidato pode entrar em contato através do e-mail educacao.distancia@pe.sesi.org.br.

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) anunciou, nessa sexta-feira (27), a abertura das inscrições para os cursos de licenciatura em pedagogia e computação, na modalidade à distância, distribuídas em cinco polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil (UAB): Bicas, Durandé, Itamonte, Monte Sião e Confins, todos no estado de Minas Gerais. Os cursos e vagas variam conforme o polo. Ao todo, há 164 vagas ofertadas. 

Os interessados podem realizar as inscrições até às 18h, do dia 2 de dezembro, no site da Coordenação Geral de Processos Seletivos (Copese). No período da inscrição, o candidato deve ler atentamente as instruções, preencher o formulário com seus dados completos e enviá-los eletronicamente, efetivando, assim, o seu cadastramento no processo de seleção. Em seguida, deve imprimir a Guia de Recolhimento da União (GRU) correspondente à taxa de inscrição, no valor de R$ 120, e efetuar o pagamento até às 20h do dia 2 de dezembro, exclusivamente no Banco do Brasil, de acordo com a UFJF. 

##RECOMENDA##

Vale pontuar que os candidatos podem optar por uma das modalidades de ingresso, que envolvem aproveitamento da pontuação obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), considerando as cinco das edições mais recentes do exame, concorrendo à proporção de 90% do total das vagas; disputa das vagas destinadas a professores da rede pública de ensino, em exercício, sem formação inicial em nível superior; ou ainda às vagas voltadas para aqueles que não possuem formação na área em que atuam, na proporção de 10% do total.

De acordo com o edital, o candidato deve optar por dois polos, em ordem de preferência, onde pretende cursar a graduação escolhida. As vagas em cada uma das modalidades, cursos e polos respeitam os limites das vagas existentes. Havendo número de inscritos superior na modalidade para professores, o critério de escolha será de acordo com o maior tempo de serviço. Persistindo o empate, com o de maior idade. A divulgação do resultado final do processo de seleção está prevista para 8 de dezembro, a partir das 15h, no site da Copese.

Para mais informações, acesse o edital do certame.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe) afirma que o Governo do estado "caminha no sentido contrário" em relação ao combate à pandemia da Covid-19 nas escolas da rede pública. Nesta quinta-feira (26), professores suspenderam as aulas e protestaram pela ampliação do rol de servidores inclusos no reajuste salarial.

“O Governo tem caminhado no sentido contrário. Afasta os contaminados, não testa ninguém, não suspende as atividades e você pode ter ali muita gente proliferando o vírus”, relatou o presidente do Sintepe, Fernando Melo.

##RECOMENDA##

Nessa quarta (25), a entidade enviou à gestão um ofício, no qual listou 30 escolas estaduais com casos confirmados da Covid-19. “Tem escolas até com 15 casos de Covid. Inclusive, ontem nós tivemos a informação que a escola técnica de Sertânia já está com 21 casos”, acrescentou.

A categoria afirma que as escolas não podem funcionar como um epicentro da doença e cobra medidas de mitigação do vírus. “Nós estamos exigindo do Governo que, em cada local onde se confirmem casos, seja feita uma testagem para verificar as pessoas que estavam em contato com o sintomático, para que essas pessoas que podem estar assintomáticas sejam afastadas”, propõe Fernando, que sugeriu o fechamento por dez dias das unidades de ensino com testados pela Covid-19.

O presidente não descartou a possibilidade de uma futura greve, mas relevou que a Justiça foi acionada para que a prevenção nas escolas seja reforçada pelo governador Paulo Câmara.

“Vamos continuar cobrando e estamos entrando com uma ação no Ministério Público, na perspectiva de que a gente possa complementar as denúncias que o Sintepe já fez. Na verdade, estamos renovando [a denúncia] com novos casos para que a Justiça possa chamar o Governo”, confirmou.

Uma pesquisa encomendada pela Fundação Lemann mostrou que 55% dos professores da rede pública de ensino consideram essencial que as escolas tenham acesso à internet para a retomada das aulas em 2021. Segundo a pesquisa, os professores estão mais preparados e 73% pretendem utilizar mais ferramentas tecnológicas para lecionar do que usavam antes da pandemia da Covid-19.

Para 81% dos professores, a tecnologia é uma grande aliada na promoção de um ensino mais ativo. No entanto, 45% dos profissionais consideram a conexão à internet adequada atualmente e quase 30% não têm qualquer internet na unidade escolar.

##RECOMENDA##

“Com o isolamento social, e o fechamento de escolas, o ensino remoto foi implementado em caráter emergencial. Em 2021, vamos migrar para um modelo híbrido e temos ainda tempo de nos preparar", disse a gerente da Força Tarefa Educação/Covid-19 da Fundação Lemann, Cristieni Castilhos. 

Para a Fundação Lemann, mesmo diante dos recentes cortes e a não execução no orçamento da educação no executivo federal, “há alguns projetos de lei, tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado, que estão em tramitação, e esta é uma boa oportunidade para os parlamentares analisarem e aprovarem esses projetos até o final do ano de forma a conectar os estudantes e beneficiar aqueles que têm menos condições”. 

"Precisamos de ações concretas ainda em 2021, pois a tecnologia veio para ficar na educação. No ano que vem, uma escola conectada vai ser chave para garantir o modelo híbrido que seguiremos tendo. Fomos pegos de surpresa em 2020, mas não podemos terminar o ano sem uma ação significativa que resolva a conexão da educação", ressaltou Cristieni. 

Preparo

A pesquisa revelou que apenas 3% dos professores não se sentem preparados para dar aulas com ferramentas tecnológicas e 97% acham importante oferecer equipamentos e acesso à internet de alta velocidade para alunos e professores que não disponham, caso as escolas não reabram até o fim do ano.

Segundo a pesquisa, 64% dos professores consideram imprescindível a todas as escolas terem acesso à internet de alta velocidade; 59% acham imprescindível todos os professores terem acesso e 47% acham imprescindível todos os alunos terem acesso, e 76% dos professores dizem que farão mais formações de forma remota após a pandemia do que o quanto faziam antes da pandemia.

Das 27 unidades federativas, apenas 12 já autorizaram a reabertura das escolas: Amazonas, São Paulo, Ceará, Pernambuco, Piauí, Sergipe, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Tocantins, com retorno sendo feito de forma gradual. 

Foram entrevistados 1.005 professores da rede pública de todo o país em setembro e outubro.

Estão abertas as inscrições para cursos de graduação em modalidade de Educação à Distância (EaD) com ingresso em 2021 da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). No total, serão ofertadas 1.050 vagas em cinco cursos. As inscrições seguem até o dia 29 deste mês, pela internet. A taxa de inscrição é de R$ 50 e deve ser paga até 30 de novembro.

Há oportunidades para os cursos de bacharelado em biblioteconomia e  licenciatura em biologia, física, história e pedagogia. O ensinamento contará com encontros presenciais semanais obrigatórios nos polos da Universidade Aberta do Brasil do Espírito Santo (UAB/ES), nas cidades que os sediam, de acordo com calendário de atividades das disciplinas. Os encontros poderão ser realizados aos sábados. 

##RECOMENDA##

Para ingresso no curso, os  candidatos serão avaliados a partir do seu histórico escolar do ensino médio ou equivalente. O candidato deverá enviar cópia digital dos documentos requisitados no formulário de inscrição.

As vagas são destinadas a professores vinculados em instituições públicas de quaisquer áreas e níveis de ensino das redes públicas municipais e estaduais; público em geral; e candidatos que tenham cursado o ensino médio completo em escola pública do Brasil e se enquadrem em um dos programas de cotas.

As cotas estão reservadas de acordo com a legislação nacional e normativas da Ufes. A divulgação do resultado final dos candidatos selecionados será divulgado no dia 6 de janeiro de 2021. Para mais informações, acesse o edital do processo seletivo.

Páginas

Leianas redes sociaisAcompanhe-nos!

Facebook

Carregando